EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Coligação de esquerda vence legislativas em França e empurra RN para o terceiro lugar

Pessoas num café de Paris a verem a televisão enquanto reagem à projeção dos resultados da segunda volta das eleições legislativas, 7 de julho de 2024
Pessoas num café de Paris a verem a televisão enquanto reagem à projeção dos resultados da segunda volta das eleições legislativas, 7 de julho de 2024 Direitos de autor Christophe Ena/Copyright 2024. The AP
Direitos de autor Christophe Ena/Copyright 2024. The AP
De  Euronews com AP, EBU
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Resultado das eleições coloca a França num território desconhecido, uma vez que o país nunca experimentou um parlamento sem partido dominante. O que vai acontecer a seguir depende em grande parte do presidente Emmanuel Macron, que não é nada popular.

PUBLICIDADE

Uma coligação de esquerda francesa conquistou o maior número de lugares na segunda volta das eleições legislativas, derrotando a extrema-direita, mas não conseguindo obter uma maioria absoluta.

De acordo com os resultados finais, a aliança de esquerda Nova Frente Popular, formada há apenas três semanas, obteve 182 lugares.

São necessários 289 assentos para se obter a maioria na Assembleia Nacional de 577 lugares.

A coligação centrista Ensemble (Juntos), do presidente Emmanuel Macron, ficou em segundo lugar, com 168 lugares, enquanto o Rassemblement National (RN), de extrema-direita, amplamente cotado para vencer depois de ter ficado em primeiro lugar na primeira volta, terminou com 143 lugares.

Após a publicação dos primeiros resultados, pouco depois do fecho das urnas, o presidente do RN, Jordan Bardella, criticou aquilo a que chamou "a aliança da desonra" e afirmou que estavam a atirar a França para a extrema-esquerda.

O presidente do Rassemblement National, Jordan Bardella, discursa em Paris após a segunda volta das eleições legislativas, a 7 de julho de 2024
O presidente do Rassemblement National, Jordan Bardella, discursa em Paris após a segunda volta das eleições legislativas, a 7 de julho de 2024Louise Delmotte/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.

"Negar a milhões de franceses a possibilidade de ver as suas ideias chegarem ao poder nunca será um destino viável para a França. Esta noite, ao assumir deliberadamente a responsabilidade de paralisar as nossas instituições, Emmanuel Macron empurrou o país para a incerteza e a instabilidade", disse aos seus apoiantes em Paris.

Marine Le Pen, líder do RN no parlamento, que pretende concorrer às presidenciais de 2027, afirmou que os resultados significam que a França ficará "num impasse".

"É lamentável, vamos perder mais um ano, mais um ano de imigração ilegal, mais um ano de perda de poder de compra, mais um ano de insegurança a explodir no nosso país. Mas se é isso que é preciso, bem, então é isso que é preciso", afirmou.

Líder da França Insubmissa, o maior partido da coligação vencedora, Jean-Luc Mélenchon disse que o resultado foi uma clara rejeição do impopular Emmanuel Macron e que o presidente deveria chamar a Nova Frente Popular para governar.

Jean-Luc Mélenchon, líder do partido França Indomável, fala aos seus apoiantes em Paris após a divulgação dos primeiros resultados, 7 de julho de 2024
Jean-Luc Mélenchon, líder do partido França Indomável, fala aos seus apoiantes em Paris após a divulgação dos primeiros resultados, 7 de julho de 2024Thomas Padilla/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.

"O presidente deve curvar-se e aceitar esta derrota sem tentar contorná-la de forma alguma. O primeiro-ministro tem de sair. Nunca recebeu a confiança da Assembleia Nacional. Apenas geriu a campanha perdida pelo seu campo e recebeu um voto popular maciço de desconfiança", disse.

O primeiro-ministro Gabriel Attal disse no domingo à noite que iria apresentar a sua demissão a Macron na segunda-feira de manhã, referindo: "Esta noite, começa uma nova era".

O que é que acontece agora?

Trata-se de um território desconhecido para a França moderna, que nunca conheceu um parlamento sem partido dominante.

O enfraquecido Macron poderia procurar um acordo com a esquerda moderada para criar um governo conjunto, mas a França não tem tradição deste tipo de acordo. Um acordo poderia assumir a forma de uma aliança informal, que seria provavelmente frágil.

E os líderes da Nova Frente Popular já estão a pressionar Macron para dar à sua aliança a primeira oportunidade de formar um governo e propor um primeiro-ministro para partilhar o poder com ele.

Se não conseguir chegar a um acordo, Macron poderá nomear um governo de especialistas não filiados em partidos políticos para tratar do trabalho quotidiano de manter em funcionamento um dos maiores países da Europa. Mas isso exigiria a aprovação do parlamento. E a primeira sessão com os novos membros da Assembleia Nacional é a 18 de julho.

Entretanto, ainda não surgiu uma figura clara como possível primeiro-ministro. O gabinete de Macron disse que ele iria esperar que a nova Assembleia Nacional tomasse forma antes de tomar "as decisões necessárias".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Militantes da esquerda francesa "aliviados" mas sem certezas quanto ao futuro

Eleições francesas: irá Macron imitar a coligação de von der Leyen?

Esquerda bate extrema-direita, primeiro-ministro francês demite-se. E agora?