EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Está a chegar a época dos incêndios florestais. Saiba o que a UE está a fazer na prevenção e combate

Moradores tentam chegar às suas casas na aldeia de Benijos à medida que um incêndio avança em La Orotava, em Tenerife, Ilhas Canárias, Espanha, em agosto de 2023
Moradores tentam chegar às suas casas na aldeia de Benijos à medida que um incêndio avança em La Orotava, em Tenerife, Ilhas Canárias, Espanha, em agosto de 2023 Direitos de autor Arturo Rodriguez/The AP
Direitos de autor Arturo Rodriguez/The AP
De  Saskia O'Donoghue
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Na sequência de um verão devastador de incêndios em toda a Europa no ano passado, a UE reforçou os seus recursos para evitar danos generalizados em 2024.

PUBLICIDADE

Com o verão ao virar da esquina, todos sonhamos com o sol e com banhos de mar - mas com o tempo quente vem o risco de incêndios florestais.

É aí que entra a União Europeia. A partir de junho, estão a ser implementadas medidas para reforçar os esforços de combate aos incêndios, a fim de proteger melhor as comunidades em toda a Europa - e o ambiente circundante.

Na sequência dos incêndios devastadores de 2023 - registados como alguns dos piores deste século - a UE reuniu uma equipa de 556 bombeiros de 12 países.

Este verão, estarão estrategicamente posicionados em locais-chave da Europa, incluindo em zonas de alto risco como França, Itália, Grécia, Portugal e Espanha.

As corporações de bombeiros locais podem ficar sobrecarregadas quando a escala de um incêndio florestal ultrapassa as capacidades de resposta de um país.

A UE está também a criar uma frota específica de aviões de combate a incêndios, que consistirá em 28 aviões e 4 helicópteros estacionados em 10 dos Estados-Membros da UE.

Além disso, os fundos comunitários suplementares no valor de 600 milhões de euros serão utilizados para comprar mais 12 aviões de combate a incêndios, que serão distribuídos por seis Estados-Membros, bem como vários helicópteros.

Eis o que quatro dos países envolvidos estão a planear fazer este verão para salvar vidas, meios de subsistência e proteger o ambiente quando chegar a época dos incêndios florestais.

França

A Météo-France anunciou recentemente que acredita que o verão de 2024 será provavelmente mais quente do que o habitual - especialmente na região do Mediterrâneo.

No ano passado, 22 400 hectares de florestas perderam-se devido a incêndios florestais. Com base neste exemplo trágico, a França mobilizou cerca de 3600 bombeiros e 600 veículos para reforçar os meios do Serviço Departamental de Incêndios e Salvamento, conhecido como SDIS.

Estes meios provêm de regiões tipicamente menos afectadas por incêndios florestais e reforçarão o trabalho dos departamentos mais susceptíveis de os sofrer.

A França dispõe igualmente de doze aviões Canadair CL-415, que podem transportar mais de 6000 litros de água cada um. Dois deles estão posicionados em Ajaccio, na Córsega, e os outros dez em Nîmes.

Serão apoiados por mais oito aviões Dash - sete baseados em Nîmes e outro em Bordéus. Cada um deles pode transportar 10.000 litros de água.

A partir de 1 de junho, estarão no ativo sempre que forem necessários, juntamente com outros aviões com capacidade de combate a incêndios.

French President Emmanuel Macron (C) poses with rescue workers and firefighters at the Nimes-Garons firefighters air base in 2023
French President Emmanuel Macron (C) poses with rescue workers and firefighters at the Nimes-Garons firefighters air base in 2023AP Photo/Daniel Cole/Pool/File

Portugal

2023 foi um ano intenso de incêndios florestais para Portugal e, como tal, o sistema de combate a incêndios rurais do país será reforçado a partir de 1 de junho pela segunda vez este ano.

Antes da época de verão, estarão disponíveis cerca de 12.096 operacionais e 70 aeronaves.

Muitas das pessoas envolvidas no Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) são bombeiros voluntários. Outros serão oriundos da Força Especial de Proteção Civil, militares da Guarda Nacional Republicana e também do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas.

Ao contrário do que acontece em França, Portugal não vai utilizar aviões Canadair, aparentemente devido a dificuldades no mercado. Este facto constituiu uma surpresa para as tripulações que efetuam este serviço há mais de 20 anos.

PUBLICIDADE

Com o aquecimento do clima a partir de julho, os meios vão ser novamente reforçados a partir do dia 1 do mês e até 30 de setembro - o período considerado como a fase mais crítica dos incêndios no país.

Nesse período de três meses, 14.155 operacionais de 3.162 equipas estarão de prontidão este ano, bem como 3.173 veículos - o que representa um ligeiro aumento em relação a 2023.

