EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Trabalho na Europa: quais são os países com semanas laborais mais longas e mais curtas?

Os países dos Balcãs têm as semanas de trabalho mais longas, enquanto os países nórdicos têm algumas das semanas de trabalho mais curtas
Os países dos Balcãs têm as semanas de trabalho mais longas, enquanto os países nórdicos têm algumas das semanas de trabalho mais curtas Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Servet Yanatma
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A média de horas trabalhadas por semana na Europa varia muito. Os países com maior número de trabalhadores a tempo parcial, em particular, registaram semanas de trabalho médias mais curtas.

PUBLICIDADE

Quantas horas trabalha por semana? Novos dados do Eurostat, o gabinete de estatísticas da União Europeia (UE), mostram que o número médio de horas de trabalho na Europa varia muito de país para país.

Os padrões de trabalho têm vindo a mudar nos últimos anos. As taxas de trabalho a partir de casa aumentaram na UE durante a pandemia de COVID-19. Algumas empresas oferecem atualmente opções mais flexíveis de trabalho à distância.

As semanas de quatro dias com a mesma carga de trabalho também estão a ser testadas em vários países. Em 2022, as pessoas empregadas na UE com idades compreendidas entre os 20 e os 64 anos trabalhavam, em média, 36,2 horas por semana. Este valor era 24 minutos inferior aos níveis pré-pandémicos de 2019.

Então, quais são, afinal, os países com os horários de trabalho mais longos e mais curtos?

Em 2022, o número médio de horas de trabalho semanais efetivas num emprego principal na UE variou entre 32,4 horas nos Países Baixos e 39,7 horas na Grécia e na Roménia. Este número inclui tanto os trabalhadores a tempo inteiro como os trabalhadores a tempo parcial com idades compreendidas entre os 20 e os 64 anos.

Trabalhadores dos países dos Balcãs com semanas mais longas

Quando se comparam os países europeus para os quais esta informação está disponível, a Turquia registou as semanas de trabalho mais longas, com 42,9 horas em 2020, que são os dados mais recentes.

Seguem-se Montenegro (42,8 horas, dados de 2020) e a Sérvia (42,3 horas). Estes são os países com semanas de trabalho médias superiores a 40 horas.

À Grécia e à Roménia seguem-se a Polónia (39,5 horas), Bulgária (39,2 horas) e Macedónia do Norte (39 horas).

Tudo isto sugere que as pessoas nos países dos Balcãs têm a média de horas de trabalho por semana mais longa.

As semanas mais curtas: Países Baixos, Áustria e Noruega

Na lista dos países com as semanas de trabalho médias mais curtas em 2022, os Países Baixos (32,4 horas) são seguidos pela Áustria (33,7 horas), Noruega (34,1 horas), Dinamarca e Alemanha (ambas com 34,6 horas).

Quantas horas trabalham as pessoas no Reino Unido, em França e em Espanha?

O Reino Unido (36,4 horas em 2019) registou o mesmo número médio de horas de trabalho que a União Europeia. França e Itália (ambas com 36,2 horas) registaram valores ligeiramente inferiores aos da UE. Em Espanha, as pessoas trabalharam 36,5 horas por semana, ou seja, apenas mais 6 minutos do que a média da UE.

Os cinco países nórdicos registaram todos semanas de trabalho médias mais curtas do que a média da UE.

Semana de trabalho média: tempo inteiro vs. tempo parcial

As diferenças nas semanas de trabalho médias entre os países da UE variam em função do tipo de emprego, nomeadamente a tempo inteiro ou a tempo parcial.

Para o emprego a tempo inteiro, a média de horas de trabalho por semana variou entre 37,4 horas na Finlândia e 41,3 horas em todos os países da UE em 2022.

Quando se incluem os países da Associação Europeia de Comércio Livre (EFTA) e os países candidatos à UE, a Turquia (46 horas) registou a semana de trabalho média mais longa, seguida da Sérvia (43,5 horas), de Montenegro e da Suíça (ambos com 43,4 horas).

