Prémios Ig Nobel celebram o lado peculiar da ciência

A 33.ª cerimónia anual de entrega dos prémios foi um evento pré-gravado em linha, como tem acontecido desde a pandemia do coronavírus, em vez das anteriores cerimónias ao vivo na Universidade de Harvard.
A 33.ª cerimónia anual de entrega dos prémios foi um evento pré-gravado em linha, como tem acontecido desde a pandemia do coronavírus, em vez das anteriores cerimónias ao vivo na Universidade de Harvard. Direitos de autor Screenshot of the online ceremony.
Direitos de autor Screenshot of the online ceremony.
De  Oceane Duboust com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A 33ª edição do evento distinguiu os feitos científicos mais bizarros deste ano. Aranhas mortas estão entre os vencedores.

PUBLICIDADE

Já ouviu falar do Prémio Nobel, mas o que dizer do seu prémio irmão, o Prémio Ig Nobel?

Nesta paródia aos prémios sérios, nomeados em honra do cientista e engenheiro Alfred Nobel, são atribuídos 10 gongos falsos às equipas e indivíduos de todo o mundo por detrás das realizações mais estranhas e bizarras da investigação científica.

Cada vencedor "fez algo que primeiro fez rir as pessoas e depois as fez pensar", segundo o evento.

De acordo com o IG Nobel Prize, que é patrocinado pela Associação de Ficção Científica de Harvard-Radcliffe e pela Sociedade de Estudantes de Física de Harvard-Radcliffe, são recebidas mais de 9000 nomeações por ano.

Necrobótica: utilização de aranhas mortas como robots

Os vencedores na categoria de engenharia mecânica foram Te Faye Yap, Zhen Liu, Anoop Rajappan, Trevor Shimokusu e Daniel Preston, uma equipa de cientistas da Índia, China, Malásia e Estados Unidos.

Em 2022, transformaram aranhas mortas em pinças robóticas.

As aranhas movem os seus membros através de uma mecânica hidráulica. Uma câmara perto da cabeça contrai para enviar sangue para os membros, forçando-os a estenderem-se. Quando a pressão é aliviada, as pernas contraem-se.

Durante os testes, os investigadores observaram que as aranhas-robô eram capazes de levantar mais de 130% do seu próprio peso corporal, e por vezes muito mais.

"Esta área da robótica  é muito divertida, porque podemos utilizar tipos de atuação e materiais anteriormente inexplorados", afirmou Daniel Preston, da Escola de Engenharia da Universidade de Rice, num comunicado.

Contar pêlos do nariz de cadáveres para o prémio de medicina

A exploração de cadáveres parece ter estado na moda este ano. A equipa que ganhou o prémio de medicina utilizou cadáveres para avaliar se havia um número igual de pêlos em cada uma das narinas de uma pessoa.

Na categoria de química e geologia, Jan Zalasiewicz, da Polónia, ganhou o prémio por explicar porque é que muitos cientistas gostam de lamber rochas.

"Lamber a rocha faz parte do arsenal de técnicas testadas e comprovadas do geólogo e do paleontólogo para ajudar a sobreviver no terreno", escreveu Zalasiewicz no boletim informativo da The Palaeontological Association em 2017.

"Molhar a superfície permite que as texturas dos fósseis e dos minerais se destaquem nitidamente, em vez de se perderem no borrão de microreflexões e microrefrações que se cruzam numa superfície seca".

Outras equipas vencedoras foram elogiadas por estudarem o impacto do tédio dos professores no tédio dos alunos, o efeito da atividade sexual das anchovas na mistura da água do oceano e a forma como os pauzinhos e as palhinhas eletrificadas podem alterar o sabor dos alimentos.

Os prémios "destinam-se a celebrar o invulgar, a honrar a imaginação e a estimular o interesse das pessoas pela ciência", segundo os Annals of Improbable Research, a revista que organiza o evento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden diz estar a “considerar” o pedido da Austrália para desistir das acusações contra Assange

Elon Musk investigado no Brasil por desinformação

Justiça britânica adia extradição de Julian Assange e pede garantias aos EUA