EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

"Temos de acolher a Ucrânia na NATO", afirma a nova primeira-ministra letã na sua primeira visita a Bruxelas

Evika Siliņa, a nova primeira-ministra da Letónia, deslocou-se a Bruxelas para se encontrar com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e com o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg.
Evika Siliņa, a nova primeira-ministra da Letónia, deslocou-se a Bruxelas para se encontrar com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e com o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg. Direitos de autor European Union, 2023.
Direitos de autor European Union, 2023.
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Dias depois de ter sido nomeada primeira-ministra da Letónia, Evika Siliņa viajou para Bruxelas e deixou claro que apoia a ambição da Ucrânia de se tornar membro da União Europeia e da NATO.

PUBLICIDADE

"A nossa tarefa comum é continuar a apoiar a Ucrânia até que esta alcance a vitória. Para garantir a paz a longo prazo na Europa, temos de acolher a Ucrânia na NATO", disse a primeira-ministra da Letónia, Evika Silina, na quarta-feira, falando na sede da aliança.

"Ao ajudar a Ucrânia, temos também de reforçar as nossas capacidades de dissuasão e defesa para proteger cada centímetro do território aliado", afirmou.

Siliņa foi confirmada na semana passada pelo parlamento letão, sucedendo a Krišjānis Kariņš, que anunciou a sua demissão em agosto, após o colapso da sua coligação governamental. Siliņa, que pertence ao mesmo partido de centro-direita que Kariņš, conseguiu uma nova aliança com dois partidos mais pequenos e assegurou os votos necessários para formar uma maioria governamental.

Durante a sua primeira visita a Bruxelas, a primeira-ministra teve reuniões separadas com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e com o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, e prometeu manter um apoio militar e financeiro "forte" à Ucrânia, que estimou em 1,3% do PIB do país.

Siliņa apelou à UE para que promova a integração da Ucrânia no bloco, um tema que está a atrair cada vez mais atenção no meio de uma disputa em curso sobre as exportações de cereais da Ucrânia, que muitos vêem como um prelúdio do que poderá acontecer se a nação devastada pela guerra, um grande produtor agrícola, alguma vez receber a adesão.

"O meu governo manterá uma abordagem claramente pró-europeia. A Letónia só pode ser forte e próspera se for tão forte como a União Europeia", disse Siliņa, ao lado de von der Leyen.

A chefe do governo apelou a novas medidas sobre as sanções contra a Rússia e os procedimentos legais para garantir a "responsabilização" pelo crime de agressão de Moscovo.

A Comissão Europeia está atualmente a trabalhar em planos para proibir a importação de diamantes russos e para a utilização dos ativos imobilizados do Banco Central da Rússia para pagar a reconstrução da Ucrânia. Ambos os projetos estão a ser coordenados a nível do G7.

Siliņa também condenou os "ataques híbridos" lançados pelo presidente bielorrusso, Aleksandr Lukashenko, contra as fronteiras orientais da UE, que aumentaram as tensões durante o verão e colocaram os países vizinhos em alerta.

"Isto faz parte de uma tendência desestabilizadora mais vasta na nossa região que exige uma reação clara da UE", afirmou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ameaça russa no corredor europeu de Suwałki é agora menor que nunca

Análise: UE perde credibilidade diplomática por causa da guerra em Gaza?

Leoluca Orlando e Lena Schilling: meio século de diferença, mas ideias semelhantes