EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

"Resistir é uma forma de ganhar": Sánchez resiste ao fracasso das eleições europeias

Pedro Sanchez, Primeiro-Ministro de Espanha.
Pedro Sanchez, Primeiro-Ministro de Espanha. Direitos de autor Manu Fernandez/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Manu Fernandez/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Jaime Velazquez
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Em Espanha, o Partido Popular venceu as eleições europeias, mas não provocou a queda do governo de Pedro Sánchez, como os conservadores esperavam.

PUBLICIDADE

As recentes eleições europeias provocaram uma mudança dramática em todo o continente. Desde a demissão do primeiro-ministro belga até às eleições antecipadas em França, a votação no Parlamento de Estrasburgo teve consequências significativas. Também a Espanha sentiu o impacto da vitória do Partido Popular (PP). No entanto, contrariamente às esperanças dos conservadores, esta vitória não precipitou o colapso do governo de Pedro Sánchez.

Borja Semper, porta-voz do PP, congratulou-se com os resultados. "Estamos, portanto, a falar de uma vitória inegável, uma vitória clara e esmagadora", afirmou.

Apesar deste sucesso, o Partido Socialista de Sánchez conseguiu manter uma sólida base de apoio, emergindo como um dos poucos partidos no poder na Europa a resistir à onda eleitoral.

Esther Peña, porta-voz do Partido Socialista, captou a resiliência do partido numa frase que poderia perfeitamente definir a forma de fazer política de Pedro Sanchez. "É verdade que estamos empenhados na ideia de que resistir é também uma forma de ganhar", afirmou.

O que se segue para Sánchez

Pedro Sánchez ainda tem três anos de mandato pela frente e, atualmente, não tem intenção de convocar eleições antecipadas.

O analista político Jaime Coulbois observou que, por enquanto, não estão previstas eleições em Espanha até 2027. "Do ponto de vista institucional, disse, nada mudou. O parlamento continua onde está e Pedro Sánchez continua a ter uma maioria que o apoia".

No entanto, o verdadeiro teste para Sánchez está para vir. A sua estratégia eleitoral tem vindo a afetar as relações com os seus principais aliados, incluindo o movimento de esquerda Sumar e os partidos catalães. Os parceiros de coligação de Sánchez perderam apoio nestas eleições europeias em comparação com as eleições do ano passado, com os analistas a apontarem para uma possível transferência de votos do Sumar para o socialista.

Estas tensões deverão chegar ao auge com o início das negociações para a investidura do presidente da Generalitat da Catalunha, onde o partido socialista venceu as eleições regionais, mas não conseguiu a maioria. A Catalunha continua a ser uma das poucas regiões de Espanha onde o partido socialista superou o PP, tendo ficado em primeiro lugar em duas províncias, à custa de partidos pró-independência como o Junts e o ERC.

Yolanda Díaz, vice-presidente da coligação governamental espanhola e líder do Sumar, decidiu demitir-se da coordenação do movimento.

"Os cidadãos pronunciaram-se. E eu vou assumir a responsabilidade. Por esta razão, decidi demitir-me do cargo de coordenadora do Sumar", afirmou.

Díaz anunciou que continuará a ser vice-presidente e ministra do Trabalho, mas já anunciou que o seu grupo será mais ativo no seio da coligação governamental e que irá fazer pressão por políticas mais distintas.

Um medo unificador

A competição entre os aliados de Sánchez e os socialistas no parlamento já bloqueou várias iniciativas e impediu Sánchez de aprovar o Orçamento Geral. Apesar destes desafios internos, há um fator que une o diversificado bloco parlamentar que apoia Sánchez: o receio de uma potencial coligação entre o PP e o partido de extrema-direita VOX.

A perspetiva de uma coligação entre o Partido Popular e o VOX é um poderoso fator de motivação para que os aliados de Sánchez se mantenham unidos. Esta apreensão partilhada pode ser a cola que mantém unida uma aliança que, de outra forma, estaria fragmentada, assegurando que o governo de Sánchez possa continuar a funcionar apesar dos desafios que se avizinham.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições europeias reforçam direita e extrema-direita na Europa

A Europa vira-se para a direita, mas o centro resiste: o que significam os resultados das eleições europeias e o que se segue

Partido Popular espanhol vence socialistas de Sánchez