EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Afluência às urnas na Letónia para as eleições europeias aumentou ligeiramente em relação a 2019

Um homem vota nas eleições europeias numa assembleia de voto em Riga, a 8 de junho de 2024
Um homem vota nas eleições europeias numa assembleia de voto em Riga, a 8 de junho de 2024 Direitos de autor Screenshot from EBU video 2024_10237478
Direitos de autor Screenshot from EBU video 2024_10237478
De  Euronews com EBU
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

De acordo com as sondagens de opinião realizadas em fevereiro e maio pelo centro de investigação Norstat em colaboração com o organismo público de radiodifusão LSM, cerca de um terço dos inquiridos declarou não ter qualquer interesse nas eleições europeias.

PUBLICIDADE

A Comissão Central de Eleições da Letónia (CVK) afirma que a taxa de participação final nas eleições europeias se manteve estável em 33,7%, ligeiramente acima dos dados de 2019, quando 33,5% foram às urnas.

Este valor está muito longe de 2009, ano em que mais de metade dos eleitores elegíveis foram às urnas.

E estes números estão em desacordo com um inquérito Eurobarómetro realizado em abril, no qual 65% dos letões manifestaram a sua disponibilidade para participar nas eleições e votar.

Voting at a polling station in Riga, June 8, 2024
Voting at a polling station in Riga, June 8, 2024Screenshot from EBU video 2024_10237478

A CVK afirmou que a votação decorreu sem incidentes, mas que houve falhas técnicas que afetaram os dados relativos à afluência às urnas. Este facto levou vários meios de comunicação social a afirmar que a afluência às urnas tinha excedido 2019. Essas notícias foram posteriormente retiradas.

De acordo com as sondagens de opinião realizadas em fevereiro e maio pelo centro de investigação Norstat, em conjunto com o organismo público de radiodifusão LSM, cerca de um terço dos inquiridos afirmou não ter qualquer interesse nas eleições europeias.

Os inquiridos com idades compreendidas entre os 18 e os 29 anos são os mais propensos a afirmar que não tencionam acompanhar as eleições, enquanto os inquiridos mais velhos, com idades compreendidas entre os 60 e os 74 anos, são os mais propensos a manifestar interesse.

Candidatos de 16 partidos estão na corrida para os nove assentos parlamentares da Letónia, e os dados anteriores ao dia da votação sugeriam que o partido de centro-direita Aliança Nacional estava a liderar as sondagens.

National Alliance lead candidate Roberts Zīle thanks Latvians for voting

Os Progressistas, de esquerda, estão em segundo lugar e o partido centrista Nova Unidade, do primeiro-ministro Evika Siliņa, em terceiro.

A Aliança Nacional fez campanha com a promessa de "defender os interesses da Letónia na UE e não os interesses da UE na Letónia".

Afirma que todos os Estados-Membros da UE devem gastar pelo menos 2% do PIB na defesa e defende o reforço da fronteira oriental da UE contra a migração ilegal e as ameaças militares.

O candidato principal do partido é Roberts Zīle, que foi deputado europeu durante 20 anos e é o atual vice-presidente do Parlamento Europeu.

O partido social-democrata Progressistas defende o apoio à Ucrânia, o que inclui o acesso aos mercados da UE e a atribuição do estatuto de observador no Parlamento Europeu. Os Progressistas apelam também a controlos ambientais mais rigorosos e ao investimento em caminhos-de-ferro em vez de companhias aéreas.

Se pesarmos na balança, perder a Ucrânia como um país geopolítico importante ou reorganizar as nossas finanças, é evidente que o lado geopolítico é muito mais importante.
Roberts Zīle
Cabeça de lista da Aliança Nacional

A candidata principal é a antiga candidata presidencial Elīna Pinto.

E o partido Nova Unidade foi muito claro quanto à sua posição em matéria de segurança.

"A Rússia foi, é e será uma fonte de instabilidade e uma ameaça militar para toda a Europa, tanto num futuro próximo como num futuro distante", diz um comunicado do partido.

O partido tem sido muito firme na sua condenação da invasão da Ucrânia pela Rússia e é também a favor do alargamento da UE. O seu principal candidato é o Comissário Europeu Valdis Dombrovskis.

No mês passado, houve protestos na Letónia contra a decisão da emissora nacional de realizar alguns debates pré-eleitorais em russo.

A Letónia situa-se na extremidade oriental da UE e partilha uma fronteira com a Rússia. De acordo com os dados do Serviço Central de Estatística, mais de 60% dos letões falam letão, mas os falantes de russo constituem uma minoria significativa de cerca de um terço.

PUBLICIDADE
Voting at a polling station in Riga, June 8, 2024
Voting at a polling station in Riga, June 8, 2024Screenshot from EBU video 2024_10237478

O organismo nacional de radiodifusão LSM fornece alguns conteúdos em russo e o Conselho Público dos Meios de Comunicação Social Electrónicos foi instado a bloquear os debates em língua russa, algo que o organismo se recusou a fazer, afirmando que tal significaria uma interferência na programação e nas decisões do LSM.

A segurança, especialmente após a invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022, é uma questão importante para muitos letões. O pequeno país báltico foi anexado pela União Soviética até ao seu colapso em 1991 e, atualmente, muitos na Letónia temem uma Rússia revisionista.

Esta situação levou o governo a reintroduzir o serviço militar obrigatório no ano passado, uma medida que encontrou grande apoio entre o público. Um estudo revelou que 60% dos inquiridos consideravam o serviço militar obrigatório crucial para a defesa da Letónia, uma vez que o país partilha uma fronteira de 200 quilómetros com a Rússia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Temos de acolher a Ucrânia na NATO", afirma a nova primeira-ministra letã na sua primeira visita a Bruxelas

Itália: confrontos na Câmara dos Deputados durante votação polémica

Líder da coligação mais votada nas legislativas na Bulgária anuncia que não será primeiro-ministro