EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Droga conhecida como "pó de macaco" preocupa autoridades britânicas

Monkey dust, também conhecido como zombie dust, é um termo de calão utilizado em Inglaterra para designar a droga estimulante.
Monkey dust, também conhecido como zombie dust, é um termo de calão utilizado em Inglaterra para designar a droga estimulante. Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Estelle Nilsson-Julien
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A droga pode causar alucinações e psicose.

PUBLICIDADE

A cidade de Stoke-on-Trent, situada no centro de Inglaterra, tornou-se conhecida como um ponto de acesso a uma droga chamada "pó de macaco", com os residentes cada vez mais frustrados com a situação.

À medida que as autoridades locais injetam dinheiro na investigação para resolver o problema, cresce o debate sobre a revisão do impacto da droga na saúde das pessoas.

Os peritos afirmam que a droga também foi apreendida em grandes quantidades noutros locais da Europa.

O que é o "pó de macaco"?

O "pó de macaco", também designado por "pó de zombie", é um termo utilizado no Reino Unido para designar esta droga estimulante.

É constituído por diferentes catinonas sintéticas (semelhantes às anfetaminas), que aceleram as mensagens entre o cérebro e o corpo.

O "pó de macaco" é uma droga barata, alegadamente vendida por cerca de £20 (€23) por grama e provoca efeitos semelhantes aos da cocaína e da MDMA.

A sua popularidade aumentou por ser mais barata e provocar efeitos mais prolongados do que outras drogas.

Vendida sob a forma de um pó branco, os consumidores snifam, fumam ou injetam a droga.

Cada lote da droga é diferente, o que torna difícil saber o seu conteúdo efetivo.

Segundo um órgão de comunicação social do Reino Unido, a droga terá sido importada da China.

Qual o impacto do "pó de macaco" ?

"É um mito que o "pó de macaco" transforma as pessoas em zombies, no entanto, pode fazer com que se tornem impulsivas e erráticas", disse Nuno Albuquerque, conselheiro de dependências no Centro de Tratamento de Dependências do Reino Unido, à Euronews Next.

"Os utilizadores podem sentir que têm superpoderes e um pico de adrenalina", acrescentou.

Os consumidores de "pó de macaco" também sentem efeitos secundários de paranoia e aumento da agitação, o que pode levar a comportamentos violentos.

A droga tem sido utilizada por indivíduos que sofrem de dependências cruzadas.

"Tenho visto pacientes que tomam "pó de macaco" juntamente com outras anfetaminas, alguns também têm vícios sexuais", disse Albuquerque.

PUBLICIDADE

Haverá realmente uma "epidemia" de "pó de macaco" no Reino Unido?

"A droga começou a crescer em popularidade de 2017 a 2018 como uma alternativa mais barata à cocaína", diz Albuquerque, que identifica dois fatores que influenciaram a prevalência da droga na cidade de Stoke-on-Trent.

"A cidade está situada numa região de trânsito, o que a torna um alvo fácil para os traficantes de droga. Está também localizada numa zona desfavorecida, o que criou um mercado para drogas baratas como o "pó de macaco", afirmou.

A cidade está entre as áreas mais carenciadas do Reino Unido, de acordo com a Public Health England.

"Estamos conscientes do problema na nossa cidade e, como autoridade local, estamos empenhados em enfrentar estes desafios", disse Desiree Elliott, vereadora de Stoke-on-Trent, num comunicado partilhado com a Euronews Next.

PUBLICIDADE

"Os nossos esforços incluem uma abordagem alargada com os nossos principais parceiros", sublinhou.

O que está a ser feito para resolver o problema?

Os residentes de Stoke-on-Trent estão cada vez mais cansados da situação. Um relatório da Universidade de Staffordshire sublinha o "impacto extremamente negativo [da droga] nos habitantes e na zona".

Esta investigação foi financiada pela nova estratégia do governo em matéria de droga, que concedeu à Câmara Municipal de Stoke-on-Trent mais de cinco milhões de libras para melhorar o tratamento da toxicodependência e do álcool.

Em maio, o governo britânico lançou também uma análise independente sobre o "pó de macaco".

PUBLICIDADE

Segundo a legislação atual, o "pó de macaco" é uma droga de classe B e o seu fornecimento é punível com 14 anos de prisão. No entanto, o deputado conservador local Jack Brereton tem estado a fazer campanha para que a droga passe para a classe A.

"O "pó de macaco" é uma droga horrível que tem um impacto devastador na vida de quem a consome e que está a destruir vidas em Stoke-on-Trent", afirmou.

As forças policiais locais estão abertas à possibilidade de reclassificar a droga.

"Apoiamos a reclassificação das catinonas sintéticas, que incluem o "pó de macaco", da classe B para a A, o que protegerá as pessoas dos malefícios destas drogas", afirmou Rob Hessel, inspetor-chefe da polícia local de Staffordshire.

PUBLICIDADE

O pó de macaco existe noutros locais da Europa?

O pó de macaco não existe apenas no Reino Unido. Os mesmos tipos de estimulantes começaram a surgir em toda a Europa a partir de 2013.

"No ano passado, os Estados-Membros da UE comunicaram a apreensão de 30,5 toneladas de novas substâncias psicoativas, 87% das quais eram novas catinonas sintéticas", disse Michael Evans-Brown, gestor de projeto do Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência, ao Euronews Next.

No entanto, a regulamentação destas drogas é uma missão complexa, uma vez que "os componentes da droga são alterados frequentemente, o que os produtores fazem para contornar as proibições de substâncias específicas", disse Evans-Brown. Apesar de se pensar que o "pó de macaco" e outras drogas semelhantes são frequentemente importadas da China, está a surgir um novo mercado.  "Agumas estão agora a ser importadas da Índia", acrescentou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Droga: Colômbia garante à UE que faz a sua parte, mas precisa de mais apoio

Quase metade das mortes por cancro e 40% dos casos são causados por fatores evitáveis, segundo um novo estudo

Como evitar os PFAS: cinco objetos a evitar para minimizar a exposição aos "químicos eternos"