EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Ensaio clínico com novo medicamento indica cura em 100% de doentes oncológicos

O cancro rectal desaparece em doentes tratados com um novo medicamento num ensaio clínico promissor
O cancro rectal desaparece em doentes tratados com um novo medicamento num ensaio clínico promissor Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Oceane Duboust
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Um estudo demonstrou uma taxa de resposta positiva de 100% de 42 doentes com um tipo específico de cancro do reto.

PUBLICIDADE

Um estudo do Memorial Sloan Kettering Cancer Center (MSK), sediado nos EUA, e a empresa farmacêutica GSK, revelou uma taxa de 100 % de sucesso no tratamento de doentes com cancro no reto que participaram no ensaio clínico.

O estudo analisou um novo medicamento chamado dostarlimab-gxly para tratar doentes com um tipo específico de cancro do reto, causado por uma mutação genética.

"Como médica, vi em primeira mão o impacto debilitante do tratamento padrão do cancro do reto dMMR e estou entusiasmada com o potencial do dostarlimab-gxly nestes doentes", afirmou Andrea Cercek, chefe da secção de cancro colorrectal da MSK e investigadora principal do estudo, no comunicado.

MMRd, em inglês "mismatch repair deficient", é um tipo de cancro em que as células têm um sistema de reparação do ADN disfuncional. Estes casos representam cerca de 5% dos cancros do reto.

O tratamento atual para este tipo de cancro é a radioterapia, a quimioterapia, a cirurgia ou uma combinação destes tratamentos.

De acordo com a Clélia Coutzac, médica oncologista que não participou no estudo, os tratamentos têm muitas vezes um forte impacto na qualidade de vida do doente, principalmente, aqueles que têm perturbações intestinais, incontinência intestinal ou disfunções sexuais.

Como é que o dostarlimab funciona?

"Uma vez que os dMMR são tumores hipermutados, são muito visíveis para o sistema imunitário, que inicialmente vê as células cancerígenas como estranhas e vai matá-las. Contudo, com o passar do tempo e a evolução do cancro, o sistema imunitário deixa de funcionar", explicou Coutzac à Euronews Health.

"O que funciona muito bem nestes tumores é reativar o sistema imunitário com imunoterapia e, neste caso, com o dostarlimab da GSK, um medicamento que orienta os linfócitos para reconhecerem novamente as células cancerígenas como nocivas e matá-las", acrescentou a responsável.

Os doentes que seguiram os tratamentos, durante seis meses, apresentaram uma resposta clínica completa, sem "qualquer indício de tumor", detetado por ressonância magnética, endoscopia ou exame digital durante o acompanhamento, segundo o comunicado da GSK.

Clélia Coutzac descreveu os resultados como "espantosos".

Mais investigação em curso

Apesar destes resultados "espantoso", antes de o dostarlimab chegar ao mercado é necessária mais investigação.

Um estudo global denominado Azur-1 foi concebido para testar a eficácia do dostarlimab-gxly quando utilizado isoladamente, em vez de quimioterapia, radiação ou cirurgia, e para confirmar os resultados do MSK.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Combater o cancro com nanopartículas: novos avanços para a ciência

Um medicamento que faz os dentes crescerem de novo: cientistas aproximam-se dos ensaios clínicos

Como evitar os PFAS: cinco objetos a evitar para minimizar a exposição aos "químicos eternos"