A utilização de hidroxicloroquina durante a pandemia de Covid pode ter provocado 17.000 mortes

Pandemia de COVID: a hidroxicloroquina pode ter provocado 17 000 mortes
Pandemia de COVID: a hidroxicloroquina pode ter provocado 17 000 mortes Direitos de autor Canva
De  Oceane Duboust
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O medicamento hidroxicloroquina foi prescrito sem receita médica durante a pandemia e foi particularmente elogiado por um proeminente investigador francês.

PUBLICIDADE

O medicamento anti-malária hidroxicloroquina pode ter provocado cerca de 17.000 mortes em seis países durante a primeira vaga da pandemia de covid-19.

Esta molécula foi apresentada durante a pandemia como uma cura milagrosa por uma minoria de profissionais de saúde, entre os quais o microbiologista francês Didier Raoult.

A convicção do cientista de que o medicamento era uma cura para a covid-19 foi rapidamente partilhada por alguns responsáveis políticos. O presidente francês, Emmanuel Macron, visitou nomeadamente as suas instalações e o presidente dos EUA, Donald Trump, recomendou o medicamento em 2020, afirmando que já o tinha tomado.

A utilização do medicamento gerou controvérsia, uma vez que muitos especialistas em saúde notaram a falta de investigação ou de provas científicas da sua eficácia contra a covid-19.

A Food and Drug Administration (FDA) dos EUA emitiu uma autorização de utilização de emergência da hidroxicloroquina (HCQ) em março de 2020, mas revogou-a em junho.

Verificou-se que o medicamento causava efeitos secundários graves, como anomalias do ritmo cardíaco.

Quase 17 000 mortes provocadas pela hidroxicloroquina

Um novo estudo publicado na revista Biomedicine & Pharmacotherapy calcula agora as consequências da utilização não autorizada do medicamento.

Os investigadores liderados por Jean-Christophe Lega, professor de Terapêutica no sistema hospitalar de Lyon, França, investigaram estudos realizados em França, Estados Unidos, Bélgica, Itália, Espanha e Turquia entre março de 2020 e julho de 2020.

"O uso de HCQ foi associado a um aumento de 11% na taxa de mortalidade em uma meta-análise de ensaios randomizados", observou o estudo, citando uma meta-análise publicada em 2021 na Nature que os pesquisadores usaram para calcular o número de mortes induzidas pelo medicamento.

O número estimado de mortes nos países europeus foi de cerca de 240 na Bélgica, 199 em França, 1822 em Itália e 1895 em Espanha.

"O que é preciso ter em conta é que se trata de uma estimativa aproximada, no sentido em que diz respeito apenas a alguns países durante um curto período de tempo, e que o número total de mortes é provavelmente muito mais elevado", disse Lega à emissora francesa France 3.

Os resultados devem ser tomados com cautela, uma vez que se trata de uma análise estatística. Uma limitação do estudo foi o facto de, em França, na Turquia e na Bélgica, em particular, os dados relativos à exposição ao medicamento serem escassos.

No entanto, os investigadores afirmam: "Este resultado defende uma regulamentação rigorosa do acesso a receitas não autorizadas durante futuras pandemias".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Vacinas contra COVID-19 salvaram pelo menos 1,4 milhões de vidas na Europa, segundo a OMS

Cientistas descobrem novos antibióticos utilizando a IA

Deputados alemães dão luz verde à legalização da canábis