EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Putin diz que sector da energia russa está a crescer mas a Gazprom teve prejuízos pela primeira vez em 25 anos

O Presidente russo, Vladimir Putin, fala durante uma reunião sobre o desenvolvimento da indústria russa de combustíveis e energia no Kremlin, em Moscovo, a 20 de maio de 2024
O Presidente russo, Vladimir Putin, fala durante uma reunião sobre o desenvolvimento da indústria russa de combustíveis e energia no Kremlin, em Moscovo, a 20 de maio de 2024 Direitos de autor Alexander Kazakov/Sputnik
Direitos de autor Alexander Kazakov/Sputnik
De  Euronews com AP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

No início deste mês, a UE iniciou conversações para discutir a próxima ronda de sanções contra a Rússia que, pela primeira vez, visam o lucrativo sector do gás do país.

PUBLICIDADE

O presidente russo, Vladimir Putin, saudou o desenvolvimento do sector energético do seu país, numa reunião com funcionários governamentais.

Putin afirmou que, apesar das sanções e da volatilidade dos mercados energéticos mundiais e regionais, o sector russo dos combustíveis e da energia está a “desenvolver-se de forma estável”.

“A economia russa está a crescer, as necessidades estão a aumentar e são satisfeitas pelo complexo de combustíveis e energia”, disse aos ministros.

Putin afirmou que o volume de produção de gás aumentou 8% durante os primeiros quatro meses do ano em comparação com 2023, enquanto os indicadores da indústria petrolífera são “estáveis”.

Mas estas observações surgem no mesmo dia em que o governo deu instruções à empresa estatal de gás Gazprom para não pagar aos acionistas dividendos relativos ao ano passado, depois de a empresa ter registado o seu primeiro prejuízo anual desde 1999.

A empresa comunicou perdas de cerca de sete mil milhões de dólares para 2023, que se pensa deverem-se à redução das vendas de gás para a Europa, que caíram a pique desde a invasão da Ucrânia. 

As importações de petróleo russo pela UE caíram 82%, passando de uma média mensal de 8,7 milhões de toneladas no segundo trimestre de 2022 para apenas 1,6 milhões de toneladas no mesmo período de 2023.

A UE impôs sanções às indústrias petrolíferas e do carvão russas em resposta à invasão da Ucrânia, numa tentativa de cortar uma fonte de rendimento vital.

Desde então, o bloco tem vindo a explorar formas de diversificar o seu abastecimento energético e reduzir a sua dependência da energia russa. Isso inclui a celebração de novos acordos com países como a Noruega, o Cazaquistão e a Arábia Saudita.

No início deste mês, a UE iniciou conversações para discutir a próxima ronda de sanções, que, pela primeira vez, visam o sector do gás da Rússia.

A proposta em cima da mesa quebra um tabu de longa data em Bruxelas, uma vez que o gás russo tem sido até agora poupado a quaisquer restrições, apesar dos repetidos apelos da Polónia, dos países bálticos, dos países nórdicos e, sobretudo, da Ucrânia.

Mas o plano, concebido pela Comissão Europeia, não chega a ser uma proibição total das importações, como o bloco fez anteriormente com o carvão e o petróleo marítimo.

O objetivo é proibir os transbordos de gás natural liquefeito russo, ou seja, a prática de reexportar para outros países o GNL que chega aos portos da UE.

A Bélgica, a França e a Espanha têm sido os principais pontos de entrada do GNL russo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Levantamento de sanções da Rússia pode exigir uma mudança de abordagem, dizem os analistas

UE debate inclusão de gás GNL no 14º pacote de sanções contra a Rússia

Áustria quer contornar fim de transporte de gás russo pela Ucrânia