EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Funcionários das instituições europeias marcham em memória das vítimas da guerra em Gaza

Funcionários da UE marcham pela paz em Gaza no bairro da UE em Bruxelas, 8 de maio de 2024
Funcionários da UE marcham pela paz em Gaza no bairro da UE em Bruxelas, 8 de maio de 2024 Direitos de autor Euronews 2024
Direitos de autor Euronews 2024
De  Mared Gwyn Jones
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Os manifestantes simularam o funeral dos valores europeus, alegando que a União Europeia deve agir contra a violação de valores fundamentais em Gaza.

PUBLICIDADE

Um grupo de funcionários das instituições europeias marchou em Bruxelas, na quarta-feira, em memória das vítimas da guerra em Gaza e para assinalar o que descreveram como a "morte" dos valores europeus.

Os funcionários, que defenderam a sua imparcialidade e a natureza apolítica da manifestação, afirmam que os valores fundamentais da dignidade humana, da paz e do Estado de direito estão a ser violados em Gazae que a União Europeia (UE) deve agir.

Os manifestantes referem ainda que, enquanto projeto defensor da paz, a UE tem a responsabilidade de contribuir mais para os esforços internacionais, de modo a trazer a paz de volta a Gaza, que foi devastada pela guerra.

Num funeral simbólico, os manifestantes recorreram a sacos de cadáveres para representar a "morte" do direito internacional, dos tratados da UE e da Convenção sobre o Genocídio. 

Não foram avistadas quaisquer bandeiras, nem sinais de filiação política, quando os funcionários das instituições europeias fizeram um minuto de silêncio pelas vidas palestinianasperdidas no conflito. Atualmente, o número de mortos é superior a 35.000, segundo as autoridades dirigidas pelo Hamas. 

Esta é a segunda manifestação deste tipo no bairro europeu de Bruxelas desde o início da guerra, na sequência do ataque do Hamas a Israel, a 7 de outubro de 2023.

"Esta mobilização pacífica foi organizada por centenas de funcionários públicos e do pessoal que trabalha nas instituições da UE, e em torno das instituições da UE", disse Manus Carlisle, funcionário da Comissão Europeia e um dos organizadores da marcha, citado pelas agências internacionais. 

A marcha contou com a presença de mais de 100 funcionários, mas os organizadores ainda não confirmaram os números oficiais.

"Estamos aqui para defender os valores e os princípios que nos são tão caros e que sentimos que não estão a ser respeitados neste momento em que a ofensiva continua em Rafah, em Gaza, na Cisjordânia", acrescentou Carlisle. 

A marcha em Bruxelas ocorreu após as mais recentes negociações de cessar-fogo mediadas pelo Qatar, pelo Egipto e pelos Estados Unidos, que não produziram quaisquer resultados. A proposta foi aceite pelo Hamas, mas foi, posteriormente, rejeitada por Israel. 

Apesar dos protestos internacionais, Israel parece estar agora a lançar uma ofensiva terrestre na cidade de Rafah, no sul de Gaza, onde se estima que estejam abrigados cerca de 1,4 milhões de palestinianos. Israel aconselhou, no entanto, a população a retirar-se de Rafah para sua própria segurança. 

Von der Leyen promete agir em caso de ataque em grande escala

Na terça-feira, o líder da democracia da UE, Josep Borrell, alertou para o facto de uma ofensiva terrestre em Rafah poder resultar num elevado número de mortes civis. Já a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, prometeu tomar medidas se o Governo de Benjamin Netanyahu avançar com um ataque em grande escala em Rafah. 

Os 27 líderes da União Europeia têm vindo a apelar a um cessar-fogo em Gaza desde o final do mês de março, mas muitos cidadãos europeus consideram que a posição profundamente dividida do bloco sobre o conflito tem prejudicado o seu impacto diplomático.

Nos últimos dias, os protestos contra a ofensiva de Israel em Gaza e a crise humanitária daí resultante enraizaram-se em universidades de todo o bloco, muitas das quais apelam à suspensão das parcerias da UE com universidades israelitas.

Um porta-voz da UE reiterou na quarta-feira que as parcerias do bloco com universidades israelitas, ao abrigo do programa Horizonte Europa, devem cumprir "princípios éticos" e que as entidades nos territórios ocupados por Israel não são elegíveis.

Sara, funcionária de uma instituição da UE, disse à Euronews que os líderes da União Europeia precisam de "ir mais longe". 

"Estou aqui como alguém que trabalha todos os dias para tornar a UE um lugar melhor. E a UE não pode ser um lugar melhor se o mundo não for um lugar melhor", disse Sara.

 "Não podemos tolerar o ódio, não podemos tolerar a violência, não podemos tolerar este genocídio", vincou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Protestos universitários pró-Palestina multiplicam-se na Europa

Israel rejeita cessar-fogo aceite pelo Hamas e ataca Rafah mas negociações seguem no Egito

UE admite rever Acordo de Associação com Israel devido à situação em Rafah