This content is not available in your region

InvestEU, o plano europeu para relançar a economia pós-covid

De  Euronews
euronews_icons_loading
InvestEU, o plano europeu para relançar a economia pós-covid
Direitos de autor  euronews

O futuro para lá da pandemia está a obrigar a União Europeia (UE) a fazer contas. Os 27 Estados-membros precisam de investimento para relançar a recuperação económica e criar empregos, mas os investidores estão a sentir-se hesitantes. 

De acordo com o Banco Europeu de Investimento (BEI), 45% das empresas na UE estimam uma redução no investimento, em oposição aos apenas 6%, que esperam aumentá-lo.

No início de março, o Parlamento Europeu aprovou as regras relativas ao InvestEU para o período 2021-2027, o programa que visa encorajar os investidores a financiar mais projetos e a assumir riscos mais elevados, através de uma garantia de 26,2 mil milhões de euros reservados no orçamento da União Europeia e sete mil milhões de euros de bancos parceiros.

Com a entrada em vigor agendada para julho, espera-se que o InvestEU mobilize pelo menos 372 mil milhões de euros em financiamento público e privado, em toda a UE, contribuindo para a recuperação e para as prioridades dos Estados-membros a longo prazo.

O dinheiro irá para projetos que contribuam para a inovação e a digitalização, apoiem as Pequenas e Médias Empresas (PME), sobretudo as mais afetadas pela crise da covid-19, promovam a inclusão social e impulsionem infraestruturas sustentáveis.

A atribuição do investimento adicional em toda a União Europeia e a garantia da UE, aprovada pelos eurodeputados, segue as seguintes prioridades:

  • Infraestruturas sustentáveis: cerca de 38 %
  • Investigação, inovação e digitalização: 25 %
  • PME: cerca de 26 %
  • Investimento social e competências: cerca de 11 %.

Em comunicado, o Parlamento Europeu afirma ainda que "os países da UE também poderão alocar recursos ao InvestEU dos fundos estruturais que recebem ou dos fundos que obtêm da parte do Mecanismo de Recuperação e Resiliência, que visa apoiar a recuperação da pandemia".

Pelo menos 30% de todos os investimentos devem contribuir para a construção de uma economia verde, isto é, uma Europa mais ecológica.