Como evoluiu a disparidade salarial entre homens e mulheres na Europa?

As "Quatro Grandes" economias europeias apresentam disparidades salariais entre homens e mulheres superiores à média.
As "Quatro Grandes" economias europeias apresentam disparidades salariais entre homens e mulheres superiores à média. Direitos de autor Canva
De  Servet Yanatma
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

As mulheres na Europa enfrentam grandes desigualdades no acesso ao trabalho, na progressão e nas recompensas.

PUBLICIDADE

As disparidades salariais entre homens e mulheres continuam a ser muito evidentes na Europa. Vários indicadores revelam a desigualdade entre homens e mulheres em muitos domínios, mas a vida económica é uma das áreas que mais afeta as mulheres.

Apesar de algumas melhorias na Europa, as mulheres continuam a sofrer de disparidades de género no que diz respeito aos salários, à participação na força de trabalho, ao emprego e às posições hierárquicas no local de trabalho.

No Dia Internacional da Mulher, 8 de março, uma iniciativa anual promovida pelas Nações Unidas para aumentar a sensibilização para as questões relacionadas com o género, a Euronews Next analisa os dados destes principais indicadores para dar uma imagem mais completa da atual divisão entre os géneros.

Quanto é que as mulheres ganham menos do que os homens?

A desigualdade salarial entre os géneros tem sido cada vez mais debatida nos últimos anos.

As disparidades salariais não ajustadas entre homens e mulheres são um indicador significativo, que mostra a diferença entre a média dos ganhos horários brutos dos homens e das mulheres, expressa em percentagem da média dos ganhos horários brutos dos homens.

Não tem em conta a educação, a idade, as horas trabalhadas ou o tipo de emprego.

Basicamente, revela quanto menos ganham as mulheres do que os homens. Em 2022, a disparidade de género era de 12,7% na UE. Por outras palavras, as mulheres ganhavam em média 12,7 por cento menos por hora do que os homens.

Isto mostra que as mulheres ganham, em média, 87,3 euros por cada 100 euros ganhos pelos homens. Em suma, as mulheres teriam de trabalhar mais 1,5 meses para compensar a diferença.

As disparidades salariais entre homens e mulheres variam consideravelmente na UE e no bloco da Associação Europeia de Comércio Livre (EFTA). Em 2022, era superior a 17% em vários países.

A Estónia registou a maior diferença salarial entre homens e mulheres, com 21,3%, seguida da Áustria (18,4%), da Suíça e da Chéquia (ambas com 17,9%).

O Luxemburgo (-0,7%) foi o único país com um valor negativo, o que significa que as mulheres ganham ligeiramente mais do que os homens.

Para além do Luxemburgo, a Itália, a Roménia e a Bélgica registaram as disparidades salariais mais baixas, inferiores a 5%.

Entre os "quatro grandes" da UE, a Alemanha (17,7%) e a França (13,9%) registaram disparidades mais elevadas do que a média da UE.

A disparidade salarial entre homens e mulheres está a diminuir na Europa?

Um dos objetivos da Comissão Europeia é reduzir as disparidades salariais entre homens e mulheres na União Europeia. Houve alguma melhoria nesse sentido? O progresso é constante, mas é lento.

Entre 2012 e 2022, a diferença salarial entre homens e mulheres diminuiu 3,7 pontos percentuais na UE, passando de 16,4% para 12,7%.

Em seis países, nomeadamente a Eslovénia, a Letónia, a Polónia, Malta, a Suíça e a Lituânia, as disparidades salariais entre homens e mulheres aumentaram, variando entre 0,1 e 3,7 pontos percentuais.

A Espanha registou a maior melhoria das disparidades salariais entre homens e mulheres, com uma diminuição de 10 pontos percentuais neste período, seguida da Estónia (8,6 pontos percentuais), da Islândia (8,4 pontos percentuais) e do Luxemburgo (7,6 pontos percentuais).

A Alemanha e o Reino Unido registaram igualmente uma diminuição considerável de 5 e 4,7 pontos percentuais, respetivamente.

PUBLICIDADE

A disparidade salarial é maior no setor privado?

Sim, é.

Em 2022, a diferença salarial entre homens e mulheres era mais elevada no sector privado do que no público em 21 dos 24 países europeus.

De acordo com a agência de dados da UE, Eurostat, isto pode dever-se ao facto de a remuneração no sector público ser maioritariamente determinada por grelhas salariais transparentes que se aplicam igualmente a homens e mulheres na UE.

As disparidades salariais no sector público só foram mais elevadas em Portugal, na Eslovénia e na Finlândia.

Chipre registou (-0,2%) uma diferença negativa no sector público, o que indica que as mulheres são mais bem pagas do que os homens.

PUBLICIDADE

Chipre registou igualmente a diferença mais elevada entre o sector público e o privado, com 19,7 pontos percentuais.

