"Sentia vergonha": Ex-pacientes de cancro falam sobre "reconstrução" de vida após a doença

Um doente com cancro no hospital.
Um doente com cancro no hospital. Direitos de autor Canva
De  Lauren Chadwick
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

À medida que os casos de cancro aumentam a nível mundial, prevendo-se um aumento de 23% na Europa nas próximas duas décadas, há quem diga que é fundamental prestar um melhor apoio emocional aos doentes.

PUBLICIDADE

Para Muriel Andruétan Piquant, regressar ao trabalho depois de um cancro foi extremamente isolante.

Depois de ter sido submetida a quimioterapia e radioterapia para um cancro do sangue em 2019, sentiu-se cansada e teve dificuldades em concentrar-se. Acompanhar uma simples conversa era uma provação.

"Senti uma espécie de vergonha e fui dura comigo mesma em relação ao meu trabalho. Estava um pouco deprimida e depois isolei-me porque não me sentia suficientemente bem no meu trabalho, o que tornava as coisas ainda mais difíceis", conta.

Passar por cancro e quimioterapia pode causar alterações cognitivas, incluindo problemas de memória, dificuldade de concentração, fadiga e confusão.

Muriel has started to help people to rebuild post-cancer.
Muriel has started to help people to rebuild post-cancer.Muriel Andruétan Piquant

Esta foi a terceira vez que o cancro afetou a vida de Andruétan Piquant, depois de ter visto o pai e a irmã mais nova lutarem contra a doença anos antes de ela própria também ter sido diagnosticada com cancro.

A ex-professora de 47 anos diz que teve acesso a terapia e grupos de apoio, mas ter alguém que a ajudasse a adaptar-se à vida após a doença poderia ter sido benéfico.

E não está sozinha: outras pessoas que passaram por uma experiência semelhante concordam que a prestação de mais cuidados emocionais aos doentes e às suas famílias, incluindo apoio após o tratamento, poderia ajudar as pessoas que tentam reconstruir-se após o cancro.

A recuperação de Andruétan Piquant inspirou-a a formar-se como life coach na esperança de ajudar as pessoas que tentam navegar na vida pós-cancro e, no futuro, a trabalhar com empresas para ajudar a integrar melhor os antigos doentes que regressam ao trabalho.

"É um cataclismo quando se tem cancro na vida. As cartas são baralhadas e muitas coisas são postas em causa", afirma.

"Há uma tempestade nas nossas cabeças e, como resultado, é muito, muito difícil saber em quem nos tornámos e porque mudámos muito".

'Efeitos secundários invisíveis'

No Reino Unido, a instituição de caridade escocesa Maggie's foi fundada para proporcionar um local de apoio e conforto aos doentes com cancro e às suas famílias.

A fundadora Maggie Keswick Jencks foi diagnosticada pela primeira vez com cancro da mama em 1988, tendo o cancro regressado cinco anos mais tarde. Pouco antes da morte de Maggie, ela e a sua enfermeira de oncologia, Laura Lee, decidiram criar um centro para ajudar os doentes a sentirem-se mais em controlo do processo.

"O hospital não oferece muitas vezes o espaço necessário para explorar e apoiar o que pode ser um diagnóstico avassalador. O cancro é um diagnóstico que põe a vida em risco e o tratamento é extenuante", afirmou Dame Laura Lee, que é agora diretora executiva da Maggie's.

"Cada vez mais pessoas têm a possibilidade de obter um resultado curativo como resultado do tratamento, mas muitas vezes podem ficar com impactos permanentes a longo prazo".

A instituição de caridade tem atualmente 26 centros no Reino Unido e três a nível internacional, incluindo em Barcelona, com planos para abrir centros nos Países Baixos e na Noruega.

Britain's Queen Camilla, centre, listens to volunteers and visitors at the new Maggie's Centre, at the Royal Free Hospital, in London, January 31, 2024.
Britain's Queen Camilla, centre, listens to volunteers and visitors at the new Maggie's Centre, at the Royal Free Hospital, in London, January 31, 2024.Paul Grover/Pool Photo via AP

Lee afirma que, à medida que as pessoas vivem mais tempo com os avanços no tratamento, há também o desafio de viver com a incerteza sobre se o tratamento vai funcionar, o que pode causar uma crise existencial.

