EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Líderes polaco e lituano supervisionam exercícios militares ao longo da fronteira

Um soldado do Exército da Lituânia participa no exercício militar Lituano-Polaco Brave Griffin 24/II perto do Suwalki Gap perto da fronteira polaca na aldeia de Dirmiskes, em Lithu
Um soldado do Exército da Lituânia participa no exercício militar Lituano-Polaco Brave Griffin 24/II perto do Suwalki Gap perto da fronteira polaca na aldeia de Dirmiskes, em Lithu Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A faixa terrestre de Suwalki na fronteira entre a Polónia e a Lituânia é considerada uma ameaça, uma vez que é também um corredor entre a Bielorrússia e o enclave russo de Kaliningrado.

PUBLICIDADE

O presidente polaco, Andrzej Duda, disse na sexta-feira que “o potencial agressor deve ver a prontidão” militar dos Aliados, enquanto monitorizava um exercício militar conjunto com a Lituânia ao longo da fronteira partilhada.

Duda e o Presidente da Lituânia, Gitanas Nausėda, encontraram-se no último dia do exercício militar Brave Griffin 24/II que durou uma semana ao longo da faixa terrestre de Suwalki, um trecho de terra estrategicamente importante que é considerado um potencial de ponto de inflamação no caso de um impasse entre a Rússia e a aliança da NATO.

A fronteira, com quase 100 quilómetros de comprimento entre a Polónia e a Lituânia, é também um corredor terrestre entre a Bielorrússia, aliada de Moscovo, e o enclave russo do Mar Báltico de Kaliningrado.

“Há uma ameaça potencial, e é por isso que esses exercícios estão a decorrer”, disse Duda ladeado por Nauséda.

Poland's President Andrej Duda, left, and Lithuania's President Gitanas Nauseda watch a Lithuanian-Polish Brave Griffin 24/II military exercise. Friday, April 26, 2024.
Poland's President Andrej Duda, left, and Lithuania's President Gitanas Nauseda watch a Lithuanian-Polish Brave Griffin 24/II military exercise. Friday, April 26, 2024.AP

A fronteira terrestre entre a Polónia e a Lituânia era vista como vulnerável. Se a Rússia alguma vez assumisse controlo da Faixa de Suwalki, poderia deixar a Lituânia e os outros dois estados bálticos, a Letónia e a Estónia, isolados da Polónia e de outros aliados da NATO.

Praticar a “transição do tempo de paz para o tempo de guerra”

Military vehicles takes part in the Lithuanian-Polish Brave Griffin 24/II military exercise near the Suwalki Gap. Friday, April 26, 2024
Military vehicles takes part in the Lithuanian-Polish Brave Griffin 24/II military exercise near the Suwalki Gap. Friday, April 26, 2024AP

Cerca de 1.500 soldados da Lituânia, Polónia, EUA e Portugal participaram na manobra. A Lituânia, em particular, considerou o “Brave Griffin” como uma preparação para a maior manobra da história moderna, que deverá ter lugar este verão: 10.000 soldados lituanos e outros tantos aliados da NATO vão praticar “a transição do tempo de paz para o tempo de guerra”.

Nos últimos meses, a possibilidade de um ataque russo à NATO tem sido repetidamente discutida. O atraso considerável na ajuda militar dos EUA à Ucrânia causou preocupação entre os aliados.

- Este gráfico da Associated Press enumera as armas e o equipamento militar que faz parte do pacote de ajuda dos Estados Unidos à Ucrânia, estimado em mil milhões de dólares. A partir de 26 de abril de 2024. Fonte: Departamento da Defesa dos EUA. - 

Na sequência do reinício da ajuda dos EUA, os aliados realizaram uma videoconferência na sexta-feira, no âmbito do projeto Rammstein, para discutir novas medidas de implementação. Quase 50 países estão envolvidos no fornecimento de ajuda militar a Kiev.

Durante a reunião, o Secretário da Defesa dos EUA, Lloyd Austin, anunciou o envio de mais mísseis Patriot (munições) para Kiev. As declarações de Austin não deixaram claro se seriam também entregues baterias Patriot adicionais (sistemas de lançamento).

De acordo com o Presidente ucraniano Volodymir Zelenskyi, a Ucrânia necessita de, pelo menos, mais sete baterias Patriot para garantir a proteção das grandes cidades contra os ataques aéreos russos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Chefe da NATO insta os aliados a fornecerem sistemas de defesa aérea à Ucrânia

Albanese: UE deve suspender relações com Israel devido ao "genocídio em Gaza"

Tusk nomeia comissão para investigar influência russa e bielorrussa após detenções de espiões