O Reino Unido (41 horas, dados de 2019) e a Alemanha (39,5 horas) registaram uma média de horas de trabalho superior à da UE (39,3) entre os trabalhadores a tempo inteiro, enquanto Itália (39,2 horas), Espanha (39,1 horas) e França (38,7 horas) registaram valores inferiores.

Para o emprego a tempo parcial, a semana de trabalho média variou entre 17,8 horas em Portugal e 27 horas na Roménia nos países da UE em 2022. A média da UE foi de 21,8 horas.

As pessoas empregadas a tempo parcial trabalharam 22,8 horas em França, 21,4 horas na Alemanha e 20,2 horas no Reino Unido. A Turquia (17,4 horas) registou a semana de trabalho média mais curta nesta categoria.

PUBLICIDADE

O tipo de emprego influencia a semana de trabalho média

Os diferentes regimes jurídicos e a duração típica das semanas de trabalho podem influenciar o número médio de horas que as pessoas trabalham por semana. Mais importante ainda, as diferentes percentagens de trabalhadores a tempo parcial nos países afetam os resultados. O Eurostat constatou que os países com maior percentagem de trabalhadores a tempo parcial registaram semanas de trabalho médias mais curtas para o número total de pessoas empregadas.

O gráfico acima mostra uma forte correlação negativa entre estes dois indicadores. Em 2022, a percentagem de trabalhadores a tempo parcial no emprego total era de 38,4% nos Países Baixos, a taxa mais elevada da UE, enquanto a semana de trabalho média para o total de trabalhadores era de 32,4 horas, a mais curta da UE.

Diferenças de género no horário de trabalho

Existem diferenças consideráveis entre os géneros nas semanas de trabalho médias nos países europeus. Isto inclui tanto os trabalhadores a tempo inteiro como os trabalhadores a tempo parcial com idades compreendidas entre os 20 e os 64 anos.

Entre as diferenças de género, os trabalhadores do sexo masculino tiveram semanas de trabalho médias mais longas do que as das mulheres em todos os países em 2022. A diferença mais significativa entre os países da UE registou-se nos Países Baixos, com uma diferença de 8,5 horas.

A diferença mais elevada em toda a Europa foi registada na Suíça, com 9,7 horas, enquanto a diferença mais curta foi registada na Bulgária, com 0,5 horas. A diferença média na UE foi de 5,1 horas.

PUBLICIDADE

Média de horas de trabalho por semana numa atividade principal para homens e mulheres (2022) (trabalhadores a tempo inteiro e a tempo parcial com idades entre os 20 e os 64 anos).

Entre os homens, a semana de trabalho média mais curta registou-se nos Países Baixos e na Noruega (ambos com 36,4 horas), enquanto a mais longa foi na Turquia, com 44,8 horas. A média da UE era de 38,4 horas e os homens da Grécia eram os que trabalhavam mais horas por semana na UE, com 41,7 horas.

Entre as mulheres, a semana de trabalho média mais longa registou-se em Montenegro (41,7 horas). A média da UE era de 33,6 horas. As mulheres nos Países Baixos (27,9 horas) tinham a semana de trabalho média mais curta da UE, enquanto a Roménia (39,3 horas) tinha a mais longa.

Trabalhar 49 horas ou mais por semana

A percentagem de pessoas empregadas, tanto a tempo inteiro como a tempo parcial, que trabalham 49 horas ou mais por semana é também um indicador útil. Na UE, 7,4% das pessoas empregadas trabalhavam muitas horas nos seus empregos principais em 2022.

Esta percentagem variava entre 0,7% na Bulgária e 12,6% na Grécia, em todos os países da UE.

PUBLICIDADE

Quando se incluem outros países europeus, a Turquia regista a taxa mais elevada, com 28,1%, seguida do Reino Unido e da Islândia, onde 14,1% das pessoas empregadas trabalhavam 49 horas ou mais por semana.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Como é que a tecnologia de IA pode perturbar o futuro mercado de trabalho

A “contratação silenciosa” está a revolucionar o local de trabalho

Qual é o país mais instruído da Europa?