A firefighting helicopter flies amid clouds of smoke from a wildfire burning near houses in Alcabideche, outside Lisbon in July 2023
A firefighting helicopter flies amid clouds of smoke from a wildfire burning near houses in Alcabideche, outside Lisbon in July 2023AP Photo/Armando Franca

Espanha

Em 2023, centenas de milhares de hectares de floresta foram destruídos em Espanha e mais de 3.000 pessoas foram obrigadas a evacuar a ilha de Tenerife, nas Canárias, durante o verão.

Desde 1 de junho, está em vigor a campanha estatal espanhola contra os incêndios florestais. Tendo em conta as tragédias do ano passado, as autoridades introduziram um plano mais sólido para combater mais eficazmente quaisquer potenciais incêndios florestais que ocorram em diferentes zonas do país.

No mês passado, numa reunião do Comité de Coordenação e Direção do Estado (CECOD) em Espanha, os políticos reuniram-se para finalizar os planos.

PUBLICIDADE

O plano inclui as Brigadas de Reforço contra Incêndios Florestais (BRIF) e uma frota de hidroaviões de alta capacidade, operada pelo Grupo 43 do Exército Aéreo e Espacial.

A Unidade Militar de Emergência do Ministério da Defesa e a Guarda Civil e a Polícia Nacional poderão apoiar os dispositivos postos em prática pelas várias comunidades autónomas do país.

A Catalunha tem sido, historicamente, uma das regiões mais afetadas em Espanha.

O Ministro do Interior em exercício, Joan Ignasi Elena, sublinhou que "enfrenta uma campanha extremamente complexa, que não é temporária e que tem consequências graves".

Em consequência, foram recrutados 240 novos bombeiros para se juntarem a centenas de outros.

PUBLICIDADE

O Corpo de Agentes Rurais passou de cerca de 500 efectivos para um total de 620, face ao aumento da campanha de incêndios florestais.

O número de aeronaves, incluindo aviões e helicópteros, será de 22, com 4 embarcações anfíbias localizadas em Sabadell e Empuriabrava, apoiadas por 821 carros e carrinhas.

A menos de meio do ano, 2024 foi registado como um dos mais secos de sempre na Catalunha em décadas.

Entre 1 de janeiro e 15 de maio deste ano, os bombeiros já combateram 1750 incêndios em vegetação. No entanto, este número é ligeiramente inferior ao do ano passado, graças às fortes chuvas de abril.

Apesar disso, as autoridades instalaram 5 níveis no seu plano de emergência climática, o que significa que estão tão preparadas quanto possível para combater quaisquer incêndios que possam ocorrer.

PUBLICIDADE
Local residents try to clean a forest to prevent it from flames as fire advances in La Orotava in Tenerife, Canary Islands, Spain in August 2023
Local residents try to clean a forest to prevent it from flames as fire advances in La Orotava in Tenerife, Canary Islands, Spain in August 2023Arturo Rodriguez/The AP

Itália

"Uma boa prevenção, com o envolvimento total dos municípios e dos cidadãos, pode servir para salvar milhares de hectares de vegetação", afirmou Nello Musumeci, Ministro da Proteção Civil de Itália, numa reunião realizada no início da primavera.

Convocada para abordar a campanha de combate aos incêndios florestais deste verão , a reunião contou com a participação de representantes das regiões italianas (ANCI), dos bombeiros, das forças armadas, bem como dos Ministérios do Interior, da Defesa, do Ambiente, da Agricultura e da Economia.

A Itália enfrenta atualmente temperaturas muito superiores às habituais, que se repercutem na disponibilidade de água.

Fire burns near the towns of Alcamo and Partinico, in western Sicily, Italy in August 2023. The intensity of the fires forced the closure of nearby Trapani airport
Fire burns near the towns of Alcamo and Partinico, in western Sicily, Italy in August 2023. The intensity of the fires forced the closure of nearby Trapani airportAlberto Lo Bianco/LaPresse via AP

O sul do país e as ilhas são particularmente susceptíveis de serem afectados, mas todas as administrações italianas prepararam contingências para os incêndios florestais e para os incêndios em zonas urbanas.

Para além disso, Musumeci assegurou a realização de uma vasta campanha de sensibilização das populações através dos meios de comunicação social.

PUBLICIDADE

Embora muitos incêndios se devam às alterações climáticas, Musumeci tem um outro plano.

"Vou sugerir a oportunidade de uma maior vigilância nas zonas rurais para desencorajar os incendiários e os criminosos nos seus objectivos insensatos", sugere Musumeci, "lembremo-nos que a grande maioria dos incêndios é causada por seres humanos, por culpa ou dolo".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Arguidos do incêndio de 2018 que matou mais de 100 pessoas na Grécia voltam a julgamento

Presidente da Argentina recebe medalha de ouro em Madrid, sem direito a honras de Estado

Barcelona vai acabar com o Alojamento Local. Em Portugal, medidas do “Mais Habitação” são revogadas