EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Desprezo e simpatia: políticos da UE divididos quanto à morte do presidente iraniano Raisi

O Presidente iraniano Ebrahim Raisi ouve o Presidente turco Recep Tayyip Erdogan no palácio presidencial em Ancara, Turquia, 24 de janeiro de 2024.
O Presidente iraniano Ebrahim Raisi ouve o Presidente turco Recep Tayyip Erdogan no palácio presidencial em Ancara, Turquia, 24 de janeiro de 2024. Direitos de autor Mert Gokhan Koc/AP
Direitos de autor Mert Gokhan Koc/AP
De  Tamsin Paternoster
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O Presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, expressou as suas condolências pela morte do iraniano Ebrahim Raisi, mas nem todos os membros do Parlamento Europeu concordaram com a sua mensagem de pesar.

PUBLICIDADE

A morte do Presidente do Irão, Ebrahim Raisi, e do seu Ministro dos Negócios Estrangeiros, Hossein Amir Abdollahian, num acidente de helicóptero, no domingo, provocou uma série de reações por parte do Ocidente.

Entre elas, o Serviço de Gestão de Emergências Copernicus da Comissão Europeia, que fornece dados geoespaciais e imagens para a gestão de catástrofes, anunciou que iria oferecer serviços de cartografia para ajudar na operação de busca e salvamento de Raisi.

O Comissário Europeu para a Gestão de Crises, Janez Lenarčič, esclareceu no X que a oferta "não era um ato de apoio político a qualquer regime ou estabelecimento. É simplesmente uma expressão da humanidade mais básica".

O gabinete de imprensa da UE emitiu uma declaração de condolências pela morte de Raisi e Abdollahian. O Presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, declarou no X que os pensamentos da UE "vão para as famílias" dos mortos.

O chefe da diplomacia europeia da União Europeia, Joseph Borrell, apresentou as suas condolências pela morte de Raisi, Amirabdollahian e outros funcionários envolvidos no “trágico” acidente de helicóptero.

“A UE exprime as suas condolências às famílias de todas as vítimas e aos cidadãos iranianos afetados”, declarou num comunicado partilhado na rede social X.

No entanto, nem todos os membros do Parlamento Europeu concordaram com esta manifestação de solidariedade.

O eurodeputado independente Rob Roos classificou a mensagem da UE como "um insulto ao povo iraniano oprimido". O democrata sueco Charlie Weimers também criticou as ações do Copernicus, afirmando que "o dinheiro dos contribuintes europeus não deve, de forma alguma, ser utilizado para apoiar o regime terrorista de Teerão".

A eurodeputada sueca Charlie Weimers também criticou as ações do Copernicus, afirmando que "o dinheiro dos contribuintes europeus não deve ser utilizado para apoiar o regime terrorista de Teerão".

Também Geert Wilders, o líder do Partido da Liberdade holandês (PvP) que acaba de concluir um acordo de coligação com formações de direita e liberais, atacou a solidariedade europeia com o Irão e respondeu à mensagem do presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, com a frase: "Não em meu nome" e ainda "Solidariedade da UE para com o mal", comentando a declaração do Comissário Europeu para a Gestão de Crises, Janez Lenarcic.

A União Europeia é um dos muitos países que têm sanções contra o regime iraniano. Estas sanções incluem restrições comerciais, proibição de viajar e congelamento de bens.

Em abril, a UE concordou com uma nova série de sanções em resposta ao grande ataque com mísseis do Irão contra Israel, lançado no meio de tensões crescentes entre os dois rivais regionais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidente do Irão morre em acidente de helicóptero

Helicóptero do presidente iraniano faz "aterragem forçada", informa a imprensa estatal

Naufrágios no sul de Itália fazem pelo menos 11 mortos e dezenas de desaparecidos