This content is not available in your region

Materiais aeroespaciais do futuro

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Materiais aeroespaciais do futuro

Inteligentes, multi resistentes, ultraligeiros..Como serão os materiais que vão construir os aviões do futuro? A Universidade Tecnológica de Lublin, no leste da Polónia tem a resposta.

Adquiriu recentemente equipamento sofisticado, como scanners 3D, câmeras de termo-visão e câmaras de temperatura. O equipamento foi colocado no centro de investigação aeroespacial.

Segundo Marcin Knec´, Engenheiro mecânico da Universidade de Lublin: “Os dados destes testes podem ser úteis a parceiros industriais, para que possam adaptar a produção. Podem utilizar os resultados para reduzir o tempo necessário para produzir alguns elementos do setor aeroespacial. Isso significaria menos tempo na montagem de novos aviões, tornando-os mais acessíveis. O que, finalmente, se poderia traduzir em tarifas aéreas mais baratas”.

Cientistas de um projeto europeu de investigação também recorrem a novas simulações de computador para compreender melhor a dinâmica interna, o fluxo de fluidos e os padrões de vibração e impacto dos materiais aeroespaciais, recentemente desenvolvidos.

Jerzy Podgórski, Engenheiro civil na mesma Universidade explica: “Graças a estas simulações de computador, conseguimos construir modelos muito complexos e prever como é que estes materiais vão reagir em circunstâncias complexas. É uma técnica rápida e acessível. É o futuro da engenharia aeroespacial que vai permitir desenvolver novos materiais… Melhores, mais complexos e mais seguros”.

As experiências mecânicas e numéricas já estão a ser utilizadas como base, para desenvolver compostos para aviões, novos e mais leves, com materiais como o alumínio, o carbono e fibras de vidro.

Barbara Surowska, é Engenheira de Materiais e diz que: “Estes compostos são utilizados principalmente para reforçar a estrutura de aviões. Substituem elementos metálicos no interior das aeronaves. São mais leves e a qualidade é superior”.

O laboratório está a dar à Universidade o know-how necessário para a criação de um centro de investigação líder em tecnologias inovadoras, na Europa. Os cientistas aeroespaciais polacos afirmam que já existem resultados.

Tomasz Sadowski, Engenheiro Civil e Mecânico, conclui: “Comprar equipamento é o primeiro passo. O segundo passo é a preparação da nossa equipa. Organizámos uma série de trocas na equipa. Enviámos os nossos alunos de doutoramento, médicos e professores para sítios diferentes. Agora, sentimos que existe potencial suficiente para iniciar uma colaboração avançada, com a indústria”.

Uma colaboração que já está em curso tanto com PME´s, como com grandes empresas, como a Airbus.

www.cemcast.pollub.pl