EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

CEO da Easyjet avisa França por causa das greves

CEO da Easyjet, Johan Lundgren
CEO da Easyjet, Johan Lundgren Direitos de autor PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP
Direitos de autor PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP
De  euronews com AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O CEO da companhia aérea de baixo custo EasyJet disse que França precisa enfrentar as greves antes que os turistas “vão para outro lugar”.

PUBLICIDADE

O CEO da companhia aérea de baixo custo EasyJet disse que França precisa enfrentar as greves antes que os turistas “vão para outro lugar”.

“O movimento social teve consequências para 10 milhões de viajantes, 64 mil pessoas tiveram os seus voos cancelados por dia de greve. Isso é inaceitável”, disse Johan Lundgren à AFP, em entrevista no aeroporto de Orly, em Paris.

Juntamente com outros países europeus, o setor de viagens em França tem sido atingido por greves relacionadas com a reforma das pensões. Os trabalhadores das companhias aéreas e os controladores de tráfego aéreo aderiram à ação coletiva para se opor ao aumento da idade de reforma, o que tem causado atrasos e transtornos para os passageiros.

Nalguns aeroportos, a autoridade de aviação civil francesa aconselhou as companhias aéreas a cancelarem até 30% dos voos em dias de greve.

“Não contestamos o direito das pessoas à greve, mas as consequências devem ser proporcionais e os voos sobre o território francês devem ser protegidos”, diz Lundgren.

O CEO revelou que a EasyJet escreveu ao ministro dos Transportes e ao regulador da aviação francês pedindo que o “nível mínimo de serviços” imposto durante as greves seja aumentado.

“Se um país desenvolver uma má reputação por causa de greves, isso afetará a procura em termos de viagens. As pessoas irão para outro lugar”, acrescenta Lundgren.

“Por que devo ir para a França se acho que posso ser exposto a uma greve?”

O caos nas viagens vai continuar este verão?

De 2014 a 2019, a França foi um dos destinos turísticos mais visitados do mundo. Em 2019, o país atraiu 88,1 milhões de visitantes, segundo a GlobalData. Também houve greves durante este período, incluindo os protestos dos “coletes amarelos” e ações anteriores por causa das pensões.

A Espanha reivindicou o primeiro lugar para visitantes em 2021, mas França está a caminho de ultrapassá-la uma vez mais, com 66,6 milhões de visitantes internacionais em 2022.

Mas a recuperação do turismo neste verão depende de a indústria da aviação poder resolver os problemas que enfrentou no ano passado.

Neste verão, Lundgren acredita que o controlo do tráfego aéreo europeu é o elo mais fraco. As companhias aéreas uniram-se para pedir que a UE reforme os regulamentos do espaço aéreo e crie um 'céu único europeu' que possa remover as fronteiras no céu.

O número de funcionários aumentou na maioria dos aeroportos que sofreram no ano passado, acrescenta Lundgren, com exceção do Aeroporto de Amesterdão-Schiphol, estão numa posição muito mais forte.

“Portanto, espero que o verão seja melhor para os clientes.”

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tailândia: consumo de canábis continua a ser legal?

Se a greve for para a frente, os aeroportos de Paris poderão ficar num caos antes dos Jogos Olímpicos

Temperaturas amenas em vez de calor infernal: a Suécia está a tornar-se destino de férias de verão