Esta diferença era superior a 10 pontos percentuais em cinco países, sugerindo que a desigualdade salarial entre homens e mulheres era forte em muitos países.

A Chéquia registou a maior diferença salarial entre homens e mulheres no sector privado, com 20,5%, seguida de perto pela Alemanha (19,9%). Isto mostra que as mulheres ganham, em média, 80 euros por cada 100 euros ganhos pelos homens no sector privado alemão.

Porque é que as mulheres ganham menos?

As razões subjacentes às disparidades salariais entre homens e mulheres não são simples. É mais do que a questão de salário igual para trabalho igual.

"Abrange um grande número de desigualdades que as mulheres enfrentam no acesso ao trabalho, na progressão e nas recompensas", sublinha a Comissão Europeia.

PUBLICIDADE

De acordo com a Comissão, as principais razões são as seguintes

  • Segregação setorial: Cerca de 24% das disparidades salariais entre homens e mulheres estão relacionadas com a sobre-representação das mulheres em sectores com salários relativamente baixos, como os cuidados, a saúde e a educação.

Em 2022, 28% das mulheres na UE trabalhavam a tempo parcial, em comparação com 8% dos homens.

  • Discriminação salarial: As mulheres ganham menos do que os homens por fazerem um trabalho igual ou de igual valor em alguns casos.
  • Partilha desigual do trabalho não remunerado: As mulheres têm mais horas de trabalho por semana do que os homens, mas passam mais horas em trabalho não remunerado, um facto que pode também afetar as suas escolhas profissionais. É muito mais provável que deixem de trabalhar para cuidar dos filhos e de familiares. É por esta razão que a UE promove a partilha equitativa das licenças parentais.
  • O teto de vidro: A posição na hierarquia influencia obviamente o nível de remuneração. Por exemplo, a profissão que regista as maiores diferenças de remuneração horária na UE é a de gestor: 23% menos remuneração para as mulheres do que para os homens.

Para além de serem mais bem pagos do que as mulheres, os homens ocupam geralmente posições mais elevadas do que as mulheres. Em 2021, as mulheres representavam apenas 35 por cento dos gestores na UE.

Como mostra o gráfico acima, a percentagem de mulheres nesta posição não ultrapassava os 50% em nenhum país da UE. A Letónia (46%), a Polónia e a Suécia (ambas com 43%) tinham as maiores percentagens, enquanto Chipre (21%), o Luxemburgo (22%) e os Países Baixos (26%) registavam as menores proporções.

As mulheres são mais instruídas, mas têm menos emprego

Há ainda muitos factores a ter em conta para compreender as disparidades salariais entre homens e mulheres.

PUBLICIDADE

Em 2022, as mulheres com ensino superior (37,1%), que inclui universidades, faculdades e formação técnica, na UE eram claramente superiores aos homens (31,4%).

A percentagem de mulheres com ensino superior era superior à percentagem correspondente de homens em quase todos os países da UE, exceto na Alemanha e na Áustria.

No entanto, a taxa de emprego das mulheres (83,6%) era inferior à dos homens (88,9%) na UE. Estes números demonstram obviamente que as mulheres têm menos emprego, embora tenham mais habilitações académicas.

Os homens têm mais emprego em todos os países da UE

Entre os 15 e os 64 anos de idade, a taxa de emprego dos homens na UE era de 74,7% em 2023, excedendo a das mulheres (64,9%) em 9,8 pontos percentuais.

A taxa de emprego dos homens era mais elevada do que a das mulheres em todos os países da UE, variando entre 0,3 pontos percentuais na Lituânia e 19,1 pontos percentuais na Grécia.

PUBLICIDADE

A Turquia, um país candidato, registou um valor excecional de 34,6 pontos percentuais.

Melhoria da participação da força de trabalho, mas fosso ainda é elevado

A taxa de participação das mulheres no mercado de trabalho foi também inferior à dos homens em todos os países da UE. Em 2022, esta diferença era de 9,9 pontos percentuais na UE, de acordo com os dados da OCDE.

Este valor era de 16,6 pontos percentuais em 2002.

Embora quase todos os países, com exceção da Roménia, tenham registado melhorias para reduzir esta diferença nas últimas duas décadas, a diferença entre homens e mulheres na taxa de participação na força de trabalho era ainda superior a 10 pontos percentuais em oito países da UE, incluindo a Roménia, a Itália e a Grécia.

A Espanha, Malta e o Luxemburgo registaram melhorias consideráveis na redução das disparidades entre homens e mulheres na participação na força de trabalho nas últimas duas décadas.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Desportos de combate ajudam a desenvolver a defesa pessoal das mulheres?

Malware criado com IA pode roubar dados privados

Vídeos pornográficos falsos gerados por IA espalham-se na Grécia. Muitos são com menores