EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

O Projeto SESAR quer melhorar a segurança nos céus da Europa

Em parceria com The European Commission
O Projeto SESAR quer melhorar a segurança nos céus da Europa
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Euronews entrevistou Olivia Núñez, perita em gestão e controlo de tráfego aéreo.

Há cada vez mais aviões comerciais nos céus da Europa. Nos próximos 10 anos, o tráfego aéreo deverá crescer até 50%, o que coloca novos desafios aos controladores aéreos do velho continente. Importa saber, como fazer para gerir este congestionamento e garantir a segurança dos passageiros? A verdade é que a revolução no tráfego aéreo já começou.

A Europa precisa de melhorar os sistemas de controlo de tráfego aéreo e está em curso uma profunda transformação tecnológica.

Um conjunto de inovações levadas a cabo pelo programa europeu de gestão de tráfego aéreo SESAR, da Comissão Europeia. Entre as novidades, a criação de torres de controlo digitais, como as que são testadas no aeroporto internacional de Budapeste, Hungria.

A Euronews falou com Olívia Nunez, perita em gestão de tráfego aéreo e parte do Projeto Europeu SESAR:

"O objetivo principal do Projeto SESAR é melhorar vários aspetos da gestão do tráfego aéreo através da tecnologia digital," explicou.

"Devemos focar-nos na forma como utilizar este tipo de tecnologia para melhorar este tipo de serviços para os cidadãos europeus."

"Na Europa, quase todos os aeroportos que acolhem voos comerciais têm torres de controlo. Mas, nos Estados Unidos, o sistema é diferente. Muitos aeroportos, mesmo que tenham vários voos comerciais, não possuem torres de controlo aéreo."

E é um sistema diferente que o Projeto SESAR pretende desenvolver:

"Na Europa, consideramos que é necessário que exista sempre uma torre de controlo de tráfego aéreo porque nos permite ter mais segurança e um melhor serviço."

Para saber mais sobre os mais recentes resultados das investigações levadas a cabo pelas equipas do Projeto Europeu SESAR, siga este link.

Partilhe esta notícia