EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

"Estou envergonhada": eleitores de esquerda esperam ter sucesso na segunda volta das eleições francesas

Manifestantes reúnem-se após os resultados da primeira volta das eleições legislativas em França.
Manifestantes reúnem-se após os resultados da primeira volta das eleições legislativas em França. Direitos de autor Euronews/Lauren Chadwick
Direitos de autor Euronews/Lauren Chadwick
De  Lauren Chadwick
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Manifestantes juntaram-se à coligação de esquerda na Place de la République, em Paris, depois de os resultados da primeira volta das eleições legislativas francesas terem revelado vitória forte da extrema-direita.

PUBLICIDADE

As emoções estavam ao rubro em Paris, quando os eleitores de esquerda se reuniram com os líderes da coligação Nova Frente Popular (NPF) na Place de la République, numa reunião pós-eleitoral que se transformou num protesto maciço contra a extrema-direita.

A coligação de esquerda ficou em segundo lugar na primeira volta das eleições legislativas antecipadas, atrás do Rassemblement Nacional (RN), de extrema-direita, no domingo.

"Estou desanimada. Sinto-me um pouco como se fosse chorar. Era fazer isto [vir protestar] ou ficar em casa a chorar. Estou bastante envergonhada", disse Eugénie, uma jovem de 22 anos de Paris, à Euronews.

Os comentários foram partilhados por outros jovens manifestantes na capital, que disseram ter decidido juntar-se à reunião do NFP por estarem em choque e perturbados com os resultados.

Os jovens militantes de um dos partidos da coligação, La France Insoumise (LFI), que se reuniram ao início da noite para ver os resultados das eleições, disseram que já esperavam este resultado e que agora estão concentrados na segunda volta das eleições, a 7 de julho.

"A minha sensação é que estou assustado com o que pode acontecer numa semana [mas]... o meu estado de espírito é de luta. Sou combativo. Ainda temos uma semana para recuperar e não é impossível", disse à Euronews Jeroen Atputharajah, de 21 anos, antigo candidato local do LFI nos subúrbios de Paris.

Bons resultados para a coligação de esquerda, com todos os olhos postos na segunda volta

Tara Varma, membro convidado da Brookings Institution e especialista em política francesa, disse que os resultados foram bons para a coligação de esquerda, mas que ainda estão muito atrás da extrema-direita.

"O objetivo da [coligação de esquerda] era ficar à frente da RN, mas isso não aconteceu até agora", afirmou.

Sarah Legrain, candidata do NFP que foi eleita no domingo no seu círculo eleitoral em Paris, disse aos jornalistas que as eleições ainda não terminaram e que a coligação está concentrada na segunda volta.

"O que está em causa não é ver se conseguimos recuperar da primeira volta. O que está em causa é o que vai acontecer a meio destas duas voltas", disse.

"Penso que a [elevada] mobilização e participação mostram que temos muitas pessoas que [estão a aderir] ao voto, pessoas de bairros desfavorecidos e jovens... e essas pessoas vão determinar o resultado da segunda volta, e a elas, eu digo: dêem-nos uma maioria para a Nova Frente Popular", acrescentou.

Os partidos da coligação de esquerda apelaram muito rapidamente a uma "frente republicana" contra a extrema-direita, declarando que retirariam os candidatos que chegassem à segunda volta se já houvesse uma corrida a dois com um candidato da RN.

Manifestante com um cartaz onde se lê "era do ódio, basta"
Manifestante com um cartaz onde se lê "era do ódio, basta"Euronews/Lauren Chadwick

Varma disse que há um número muito maior de corridas eleitorais com mais de dois candidatos do que em 2022, e que estas poderiam ser decididas caso a caso.

Como os candidatos do presidente Emmanuel Macron têm mais probabilidades de ficar em terceiro lugar em muitas destas corridas, a escolha dos seus eleitores poderá ser essencial na segunda volta.

Embora a coligação do Presidente tenha apelado a uma "frente republicana", alguns ministros, como Aurore Bergé, apelaram aos eleitores para que não votassem nem no RN nem no LFI.

Younous Omarjee, deputado de esquerda do Parlamento Europeu pelo território francês da Reunião, disse à Euronews que a coligação foi clara ao afirmar que nem um único voto deveria ir para o RN.

"Temos a oportunidade de contrariar a chegada da extrema-direita ao poder em França e isso é possível. Acho mesmo que é possível", disse Omarjee.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Quatro conclusões a retirar das eleições legislativas francesas

Poderá a França evitar o triunfo da extrema-direita na segunda volta das eleições?

Legislativas francesas: Extrema-direita vence primeira volta