EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

O Irão começou a atacar Telavive? Não, e a mentira veio do X

Cubo
Cubo Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A rede social partilhou vídeos de um ataque ucraniano à Crimeia como se fossem de um ataque iraniano à cidade israelita de Telavive.

PUBLICIDADE

Circulam online vídeos enganadores que alegadamente mostram um ataque no início de abril de mísseis iranianos contra Telavive e que a cidade teria sido engolida pelas chamas.

Mas nem tudo é o que parece.

Um dos vídeos amplamente partilhados, por exemplo, vem normalmente acompanhado por uma frase que diz que as imagens são de um ataque do Irão a Telavive, em que os mísseis causaram destruição generalizada.

"O fogo do inferno está a arder", diz uma das publicações. O vídeo foi partilhado logo após Israel ter atacado a embaixada iraniana em Damasco, na Síria, no dia 1 de abril, matando vários funcionários iranianos.

A história foi mesmo promovida no feed principal do X (antigo Twitter) com o título: "Irão ataca Telavive com mísseis pesados". Isto é particularmente preocupante, porque a história é falsa.

O vídeo mostra, na realidade, um ataque de mísseis em março deste ano da Ucrânia contra a cidade de Sebastopol, na Crimeia, ocupada pelos russos.

Podemos verificá-lo através de uma pesquisa reversa de imagem, que confirma que o vídeo foi partilhado online pela primeira vez no contexto de um ataque ucraniano no mês passado.

Os meios de comunicação social de todo o mundo divulgaram o vídeo como tal, alguns atribuindo-o a fontes oficiais ucranianas. E o exército ucraniano afirmou ter atingido dois navios de guerra russos no Mar Negro no âmbito dos ataques.

O vídeo foi partilhado de forma enganosa também noutras línguas, como a alemã, onde foi devidamente verificado pelos utilizadores do X.

Outros verificadores de factos foram rápidos a denunciar o papel do X a promover a história: descobriram que o título falso que apareceu no feed de tendências do X foi aparentemente gerado pelo seu chatbot oficial de IA, Grok.

Explicaram que o Twitter, como a plataforma costumava chamar-se, tinha uma equipa de editores humanos que fazia a curadoria das notícias e contextualizava as tendências à medida que estas surgiam.

No entanto, Elon Musk eliminou o contexto escrito e a equipa humana quando comprou a empresa em 2022.

O contexto dado aos tópicos de tendência na página de exploração deverá regressar em breve, mas agora é escrito pelo Grok, em vez de editores humanos, segundo os verificadores de factos.

Segundo eles, o algoritmo do X parece ter detetado uma potencial tendência ao notar que cada vez mais contas partilhavam o vídeo enganador.

O Grok terá então criado algumas linhas de contexto para acompanhar a história, com base nas publicações, juntamente com o título falso.

Vale a pena notar que o X especificou que o Grok é um trabalho em curso e pode cometer erros, mas um erro destes pode ter consequências graves e mostra os perigos de confiar demasiado na inteligência artificial.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

EUA mandam recados ao Irão para que evite escalada no Médio Oriente

Ataque israelita destrói consulado iraniano em Damasco e mata alta patente militar

Os drones iranianos podem ameaçar o petróleo europeu?