EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Prossegue a votação nas eleições legislativas mais concorridas do século em França

Emmanuel Macron vota em La Touquet
Emmanuel Macron vota em La Touquet Direitos de autor Mohammed Badra/AP
Direitos de autor Mohammed Badra/AP
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A Europa aguarda pelos resultados da segunda volta das eleições legislativas mais participadas de sempre em França. Vai o país da Liberdade, Igualdade e Fraternidade ser gerido pela extrema-direita?

PUBLICIDADE

A segunda volta das eleições legislativas está a ser crucial. Quem vai governar a França nos próximos anos? A extrema-direita de Marine Le Pen e Jordan Bardella, com uma visão fechada e anti-imigração, ou, no caso de os votos não forem suficientes para qualquer um dos lados, um parlamento suspenso, caíndo no impasse político durante um período mínimo de dois anos, o estipulado para novas eleições.

O Presidente francês Emmanuel Macron fez uma aposta arriscada ao dissolver o parlamento e convocar as eleições depois dos centristas do seu governo terem sido derrotados nas eleições europeias de 9 de junho.

A realização de eleições antecipadas neste país nuclearmente armado irá influenciar a guerra na Ucrânia, a diplomacia mundial e a estabilidade económica da Europa, e irá quase de certeza enfraquecer Macron durante os três anos que restam da sua presidência.

Na primeira volta, a 30 de junho, o partido nacionalista anti-imigração de Marine Le Pen obteve a sua maior vitória de sempre.

Eleitores fazem fila para votar durante a segunda volta das eleições legislativas de domingo, 7 de julho de 2024, em Paris.
Eleitores fazem fila para votar durante a segunda volta das eleições legislativas de domingo, 7 de julho de 2024, em Paris.Louise Delmotte/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.

Pouco mais de 49 milhões de pessoas estão registadas para votar nas eleições, que determinarão qual o partido que controla a Assembleia Nacional de 577 membros, a influente câmara baixa do parlamento francês, e quem será o primeiro-ministro.

Se o apoio à fraca maioria centrista de Macron continuar a diminuir, ele será forçado a partilhar o poder com partidos que se opõem à maioria das suas políticas pró-empresariais e pró-UE.

Numa assembleia de voto em Paris, os eleitores estavam bem conscientes das consequências de longo alcance para a França e para o resto do mundo.

"O que está em jogo hoje são as liberdades individuais, a tolerância e o respeito pelos outros", disse Thomas Bertrand, um eleitor de 45 anos que trabalha em publicidade.

Ao meio-dia (hora local), a taxa de participação era de 26,63%, de acordo com o Ministério do Interior francês, ligeiramente superior aos 25,90% registados à semelhança da primeira volta de domingo passado. E às 17 horas, a afluência às urnas ultrapassou os 59%.

A taxa de participação na primeira volta, de cerca de 67%, foi a mais elevada desde 1997, pondo fim a quase três décadas de crescente apatia dos eleitores em relação às eleições legislativas e, para um número crescente de franceses, em relação à política em geral.

Macron votou em La Touquet, ao lado da sua mulher Brigitte. O primeiro-ministro Gabriel Attal votou mais cedo no subúrbio parisiense de Vanves.

Le Pen não votou porque o seu distrito no norte de França não vai ter segunda volta depois de ter ganho o lugar na semana passada.

Em toda a França, 76 outros candidatos ganharam assentos na primeira volta, incluindo 39 do seu Rassemblement Nacional e 32 da aliança de esquerda Nova Frente Popular. Dois candidatos da lista centrista de Macron também ganharam os seus lugares na primeira volta.

Às 20h00 (18h00 GMT) na França continental e na ilha da Córsega, fecham as assembleias de voto.

As primeiras projeções das sondagens são esperadas logo a seguir, sendo os primeiros resultados oficiais esperados no final da noite, início de segunda-feira.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Maior afluência às urnas desde 1981: segunda volta das eleições francesas são decisivas

"Estou envergonhada": eleitores de esquerda esperam ter sucesso na segunda volta das eleições francesas

Resultados das eleições francesas mostram vencedores e vencidos em Paris