Conheça a primeira modelo espanhola de IA

Aitana López, a primeira modelo espanhola criada por IA.
Aitana López, a primeira modelo espanhola criada por IA. Direitos de autor The Clueless Agency
De  Laura Llach
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Aitana, uma exuberante mulher de 25 anos e cabelo cor-de-rosa de Barcelona, recebe semanalmente mensagens privadas de celebridades que a convidam para sair. Mas esta modelo não é real, foi criada pelos seus designers com recurso a IA.

PUBLICIDADE

No verão passado, Rubén Cruz, designer e fundador da agência The Clueless, estava a passar por uma fase difícil porque não tinha muitos clientes.

"Começámos a analisar a forma como estávamos a trabalhar e apercebemo-nos de que muitos projetos estavam a ser adiados ou cancelados devido a problemas fora do nosso controlo. Muitas vezes, a culpa era do influenciador ou da modelo e não de questões de design", disse Cruz à Euronews.

Por isso, decidiram criar a sua própria influenciadora para servir de modelo às marcas que os abordassem.

Criaram Aitana, uma exuberante mulher de 25 anos, de cabelo cor-de-rosa, de Barcelona, cuja aparência física está próxima da perfeição. A modelo virtual pode ganhar até 10.000 euros por mês, segundo o seu criador, mas a média ronda os 3.000 euros.

"Fizemo-lo para podermos viver melhor e não estarmos dependentes de outras pessoas que têm egos, que têm manias, ou que só querem ganhar muito dinheiro a posar", diz Cruz.

Designers working on Aitana's images at the agency.
Designers working on Aitana's images at the agency.The Clueless Agency

Aitana, que ganha cerca de mil euros por anúncio, tornou-se recentemente o rosto da Big, uma empresa de suplementos desportivos, e, como se não bastasse, coloca fotografias suas em lingerie na Fanvue, uma plataforma semelhante à OnlyFans.

Em apenas alguns meses, conseguiu ganhar mais de 121 000 seguidores no Instagram e as suas fotografias recebem milhares de visualizações e reações. Até recebe mensagens privadas de celebridades que não sabem que ela não é uma pessoa real.

"Um dia, um conhecido ator latino-americano enviou-lhe uma mensagem a convidá-la para sair. Este ator tem cerca de 5 milhões de seguidores e alguns membros da nossa equipa viram a sua série de televisão quando eram crianças", diz Cruz.

"Ele não fazia ideia de que a Aitana não existia", acrescenta.

Rubén Cruz and Diana Núñez, Aitana's designers, with Sofía Novales, Social Media Manager.
Rubén Cruz and Diana Núñez, Aitana's designers, with Sofía Novales, Social Media Manager.The Clueless Agency

Como é que se dá vida a uma modelo de IA?

Todas as semanas, a equipa da agência tem uma reunião para criar a vida de Aitana. Decidem o que ela vai fazer durante a semana, que locais vai visitar e que fotografias vão ser carregadas para alimentar os seguidores que querem saber mais sobre ela.

Mas não há sessões fotográficas, nem mudanças de guarda-roupa, apenas uma mistura de inteligência artificial e especialistas em design que utilizam o Photoshop para tornar possível que a modelo passe o fim de semana em Madrid, por exemplo.

"No primeiro mês, apercebemo-nos de que as pessoas seguem vidas, não imagens. Como ela não está viva, tivemos de lhe dar um pouco de realidade para que as pessoas pudessem relacionar-se com ela de alguma forma. Tínhamos de contar uma história", diz o designer gráfico.

É por isso que Aitana, ao contrário dos modelos tradicionais cujas personalidades não são normalmente reveladas para que possam ser uma "tela em branco" para os designers, tem uma "personalidade" muito distinta.

Foi criada como uma entusiasta do fitness, determinada e com um caráter complexo. No seu sítio Web, define-se como extrovertida e carinhosa.

"Aitana foi objeto de muita reflexão. Criámo-la com base no que a sociedade mais gosta. Pensámos nos gostos, hobbies e nichos que têm sido tendência nos últimos anos", explica Cruz.

Depois de analisarem as tendências, aperceberam-se de que a cultura oriental se tinha tornado muito europeizada nos últimos anos, pelo que tentaram captar isso no seu cabelo cor-de-rosa e no seu lado gamer.

O sucesso de Aitana é tal que os criadores já lançaram uma segunda modelo virtual chamada Maia, "um pouco mais tímida". Os nomes também não foram escolhidos ao acaso, ambos contêm o acrónimo de inteligência artificial (IA).

Social media images of Aitana
Social media images of AitanaEuronews

Democratizar a utilização de modelos?

A agência tem sido inundada com pedidos de marcas que querem ter a sua própria modelo personalizada.

PUBLICIDADE

"Querem ter uma imagem que não seja uma pessoa real e que represente os valores da sua marca, para que não haja problemas de continuidade se tiverem de despedir alguém ou já não puderem contar com ele", diz Cruz.

Há também economias de custos. Quando a agência, que costumava trabalhar com influenciadores reais, se apercebeu do que estes ganhavam, achou-o "anómalo".

"A Kim Kardashian ganha um milhão de euros por uma foto no Instagram e não cura o cancro. Ninguém ganha um milhão de euros por colocar uma fotografia numa rede social, parece-me absurdo", afirma.

A agência acredita que esta medida pode ajudar a baixar os preços de mercado e dar um impulso às pequenas empresas que não podem pagar grandes campanhas publicitárias.

No entanto, a iniciativa não está isenta de críticas. Muitos receiam que a perfeição irrealista das modelos possa influenciar a geração mais jovem a ficar obcecada em atingir essa perfeição.

PUBLICIDADE

Há também críticas à imagem altamente sexualizada das modelos criadas. A agência responde que está simplesmente a seguir a estética já criada pelos verdadeiros influenciadores e pelas próprias marcas.

"Se não seguirmos esta estética, as marcas não estarão interessadas. Para mudar este sistema, é preciso mudar a visão das marcas. O mundo em geral é sexualizado".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Adolescentes espanhóis receberam nudes IA deepfake de si próprios: será isso um crime?

MWC 2024: Microsoft abre acesso aos modelos de IA para permitir que países criem as suas próprias economias de IA

Estes sapatos futuristas impressos em 3D adaptam-se aos pés e poderão chegar ao mercado em breve