EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Quais são os europeus que vivem mais tempo?

ARQUIVO: Na foto de arquivo de 14 de maio de 2014, um casal de idosos sentado num banco de um parque em Gelsenkirchen, Alemanha.
ARQUIVO: Na foto de arquivo de 14 de maio de 2014, um casal de idosos sentado num banco de um parque em Gelsenkirchen, Alemanha. Direitos de autor Martin Meissner/AP
Direitos de autor Martin Meissner/AP
De  Sudesh Baniya
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A esperança de vida na UE deverá tornar-se uma questão política fundamental, uma vez que o continente se debate com o envelhecimento da população.

PUBLICIDADE

A esperança média de vida de um europeu à nascença é de 80,1 anos, de acordo com os dados de 2021. No entanto, é enganador aplicar este valor a todo o continente.

As últimas estatísticas publicadas esta semana pelo Eurostat, a base de dados oficial da UE, mostram a divisão entre as diferentes regiões da Europa continental, com a esperança média de vida a variar entre 69 e 85 anos.

Das 242 regiões NUTS 2 - o sistema de divisão do território económico da UE - Severozapazen, na Bulgária, tem uma esperança média de vida de 69,7 anos, enquanto a mais elevada se regista em Madrid, Espanha, com 85,4 anos.

O aumento do nível de vida, a melhoria do estilo de vida e da educação, bem como o maior acesso a serviços de saúde de qualidade, resultam em valores mais elevados, ao passo que os valores mais baixos indicam a ausência desses fatores.

As mulheres têm uma esperança de vida mais elevada em todas as regiões com dados disponíveis e, em geral, espera-se que as mulheres vivam mais 5,7 anos do que os homens na Europa.

A nível nacional, o Liechtenstein manteve a maior esperança de vida em 2021, com 84,4 anos. A esperança média de vida dos suíços à nascença era de 83,9 anos, seguindo-se os espanhóis com 83,3 anos e os finlandeses com 83,2 anos.

A esperança de vida na Europa aumentou a um ritmo relativamente consistente até 2019, com uma esperança de vida de 81,3 anos. Nos anos seguintes, registou-se um declínio recorde nos números, o que é frequentemente atribuído aos efeitos da pandemia da COVID-19.

Os números de 2021 representam uma nova diminuição em relação à esperança de vida de 2020, que foi de 80,4 anos.

Os especialistas acreditam que a queda acabará por desaparecer, devido à diminuição das taxas de mortalidade infantil e a um melhor acesso a fatores que aumentam o nível de vida.

Este facto também se reflete nas estatísticas nacionais, uma vez que os países com pontuações elevadas no Índice de Desenvolvimento Humano ocupam os primeiros lugares.

O que é que estes números nos dizem exatamente?

A esperança de vida à nascença é o número médio de anos que um recém-nascido pode viver, com base em vários fatores, incluindo o tempo, a região e as condições pré-existentes, de acordo com a Organização Mundial de Saúde.

O indicador tem em conta as taxas de mortalidade específicas por sexo e idade prevalecentes no momento do nascimento, para um ano específico, num determinado país, território ou área geográfica.

O indicador é fundamental para o desenvolvimento de políticas governamentais.

A França, por exemplo, está a enfrentar o desafio de uma população que vive mais tempo e a consequente pressão sobre o sistema de segurança social e o sistema de saúde.

Para enfrentar este desafio, o governo francês aprovou uma série de reformas no início deste ano, com o objetivo de aumentar a idade da reforma e incentivar os indivíduos a trabalharem mais tempo. A decisão provocou protestos em todo o país.

Mas a França não é a única a debater-se com o envelhecimento da população, e os franceses nem sequer são os que vivem mais tempo. Em toda a Europa, a esperança de vida tem vindo a aumentar há várias décadas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE: Migração entre as medidas propostas contra envelhecimento da população

Como evitar os PFAS: cinco objetos a evitar para minimizar a exposição aos "químicos eternos"

Agências da UE sugerem maior vigilância da gripe das aves