O país mais velho da Europa: o que está por detrás do problema do envelhecimento em Itália?

Uma mulher idosa usa um andarilho para se deslocar em frente ao Palazzo Vecchio (Palácio Velho) da Câmara Municipal do século XIV em Florença, Itália, quinta-feira, 17 de fevereiro de 2022.
Uma mulher idosa usa um andarilho para se deslocar em frente ao Palazzo Vecchio (Palácio Velho) da Câmara Municipal do século XIV em Florença, Itália, quinta-feira, 17 de fevereiro de 2022. Direitos de autor AP Photo/Domenico Stinellis
De  Giulia Carbonaro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A diminuição das taxas de natalidade e o aumento da esperança de vida envelheceram significativamente a população italiana, ao ponto de os economistas estarem preocupados com o futuro do país.

PUBLICIDADE

O problema do envelhecimento em Itália está a começar a afetar a mundialmente famosa "dolce vita" do país.

O número crescente de reformados não é acompanhado pelo número de recém-nascidos.

E os esforços do governo de direita de Giorgia Meloni para aumentar a taxa de natalidade não conseguiram, até agora, inverter a tendência do declínio demográfico em Itália.

De acordo com os últimos dados do Eurostat, a Itália é o país mais envelhecido da União Europeia, com metade da população com uma idade média superior a 48 anos.

Juntamente com Portugal, a Itália tem a maior percentagem de residentes com mais de 65 anos, 24%, ou seja, cerca de um em cada quatro.

Este aumento reflete uma tendência europeia, com o bloco a registar um aumento global da sua idade média (44,5 anos). O número de pessoas idosas representa atualmente mais de um quinto da população do bloco.

"No entanto, o que é ainda mais significativo é a tendência de envelhecimento da população idosa italiana", disse Cecilia Tomassini, professora de Demografia e Estatística Social na Universidade de Molise, à Euronews.

"Especificamente, a proporção de indivíduos com 80 anos ou mais aumentou para 7,7% da população total, um aumento notável em relação aos meros 3,3% registados em 1991", acrescentou.

People wait to be evacuated from Giampilieri near Messina, southern Italy, Saturday, Oct. 3, 2009.
People wait to be evacuated from Giampilieri near Messina, southern Italy, Saturday, Oct. 3, 2009.Carmelo Imbesi/AP2009

"Essencialmente, enquanto a população total aumentou 3,4% desde 1991, o segmento com 80 anos ou mais, mais do que duplicou durante o mesmo período."

Mas os "nonni" italianos - figuras muito queridas no país e no estrangeiro - não são o problema, disse Giovanni Lamura, do Instituto Nacional de Saúde e Ciência do Envelhecimento de Itália, à Euronews.

"Fazer com que as pessoas vivam mais tempo deveria ser um objetivo da agenda política do governo de qualquer país", afirmou. "O problema é que as taxas de fertilidade em Itália são baixas, temos cada vez menos filhos.

Como é que a Itália ficou tão velha?

A razão para o envelhecimento da população italiana é simples: o número de mortes, devido ao envelhecimento da população, ultrapassa largamente o número de nascimentos.

Nos últimos 40 anos, o número médio de filhos por família em Itália tem sido inferior a 1,5, disse Alessandro Rosina, professor de Demografia e Estatísticas Sociais na Universidade Católica de Milão, à Euronews. "Os dados mais recentes são inferiores a 1,24 por mulher.

É necessária uma taxa de 2 nascimentos por mulher para manter a população estável.

De acordo com Tomassini, o declínio das taxas de fertilidade começou na década de 1980, embora com flutuações ocasionais.

Italian flag waves during a bilateral meeting between Italy and Russia, in Trieste, Italy, Tuesday, Nov. 26, 2013.
Italian flag waves during a bilateral meeting between Italy and Russia, in Trieste, Italy, Tuesday, Nov. 26, 2013.Luca Bruno/AP

"Os fluxos migratórios só marginalmente abrandaram este processo de envelhecimento. "Caso contrário, o seu impacto teria sido consideravelmente mais pronunciado."

