EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Líderes tecnológicos pedem "pausa" no desenvolvimento de IA

Empresários e académicos famosos alertam que os sistemas de IA “representam riscos profundos para a humanidade”
Empresários e académicos famosos alertam que os sistemas de IA “representam riscos profundos para a humanidade” Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Empresários e académicos famosos alertaram que os sistemas de inteligência artificial (IA) “representam riscos profundos para a sociedade e a humanidade”, pedindo que as empresas travem o desenvolvimento da tecnologia.

PUBLICIDADE

Empresários e académicos famosos alertaram que os sistemas de inteligência artificial (IA) “representam riscos profundos para a sociedade e a humanidade”, pedindo que as empresas travem o desenvolvimento da tecnologia.

O CEO do Twitter, Elon Musk, e o cofundador da Apple, Steve Wozniak, estão entre vários signatários conhecidos de uma carta aberta que pede aos laboratórios de IA que parem imediatamente o desenvolvimento, por pelo menos seis meses.

A carta, publicada no site do The Future of Life Institute, afirma que os laboratórios de IA estão “presos numa corrida fora de controlo para desenvolver e implantar mentes digitais cada vez mais poderosas do que ninguém – nem mesmo os seus criadores – podem entender, prever, ou controlar de maneira fiável”.

Os signatários pedem uma pausa no treino de qualquer sistema de IA mais poderoso que o GPT-4, o mais recente grande modelo de linguagem (LLM) da OpenAI, que sustenta o seu popular chatbot ChatGPT.

A carta, publicada na quarta-feira, coincidiu com o lançamento de um relatório separado do Goldman Sachs, que estima que 300 milhões de empregos a tempo inteiro podem ser expostos à IA generativa globalmente.

A explosão de interesse em IA iniciada por empresas como o ChatGPT e DALL-E, um robô que cria imagens, também levantou muitas questões sobre a ética e o impacto das novas ferramentas poderosas.

Até mesmo Sam Altman, o CEO do criador do ChatGPT, OpenAI, alertou várias vezes sobre o aumento repentino da IA, tendo afirmado recentemente que o mundo pode não estar "muito longe" de ter ferramentas de IA "potencialmente assustadoras".

Comentando, na altura, este alerta, alguns especialistas em IA disseram ao Euronews Next que, em vez de aplicações “potencialmente assustadoras” estarem a chegar, estamos a viver um “presente distópico” graças à proliferação de IA.

Sarah Myers West, diretora-geral do AI Now Institute, disse que hoje "em muitos sentidos, já é onde estamos", com sistemas de IA a exacerbar "padrões de desigualdade de longa data", especialmente em áreas como candidaturas a empregos e educação.

A carta aberta, divulgada a 28 de março, contava com 1.123 assinaturas até a publicação deste artigo, incluindo o autor Yuval Noah Harari e o vencedor do prémio Turing, Yoshua Bengio.

Ele afirma que a IA pode estar prestes a mudar profundamente a trajetória da vida na Terra e “deve ser planeada e gerida com cuidado e recursos proporcionais”, algo que os autores argumentam que não está a acontecer.

Advertindo que as máquinas podem “inundar os nossos canais de informação com propaganda” ou eliminar “todos os empregos”, tornando os humanos “obsoletos”, os autores perguntam: “Devemos arriscar perder o controlo da nossa civilização?”

Pedem, por isso, supervisão, para que essas decisões não sejam deixadas nas mãos dos líderes tecnológicos.

Essa supervisão deve incluir protocolos de segurança partilhados, supervisionados por especialistas independentes.

Os desenvolvedores de IA também devem trabalhar com os decisores políticos para “acelerar drasticamente o desenvolvimento de sistemas robustos de gestão de IA”, acrescentam.

‘300 milhões de empregos expostos’

Enquanto isso, um memorando do banco multinacional de investimento Goldman Sachs revelou o impacto económico em larga escala de IA, segundo a equipa de investigação do banco.

Estima que a IA poderia assumir até um quarto de todo o trabalho atual, o que exporia o equivalente a 300 milhões de empregos a tempo inteiro à automação.

A boa notícia, de acordo com o memorando, é que o número de postos de trabalho eliminados pela automação "tem sido historicamente compensado pela criação de novos empregos, e o surgimento de novas ocupações após inovações tecnológicas é responsável pela grande maioria do crescimento do emprego a longo prazo”.

PUBLICIDADE

A poupança nos custos de mão-de-obra e maior produtividade para trabalhadores não deslocados podem significar “um boom de produtividade que aumenta substancialmente o crescimento económico”, acrescentou.

Por exemplo, eles estimam um aumento na produtividade global do trabalho que poderia elevar o PIB global anual em 7%.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Está à procura de um artigo online de 2013? Pode ter desaparecido por culpa deste fenómeno

OpenAI suspende voz do ChatGPT que era "estranhamente parecida" com a da atriz Scarlett Johansson

Tribunal de Londres decide que Assange pode recorrer da ordem de extradição para os EUA