Médicos na UE: quais são os países com mais médicos e profissionais de saúde?

ARQUIVO - Um médico em formação segura o seu estetoscópio durante uma visita a um doente na ala C22 do Royal Blackburn Teaching Hospital, em Blackburn, Inglaterra,
ARQUIVO - Um médico em formação segura o seu estetoscópio durante uma visita a um doente na ala C22 do Royal Blackburn Teaching Hospital, em Blackburn, Inglaterra, Direitos de autor Hannah McKay/WPA Rota
De  Sudesh Baniya
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera que a Europa tem uma "bomba-relógio" a resolver no que diz respeito à escassez de profissionais de saúde.

PUBLICIDADE

A União Europeia tinha mais de 1,82 milhões de médicos em 2021 - mantendo um rácio médico-população estelar - entre uma ameaça iminente de crise dos profissionais de saúde.

De acordo com as últimas estatísticas divulgadas pelo Eurostat, o gabinete de estatísticas da União Europeia (UE), o continente tinha também uma média de 136 fisioterapeutas por cem mil habitantes.

A média é significativamente melhor em comparação com outras regiões do mundo, embora ainda existam grandes diferenças entre os 27 membros do bloco. Por exemplo, existem 234 por cem mil habitantes na Alemanha e apenas 12,7 na Roménia.

Estes números surgem no contexto de vários indicadores de uma escassez eminente de profissionais de saúde, especialmente nos países de leste da UE.

Um relatório publicado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em setembro de 2022 salientou o número de profissionais de saúde envelhecidos e classificou o aumento das doenças crónicas, que resultam numa maior procura de cuidados de saúde, como uma "bomba-relógio."

Em 13 dos 44 países incluídos no relatório, mais de 40% dos médicos tinham mais de 55 anos, o que representa uma ameaça para a sustentabilidade da mão-de-obra.

Apesar de os números serem relativamente estáveis, o relatório sugere que o recrutamento insuficiente e a falta de retenção podem agravar a situação num contexto de envelhecimento da mão-de-obra.

"Não podemos esperar mais tempo para enfrentar os desafios prementes que se colocam à nossa mão-de-obra no setor da saúde. A saúde e o bem-estar das nossas sociedades estão em jogo - simplesmente não há tempo a perder", afirmou em março Hans Kluge, Diretor Regional da OMS para a Europa.

Áustria tem o maior número de médicos no ativo

Entre os Estados-Membros da União Europeia, a Áustria tem 540 médicos em exercício por cada cem mil habitantes, o melhor rácio do bloco.

Os médicos em exercício são profissionais de saúde que prestam diretamente serviços aos doentes durante o período de contagem.

Embora a Alemanha represente mais de 20% do total de médicos da UE em termos absolutos, a sua população relativamente grande significa que o rácio não é superior ao dos países vizinhos.

Em contrapartida, França, a Bélgica e a Hungria registaram os rácios mais baixos, situando-se abaixo da marca dos 350 por cem mil habitantes.

Itália lidera o número de titulares de licenças - mas o que é que se passa?

Itália, em comparação com os outros Estados-Membros da UE cuja contagem foi incluída na última publicação, registou o maior número de médicos licenciados, seguida da Suécia e da Alemanha.

No entanto, este número não se traduz quando se trata dos "verdadeiros" profissionais de saúde em exercício.

Embora o número de profissionais de saúde registados aumente para mais de 700 por cada cem mil habitantes em Itália, uma mão-de-obra cada vez mais envelhecida e uma grande emigração de médicos deixam um vazio.

De acordo com um estudo publicado em 2020 na revista The Lancet, 54% dos médicos italianos tinham 55 anos ou mais e estavam próximos da reforma.

Cerca de mil médicos estavam também a deixar o país anualmente após a concessão das suas licenças.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sitzpinklers': Em que países europeus é que os homens se sentam para urinar?

Nova Esquerda avança com projetos de lei para legalizar aborto na Polónia

"Vape" de utilização única: Nova Zelândia, Austrália e Reino Unido reprimem o consumo