EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Estudo revela que parte da Europa está a ficar insatisfeita com a democracia

Um manifestante segura um cartaz com a inscrição "Democracia" em frente ao Reichstag durante uma manifestação contra o partido AfD e o extremismo de direita em Berlim, fevereiro de 2024
Um manifestante segura um cartaz com a inscrição "Democracia" em frente ao Reichstag durante uma manifestação contra o partido AfD e o extremismo de direita em Berlim, fevereiro de 2024 Direitos de autor Ebrahim Noroozi/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Ebrahim Noroozi/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Mared Gwyn Jones
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Oito em 15 países da UE inquiridos, a melhoria dos cuidados de saúde surge como a prioridade número um. A luta contra a pobreza é também considerada uma grande preocupação em vários países, estando no topo da lista em quatro dos 15 Estados-Membros inquiridos.

PUBLICIDADE

Um novo estudo global revelou que a insatisfação com a democracia está a aumentar em algumas regiões da Europa, onde os governos não estão a corresponder às expectativas democráticas dos seus cidadãos.

O Índice de Perceção da Democracia (DPI) é o maior teste de temperatura global da democracia, com quase 63 000 pessoas de 53 países, incluindo 15 membros da União Europeia, inquiridas entre fevereiro e abril deste ano.

Embora a maioria dos cidadãos da UE (57%) considere que os seus países de origem são democráticos, em três Estados-Membros - França, Grécia e Hungria - a maioria pensa agora que já não vive em democracias livres.

Na Hungria, apenas 31% dos cidadãos consideram o seu país uma democracia. Nos últimos anos, o país tem sido apanhado no fogo cruzado com Bruxelas por causa do retrocesso democrático e das violações do Estado de direito, incluindo a legislação anti-LGBT, a asfixia dos meios de comunicação social independentes, o clientelismo generalizado e a interferência política no sistema judicial.

A insatisfação também está a aumentar entre os gregos, dos quais apenas 43% consideram que o seu país é democrático.

A Grécia, berço da democracia, foi recentemente alvo de escrutínio devido a alegações de expulsão ilegal de migrantes no Mar Mediterrâneo, à erosão da liberdade dos meios de comunicação social e a uma vasta investigação sobre spyware que envolve jornalistas e opositores.

No início deste ano, o Parlamento Europeu adotou a sua primeira resolução de sempre sobre o Estado de direito na Grécia, condenando a sua contínua regressão e apelando a uma revisão dos fundos da UE.

Em França, quase metade dos inquiridos (46%) considera que o seu país é democrático. A turbulência económica, a indignação com as reformas das pensões do Presidente Emmanuel Macron e a crescente desconfiança na classe dirigente fizeram com que a perceção democrática do país caísse a pique.

Noutros países europeus, como a Alemanha, existe um fosso cada vez maior entre a importância que as pessoas atribuem à democracia e o grau de democracia que consideram que o seu país tem, também conhecido como défice democrático percebido (PDD).

Este défice atinge uns impressionantes 51% na Grécia e 50% na Hungria. Também aumentou uns significativos 9% na Alemanha desde 2023, onde se situa atualmente em 36%.

A impressão de que os governos agem frequentemente no interesse de um grupo minoritário e não para o bem comum também aumentou em média na Europa desde 2020, com um aumento acentuado na Alemanha, de 34% em 2020 para 54% em 2024.

O aumento de 20% ilustra a insatisfação crescente com a coligação tripartida do chanceler socialista Olaf Scholz com os Verdes e os Liberais, que tomou posse em 2021. Os seus parceiros de coligação têm estado em desacordo em relação a uma série de questões políticas, desde o orçamento aos subsídios para assistência a crianças e à política económica, alimentando a frustração e fazendo com que o seu partido socialista SPD caia nas sondagens.

Migração é uma preocupação crescente

O Índice de Perceção da Democracia (DPI) também dá uma ideia daquilo em que os cidadãos querem que os seus governos eleitos se concentrem.

Numa pequena maioria dos países da UE inquiridos (oito em 15), a melhoria dos cuidados de saúde surge como a prioridade número um.

A luta contra a pobreza é também considerada uma grande preocupação em vários países, estando no topo da lista em quatro dos 15 Estados-Membros inquiridos.

Nos últimos dois anos, registou-se também um aumento acentuado da percentagem de pessoas que afirmam que a "redução da imigração" deveria ser uma das principais prioridades do governo. Esta tendência é particularmente evidente na Áustria, na Alemanha, na Irlanda e em França, onde a imigração subiu em flecha nas listas de prioridades dos inquiridos nos últimos anos.

De acordo com 44% dos alemães, 40% dos austríacos, 37% dos franceses e 31% dos irlandeses inquiridos, a redução da imigração deveria figurar entre as três principais prioridades dos seus governos.

A Alemanha é o líder mundial em termos da percentagem mais elevada de pessoas que pretendem que o seu governo se concentre na redução da imigração (44%), superando todas as outras prioridades. Por outro lado, as alterações climáticas estão a descer na lista de prioridades entre os alemães, apenas 24% dos quais as consideram uma das três principais prioridades.

PUBLICIDADE

Os partidos marginais que fazem campanha por uma linha dura em relação à migração estão a subir nas sondagens antes das eleições europeias de junho. Os partidos populistas que fazem campanha com uma forte agenda anti-migração deverão ganhar essas eleições em pelo menos sete Estados-Membros da UE e ficar em segundo ou terceiro lugar noutros nove.

Um estudo recente sugere que a fricção entre duas tribos de eleitores, uma preocupada sobretudo com as alterações climáticas e a outra com a imigração, poderá influenciar o resultado das eleições europeias de junho.

Confiança global na UE estagna

Embora continue a haver uma perceção positiva da UE em todos os países inquiridos, com exceção da Rússia, essa imagem positiva está a estagnar em todo o mundo, tal como acontece com os EUA e a ONU.

Os EUA também estão a enfrentar uma espécie de crise de perceção, incluindo em vários países da UE.

A perceção dos EUA é atualmente negativa na Áustria (-22%), Irlanda (-5%), Alemanha (-4%), Bélgica (-4%) e Grécia (-4%).

PUBLICIDADE

Apesar da sua atual invasão da Ucrânia, a perceção da Rússia continuou a aumentar acentuadamente em média em todo o mundo desde 2022.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE deve manter a sua democracia "segura e protegida", afirma von der Leyen após anunciar candidatura à reeleição

Irlanda reconhece oficialmente o Estado da Palestina

UE está a considerar reativar missão no posto de passagem de Rafah