EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Como ver o recém-descoberto cometa Nishimura que só voltará a aparecer daqui a 400 anos

Cometa C/2023 P1 Nishimura e a sua cauda vistos de Manciano, Itália.
Cometa C/2023 P1 Nishimura e a sua cauda vistos de Manciano, Itália. Direitos de autor Gianluca Masi via AP
Direitos de autor Gianluca Masi via AP
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Descoberto apenas em agosto, o cometa Nishimura está atualmente a passar pela Terra pela primeira vez em mais de 400 anos.

PUBLICIDADE

Um visitante das profundezas do espaço está a passar pelo nosso planeta - e se não o conseguirmos vislumbrar... só volta a acontecer daqui a 400 anos.

O recém-descoberto cometa Nishimura será visível para os observadores de estrelas de todo o Hemisfério Norte durante os próximos dias, quando passar em segurança pela Terra a 12 de setembro.

Com um quilómetro de diâmetro, o cometa passará a uma distância de 125 milhões de quilómetros de nós e será visível a olho nu - embora seja necessário utilizar equipamento para o observar bem, uma vez que é muito ténue.

"É preciso um bom par de binóculos para o ver e também é preciso saber para onde olhar", explicou Paul Chodas, diretor do Center for Near-Earth Object Studies da NASA.

Tornar-se-á mais brilhante à medida que se aproxima do Sol e estará no seu ponto mais próximo da nossa estrela a 17 de setembro, antes de sair do sistema solar.

O que é que preciso fazer para ver o Nishimura?

Para o ver a partir do Hemisfério Norte, terá de olhar para o horizonte nordeste cerca de uma hora e meia antes do amanhecer.

De acordo com a The Planetary Society, deve procurá-lo a nascer entre as constelações Caranguejo e Leão e a aproximar-se de Vénus.

O astrónomo italiano Gianluca Masi, fundador do Virtual Telescope Project, disse à Associated Press, por e-mail, que esta semana representa "a última oportunidade possível" de ver o cometa a partir do Hemisfério Norte antes de se perder no brilho do Sol.

"O cometa tem um aspeto espantoso neste momento, com uma cauda longa e altamente estruturada", disse.

Desde que sobreviva à sua viagem para lá do Sol, deverá ser visível no Hemisfério Sul - no crepúsculo noturno - até ao final do mês, acrescentou Masi.

O cometa foi invulgarmente descoberto por um astrónomo amador, Hideo Nishimura, e tem o nome do observador de estrelas japonês.

O cometa passou pela última vez há cerca de 430 anos, disse Chodas. Isto é, cerca de uma ou duas décadas antes de Galileu ter inventado o telescópio.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Nave chinesa aterra no lado mais afastado da Lua, numa altura em que a rivalidade no espaço é global

SpaceX lança 23 satélites para a órbitra terrestre

Campo magnético do Sol pode ter origem perto da superfície, dizem especialistas