EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

UE adopta novas sanções contra a Rússia, visando pela primeira vez o GNL

Os países da UE impuseram o 14º número de sanções contra a Rússia.
Os países da UE impuseram o 14º número de sanções contra a Rússia. Direitos de autor Anton Vaganov/AP
Direitos de autor Anton Vaganov/AP
De  Jorge Liboreiro
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

A União Europeia decidiu na quinta-feira impor um novo conjunto de sanções contra a Rússia, visando pela primeira vez o fornecimento de gás natural liquefeito (GNL), que vários Estados-membros continuam a comprar depois da guerra.

PUBLICIDADE

A União Europeia concordou na quinta-feira em aplicar uma nova série de sanções contra a Rússia, visando pela primeira vez o fornecimento de gás natural liquefeito (GNL), que vários Estados-Membros continuam a comprar apesar da guerra na Ucrânia estar no seu terceiro ano.

As sanções, que quebram tabus, representam o 14.º pacote aplicado desde fevereiro de 2022 e surgem num momento delicado no campo de batalha, quando as tropas russas tentam aproveitar o seu impulso renovado para obter mais ganhos territoriais.

O pacote é o resultado de negociações prolongadas entre os embaixadores, que passaram semanas a regatear pormenores altamente técnicos. A aprovação foi adiada várias vezes devido às reservas expressas por vários países, incluindo a Hungria, que tinha prometido bloquear quaisquer sanções no setor da energia.

No entanto, o último obstáculo foi a Alemanha, por causa da "cláusula de não à Rússia", que impõe às empresas a obrigação de evitar que sejam contornadas.

Bruxelas falhou dois prazos auto-impostos - o G7, em Itália, e a Cimeira da Paz, na Suíça - para dar mais tempo à Alemanha para resolver a questão. Na quinta-feira de manhã, o país assinalou que as suas preocupações tinham sido satisfeitas, abrindo caminho para o acordo.

A proibição de importação de GNL não chega, porém, a ser uma proibição total, como o bloco fez anteriormente com o carvão e o petróleo marítimo, duas das maiores fontes de receitas de Moscovo.

Em vez disso, as empresas da UE continuarão a ser autorizadas a comprar GNL russo, mas serão proibidas de o reexportar para outros países, uma prática conhecida como transbordo.

O Centro de Investigação sobre Energia e Ar Limpo (CREA), uma organização independente que acompanha os combustíveis fósseis russos, estima que, em 2023, o bloco pagou 8,3 mil milhões de euros por 20 mil milhões de metros cúbicos (bcm) de GNL russo, o que representa 5% do consumo total de gás.

Bélgica, França e Espanha foram os principais pontos de entrada do GNL russo

Cerca de 22% destes fornecimentos (4,4 mil milhões de metros cúbicos) foram objeto de transbordo a nível mundial, tendo 1,6 mil milhões de metros cúbicos sido enviados para outros Estados-Membros, segundo o CREA. O restante foi para a China, Índia, Turquia e outros clientes.

Os números refletem o papel de liderança do Ocidente em matéria de seguros de carga e serviços de transporte marítimo: no ano passado, a indústria marítima dos países do G7 tratou de 93% das exportações de GNL da Rússia, um transporte avaliado em 15,5 mil milhões de euros.

As novas sanções da UE pretendem travar este negócio lucrativo e limitar a capacidade da Rússia de obter financiamento para a sua dispendiosa guerra total contra a Ucrânia. As sanções também visam três projetos de GNL baseados na Rússia que ainda não estão operacionais, que a Reuters identificou anteriormente como Arctic LNG 2, Ust Luga e Murmansk.

Além disso, os Estados membros concordaram com medidas mais rigorosas para reprimir a evasão e fechar as lacunas deixadas em aberto nos 13 pacotes de sanções anteriores, uma dor de cabeça perene em Bruxelas.

Os pormenores específicos destas medidas não estavam imediatamente disponíveis, mas acredita-se que sejam dirigidas à "frota sombra" de petroleiros envelhecidos e de pequenas dimensões que o Kremlin utiliza para contornar o limite de preços do G7 para o petróleo russo transportado por via marítima.

Apesar do limite de 60 dólares por barril, a Rússia passou os últimos meses a vender o seu petróleo dos Urais a um preço entre 67 e 75 dólares por barril.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Borrell acusa Orbán de deslealdade e associa-se ao boicote contra a presidência húngara da UE

Boicote à Hungria: cimeira informal em Budapeste teve menos de metade dos ministros

O que pode a UE esperar de uma candidata como Kamala Harris?