Empresa paga aos trabalhadores 70.000 euros por cada bebé para os incentivar a terem filhos

O incentivo de dar 70 000 euros aos empregados de uma empresa sul-coreana que tenham um filho foi concebido para estimular uma taxa de natalidade em queda.
O incentivo de dar 70 000 euros aos empregados de uma empresa sul-coreana que tenham um filho foi concebido para estimular uma taxa de natalidade em queda. Direitos de autor Canva
De  Roselyne Min
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Empresa coreana já pagou um total de 4,8 milhões de euros para tentar travar a queda da taxa de natalidade no país.

PUBLICIDADE

Uma empresa de construção sul-coreana está a pagar aos seus trabalhadores quase 70.000 euros de cada vez que têm um filho, na esperança de ajudar a resolver o problema da baixa taxa de natalidade no país.

A empresa já pagou um total de 4,8 milhões de euros num montante fixo aos trabalhadores que tiveram filhos desde 2021, incluindo duas famílias com dois filhos que receberam 138 000 euros cada uma numa reunião de pessoal de Ano Novo no início deste mês.

"Se o estado atual de baixas taxas de natalidade persistir, enfrentaremos uma crise existencial nacional, como o declínio da força de trabalho e a falta de mão-de-obra de defesa necessária para a segurança nacional", disse Joong-keun Lee, o fundador do grupo Booyoung, numa reunião de pessoal, de acordo com um comunicado de imprensa.

A Coreia do Sul tem a taxa de fertilidade mais baixa do mundo, com cerca de 0,7 nascimentos por mulher fértil, de acordo com o Korean Peninsula Population Institute for Future.

Os especialistas dizem que as razões para o baixo número de nascimentos incluem a mudança de pontos de vista sobre a família, uma sociedade altamente competitiva, o elevado custo da educação dos filhos e o fraco envolvimento dos homens nos cuidados infantis.

"Os seres humanos têm dois instintos diferentes - um é o de preservar a sua espécie e o outro é o de sobreviver. Atualmente, a sobrevivência é tão difícil que não nos podemos dar ao luxo de nos preocuparmos com a preservação", disse Insill Yi, presidente do Instituto de População da Península Coreana para o Futuro e antigo comissário de estatísticas da Coreia, à Euronews Next.

"Para simplificar, o maior fator é que é difícil planear o futuro, o que é necessário se quisermos ter filhos, porque a vida é tão desafiante e competitiva neste momento, e o futuro com filhos não lhes parece tão relevante".

Os especialistas prevêem que cada vez mais empresas irão lançar iniciativas deste género.

"Uma das coisas mais importantes para uma empresa é a mão-de-obra, certo? Podem ter dificuldades em recrutar empregados, mas outro aspeto é que os consumidores estão a desaparecer", diz Yi.

"À medida que a população diminui, penso que as empresas estão a sentir uma sensação de crise. Penso que este é quase o início das empresas que começam a pensar: "O que é que devemos fazer?" Acredito que mais empresas se juntarão a este esforço no futuro".

'Pensámos num segundo filho que não tínhamos planeado'

Uma das beneficiárias do novo prémio da Booyoung diz que o dinheiro lhe deu paz de espírito. 

"Se o nosso filho quiser fazer alguma coisa no futuro, podemos apoiá-lo sem nos preocuparmos", disse Semi Hong, directora de RH do Grupo Booyoung, à Euronews Next.

A responsável está otimista quanto à forma como os incentivos irão motivar os seus colegas na empresa.

"Até eu pensei num segundo filho que não tínhamos planeado, uma vez que se trata de uma política de incentivos pouco convencional. Por isso, penso que muitos empregados estão a reconsiderar o planeamento familiar", afirma Hong.

"Talvez aqueles que iam ter apenas um filho passem agora a ter dois".

A oferta de um montante tão elevado como o da Booyoung não tem precedentes, mas os relatórios sugerem que várias empresas sul-coreanas introduziram recentemente novos esquemas para incentivar a natalidade e proporcionar bem-estar aos trabalhadores.

As empresas acreditam que a cooperação do Estado é essencial para dar mais apoio aos seus empregados.

No anúncio do novo incentivo, a Booyoung prometeu que as trabalhadoras que derem à luz o seu terceiro filho poderão escolher entre dinheiro para os três filhos ou uma habitação permanente alugada, desde que o Estado lhes possa dar o terreno para a construção.

PUBLICIDADE

O gigante do sector da construção e do imobiliário sugeriu ainda que o Estado implementasse um novo sistema de dedução fiscal para renunciar ao imposto sobre as sociedades e ao imposto sobre o rendimento, de modo a que os trabalhadores possam beneficiar plenamente dos incentivos à parentalidade e que mais empresas possam seguir o exemplo.

Um bónus único não pode resolver todos os problemas

Os peritos afirmam que a cultura de trabalho e a divisão equitativa das responsabilidades parentais entre homens e mulheres também são cruciais.

"Sabemos que educar uma criança não é algo que se faça apenas por um dia. Tem de continuar até que a criança tenha pelo menos 20 anos de idade e, na minha opinião, o custo mínimo, incluindo o ensino privado, é de 200 a 300 milhões de won [138. 000 a 208. 000 euros] por criança", afirma Yi.

"Perguntei aos jovens se gostariam de ter um filho e eles responderam que isso lhes daria certamente apoio financeiro, e é verdade que teria definitivamente um impacto positivo se estivessem numa encruzilhada para decidir se querem ou não ter um filho", acrescentou Yi.

"Mas elas disseram que não queriam ter um filho só por causa do dinheiro".

PUBLICIDADE

Atualmente, na Coreia do Sul, as mulheres são as principais responsáveis pela educação dos filhos e o rácio de homens que ajudam a cuidar dos filhos é um dos mais baixos do mundo, segundo o especialista.

O Instituto da População da Península Coreana para o Futuro está a fazer uma campanha para promover uma cultura de trabalho em que os empregados possam ter filhos sem se sentirem pressionados.

O país, que costumava ter o maior número de horas de trabalho por dia entre os países membros da OCDE, abrandou e os jovens estão ansiosos por conseguir um equilíbrio entre a vida profissional e a vida pessoal.

Yi está otimista quanto ao facto de a Coreia do Sul vir a assistir a uma mudança nas tendências demográficas.

Suponho que as pessoas na Europa com poucos conhecimentos sobre a Coreia possam pensar "Como é que pode haver um país assim?" Mas, como economista, posso dizer que a Coreia sempre foi assim. Este país conseguiu muitas coisas num curto espaço de tempo", afirmou.

PUBLICIDADE

"Por isso, acredito que o mesmo acontecerá com os problemas populacionais. Atualmente, estamos a fazer vários esforços em todos os sectores da vida e o governo também está a fazer esforços".

"No futuro, acredito e espero que muitas empresas como a Booyoung se esforcem e que consigamos criar uma sociedade que seja boa para ter e criar filhos", afirmou.

Editor de vídeo • Roselyne Min

Outras fontes • AP

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O país mais velho da Europa: o que está por detrás do problema do envelhecimento em Itália?

Líder do principal partido da oposição da Coreia do Sul esfaqueado no pescoço

Roménia regista taxa de natalidade mais baixa dos últimos 143 anos