Dois anos após a libertação de Bucha: "Cadáveres nas ruas e enterrados sem serem identificados"

Ucranianos prestam homenagem a vítimas da ocupação em Bucha
Ucranianos prestam homenagem a vítimas da ocupação em Bucha Direitos de autor Vadim Ghirda/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Shona MurrayEuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O testemunho da vice-presidente da Câmara Municipal de Bucha: "Os mortos foram enterrados nos quintais, nas praças, nos nossos belos parques, e isso foi chocante".

PUBLICIDADE

A natureza brutal da guerra na Ucrânia tornou-se aparente para o resto do mundo após a ocupação de Bucha e Irpin pelas tropas russas. A Euronews viajou até lá para saber como a população tem resistido, numa altura em que se assinalam dois anos desde a libertação do território.

Aquilo que resta do hospital e do centro cultural bombardeados trazem à memória os momentos terríveis que a população em Bucha atravessou.

Mykhayilyna Skoryk-Shkarivska era vice-presidente da Câmara Municipal de Bucha na altura e recorda-se de ter ajudado muitos a enterrar e identificar familiares que foram mortos.

"Só vimos a escala do massacre depois, quando começámos a recolher as pessoas mortas e a fazer exumações em todo o lado porque inicialmente as pessoas não tinham a possibilidade de enterrar os seus entes queridos nos cemitérios. Estavam a enterrá-los nos quintais, nas praças, nos nossos belos parques. E isso era muito chocante", conta.

O exército russo atacou e ocupou Bucha e Irpin como parte do plano para capturar a capital Kiev. A defesa ucraniana destruiu a ponte no rio Irpin, conseguindo travar o avanço do exército russo para Kiev. Mas não conseguiu evitar o drama de Bucha. 

"Isto foi uma execução. Tinham os braços presos e foram mortos pelas costas a uma distância muito curta", descreve Mykhayilyna enquanto vai mostrando imagens de corpos estendidos no chão. 

"Vimos pelo menos 12 pessoas mortas, após a libertação de Bucha. Os russos não nos deixavam enterrar os mortos para assustarem aqueles que ficaram. Nunca tínhamos visto isso antes no território da Ucrânia, nem durante a guerra no Donbass ou na Crimeia. É por isso que aquilo que aconteceu em Bucha foi tão chocante. Bucha tornou-se uma espécie de museu vivo de crimes de guerra", continua a antiga vice-presidente da Câmara Municipal de Bucha.

Apesar do trauma e da natureza dos crimes que aqui foram perpetrados e que vão para sempre assombrar os ucranianos, alguns têm escolhido voltar para Bucha. Ao mesmo tempo, vão implorando ao resto do mundo para que não sejam abandonados à medida que a guerra se vai prolongando pelo terceiro ano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

NATO quer tornar ajuda à Ucrânia regular e estável

Blinken: "É essencial enviar mais armas para a Ucrânia"

Massacre de Bucha: dois anos depois, há feridas difíceis de sarar