Uma iniciativa lançada no Fórum Económico Mundial em Davos, em 2023, fez com que as empresas se comprometessem a proporcionar um melhor clima para as pessoas com cancro no trabalho, tendo um estudo concluído que 50% das pessoas com cancro tinham medo de contar aos seus empregadores.

A dificuldade pode residir no facto de os empregadores e os colegas "não verem os efeitos secundários invisíveis do tratamento do cancro", afirmou Lee.

PUBLICIDADE

A Maggie's oferece tudo, desde workshops criativos a cursos sobre como lidar com a ansiedade e o stress. Trata-se de um esforço que, segundo Lee, se tornará ainda mais importante à medida que os casos de cancro aumentam a nível mundial.

Novas estimativas divulgadas esta semana pela Agência Internacional de Investigação sobre o Cancro (IARC) revelaram que os casos de cancro aumentarão mais de 20% na Europa nas próximas duas décadas, enquanto as mortes aumentarão mais de 30%.

"Tive de procurar ajuda no exterior

Catherine Schopfer já era life and business coach quando lhe foi diagnosticado um cancro da mama em 2012. O diagnóstico surgiu numa altura em que se verificava uma confluência de dificuldades na sua vida, incluindo a morte de ambos os pais devido ao cancro.

Catherine has become a life coach for patients.
Catherine has become a life coach for patients.Catherine Schopfer

Receber um diagnóstico de cancro é como se "uma bomba tivesse explodido na nossa vida", disse Schopfer.

Depois da sua mastectomia, "sabia que tinha de encontrar ajuda no exterior. Que era demasiado grande para mim", acrescentou, explicando que tentou todos os tipos de terapia e aulas de redução do stress.

PUBLICIDADE

Foi só mais tarde, quando teve duas clientes que a procuraram para receber orientação sobre a vida, pois estavam a passar por um cancro da mama, que se apercebeu de que, como alguém que já tinha tido cancro, podia dar uma visão aos doentes.

Atualmente, acompanha diariamente as pessoas durante os tratamentos e a remissão do cancro, mas também ajuda os familiares que podem sofrer de stress emocional ao serem colocados na posição de prestadores de cuidados.

Schopfer trabalha atualmente a título privado, mas está em contacto com uma instituição de solidariedade social e com médicos perto do local onde vive, na Suíça, para proporcionar um melhor acesso a este tipo de apoio, acrescentando que as pessoas que se curam do cancro precisam de uma "abordagem holística".

Necessidade de mais apoio emocional

Os cuidados oncológicos já melhoraram, com Andruétan Piquant a explicar que teve mais acesso a apoio emocional do que o seu pai, a quem foi diagnosticado cancro em 2001, e do que a sua irmã, a quem foi diagnosticado cancro em 2006.

Mas, apesar de ter um psicólogo e acesso a aulas, sentia-se perdida quando se tratava de reconstruir a sua vida. Ter alguém disponível para a ajudar a "reinventar-se" poderia ter sido benéfico, afirmou.

PUBLICIDADE

Para Lee, há um reconhecimento crescente do valor de prestar apoio aos doentes com cancro para além da terapia.

A Maggie's presta este apoio gratuitamente, dando também aconselhamento financeiro às pessoas sobre a forma de requererem subsídios e lidarem com a possibilidade de deixarem de trabalhar.

A União Internacional para o Controlo do Cancro (UICC) destacou as desigualdades nos cuidados oncológicos num relatório publicado na semana passada, instando os governos a comprometerem-se a melhorar os cuidados para todos no Dia Mundial do Cancro, a 4 de fevereiro.

Um dos seus apelos é a inclusão dos serviços oncológicos na cobertura dos cuidados de saúde e a promoção de cuidados centrados no doente para responder às necessidades específicas das pessoas

No Reino Unido, à medida que o financiamento é canalizado para o diagnóstico, não é dada ênfase suficiente à "prestação de cuidados, à prestação de cuidados às pessoas que passam pelo sistema, mas que depois ficam com alguns dos desafios que o tratamento trouxe", afirmou Lee.

PUBLICIDADE

"É o desafio do financiamento e também é necessária uma mudança no sentido de o hospital de agudos ser apenas um momento na vida de uma pessoa com cancro. É preciso que haja outras coisas que ajudem a melhorar os bons resultados para as pessoas", afirmou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

OMS prevê que os casos de cancro aumentem mais de 20% na Europa até 2045

"Janeiro seco": Em que países se bebe cada vez mais álcool na Europa?

As noites mal dormidas podem minar a alegria e aumentar o risco de ansiedade