Embora tenha havido um período durante o qual este saldo negativo foi compensado por uma taxa mais elevada de migração positiva, "já não é esse o caso", disse Tomassini. "Consequentemente, o declínio da população em Itália está a tornar-se mais acentuado."

O facto de as pessoas idosas em Itália viverem mais tempo é, na verdade, uma notícia positiva, disse Lamura.

PUBLICIDADE

"As pessoas puderam viver mais tempo graças a políticas benéficas, a pensões generosas e a um sistema de saúde gratuito que permitiu que mesmo aqueles que não podiam pagar recebessem cuidados."

Mas há um outro lado.

Lamura afirma que o país não investiu tanto nas gerações mais jovens como fez com as anteriores.

"A Itália deveria fazer mais para ajudar financeiramente as famílias jovens, mas tem uma dívida enorme do PIB [140,6% de todo o PIB em setembro de 2023] que está sob escrutínio internacional, por isso não se pode dar ao luxo de se endividar ainda mais com algumas novas e generosas políticas pró-família", afirmou.

"As pessoas em Itália planeiam e sonham em ter filhos e uma família tanto quanto os outros europeus. O que falta são políticas adequadas para apoiar a realização desses planos e sonhos", afirmou Rosina.

PUBLICIDADE

"A Itália tem uma das idades médias mais elevadas para os pais terem o seu primeiro filho [na Europa], sobretudo porque os jovens têm dificuldade em entrar no mercado de trabalho e encontrar empregos estáveis, para além de enfrentarem dificuldades em conseguir a sua própria casa."

Aqueles que têm filhos enfrentam então o desafio de tentar conciliar a vida familiar e a vida profissional num país que carece de apoio económico e de infra-estruturas adequadas para os jovens pais e os seus filhos.

"Em Itália, o nascimento de um filho é suscetível de representar um agravamento das condições económicas dos pais, bem como uma complicação da sua vida do ponto de vista organizacional, mais do que noutros países", afirma Rosina.

"As políticas limitadas do país destinadas a apoiar as famílias jovens transmitem a mensagem negativa de que ter uma família não traz valor para a comunidade e não é digno de apoio."

Que futuro para a Itália?

Para Tomassini, o envelhecimento da população italiana e a queda das taxas de natalidade deverão continuar no futuro.

PUBLICIDADE

A menos que ocorram intervenções significativas, como crises de mortalidade ou um novo "baby boom". "A curto prazo, a migração pode ser uma variável significativa que pode influenciar a dinâmica populacional, embora possa ser politicamente escorregadia".

O governo de Meloni fez do aumento das taxas de natalidade uma das prioridades do seu governo, mas até agora não conseguiu obter resultados concretos.

A direita reduziu para metade o IVA sobre as fraldas e o leite para bebés, mas os cuidados infantis continuam a ser caros e dificilmente acessíveis para muitos.

O maior receio do país é que o seu já fraco crescimento económico continue a diminuir, acabando a Itália por não conseguir suportar o seu sistema de pensões e de segurança social.

"Se as taxas de fertilidade se mantiverem inalteradas, a Itália poderá ter apenas 320.000 recém-nascidos em 25 anos, com uma estrutura demográfica cada vez mais desequilibrada", afirma Rosina.

PUBLICIDADE

"Não se trata de um futuro distópico, mas simplesmente do cenário mais provável de acordo com a dinâmica atual. Se a Itália não seguir o exemplo das melhores políticas da Europa neste domínio, o desenvolvimento e a sustentabilidade social do país estarão em risco nas próximas décadas."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Empresa paga aos trabalhadores 70.000 euros por cada bebé para os incentivar a terem filhos

Buraco abre-se em rua de Nápoles e engole dois carros

Agricultores italianos criticam domínio da Comissão Europeia