EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Emmanuel Macron anuncia eleições antecipadas depois de uma dura derrota nas eleições europeias

Emmanuel Macron
Emmanuel Macron Direitos de autor Hannah McKay/Pool via AP
Direitos de autor Hannah McKay/Pool via AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O partido de Emmanuel Macron sofreu uma derrota estrondosa nas eleições europeias, obtendo apenas 15,2% dos votos, contra 31,5% do partido de extrema-direita, a União Nacional, de acordo com os resultados provisórios.

PUBLICIDADE

O Presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou este domingo a dissolução da Assembleia Nacional, depois de a União Nacinal, de extrema-direita, ter esmagado o Renew, o seu partido centrista, nas eleições europeias.

Num discurso divulgado nas redes sociais pouco depois das 21:00 CET, Macron disse que "depois de ter levado a cabo as consultas previstas no artigo 12 da nossa Constituição, decidi devolver-vos a escolha do nosso futuro parlamentar através do voto".

"Por conseguinte, dissolvo a Assembleia Nacional esta noite", acrescentou.

O seu discurso foi proferido apenas uma hora depois de o seu partido centrista Renew ter sofrido um duro golpe ao ficar num distante segundo lugar nas eleições europeias, à frente do RN, com 15,2% e 31,5%, respetivamente.

"A ascensão dos nacionalistas e dos demagogos é uma ameaça não só para a nossa nação, mas também para a nossa Europa e para o lugar da França na Europa e no mundo", afirmou Macron.

"A extrema-direita é, simultaneamente, o empobrecimento do povo francês e a queda do nosso país. Por isso, no final do dia, não posso fingir que nada aconteceu", acrescentou.

As eleições legislativas antecipadas, que se realizarão a 30 de junho para a primeira volta e a 7 de julho para a segunda, é uma "decisão séria e importante" e um "ato de confiança".

"Confiança em vós, meus caros compatriotas, na capacidade do povo francês para fazer a escolha certa para si próprio e para as gerações futuras. Confiança na nossa democracia, em dar voz ao nosso povo soberano, nada é mais republicano", concluiu.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Itália: confrontos na Câmara dos Deputados durante votação polémica

Líder da coligação mais votada nas legislativas na Bulgária anuncia que não será primeiro-ministro

NATO: novo plano de ajuda à Ucrânia