Poluição e turismo massivo estão a levar algumas cidades a proibir navios de cruzeiro

Navios de cruzeiro foram impedidos de atracar no centro histórico de Veneza
Navios de cruzeiro foram impedidos de atracar no centro histórico de Veneza Direitos de autor AP Photo/Luca Bruno
De  Rosie Frost
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

À medida que a indústria de cruzeiros se recupera das consequências devastadoras da COVID-19, muitos portos onde esses navios ancoram estão a reavaliar a sua presença. Alguns até esperam bani-los completamente, citando preocupações ambientais, sociais e económicas.

PUBLICIDADE

Aproximadamente 4,8 milhões de pessoas fazem um cruzeiro todos os anos.

Antes da pandemia, esse número era ainda maior, com cerca de 30 milhões de passageiros.

Mas, à medida que a indústria de cruzeiros se recupera das consequências devastadoras da COVID-19, muitos portos onde esses navios ancoram estão a reavaliar a sua presença. Alguns até esperam bani-los completamente, citando preocupações ambientais, sociais e económicas.

O que está a acontecer na indústria de cruzeiros e por que é que alguns destinos estão a despedir-se destes gigantescos hotéis flutuantes?

Cidades europeias estão a limitar passageiros de cruzeiros para conter o excesso de turismo

Durante a pandemia, as cidades europeias que lutam contra o excesso de turismo experimentaram como seria a vida sem cruzeiros. Para algumas, desencadeou tentativas de proibir ou limitar o número de navios que fazem escala nesses portos.

Em 2021, Veneza impediu que grandes navios de cruzeiro ancorassem no seu centro histórico. Esta foi uma das condições impostas pela UNESCO para evitar que fosse retirada da lista de cidades consideradas como Património Mundial da Humanidade.

Argumentam que os grandes navios poluem e provocam erosão nas fundações da cidade afetada por inundações regulares. A proibição significa que grandes navios de cruzeiro e navios porta-contentores não podem mais entrar no canal da Giudecca de Veneza, que leva à famosa Praça de São Marcos.

Houve tentativas de travar os grandes navios antes com a legislação prévia entretanto anulada. Mas a pressão aumentou quando, em 2019, um navio de cruzeiro perdeu o controlo à chegada a Veneza e embateu numa doca e num barco turístico, ferindo cinco pessoas.

E quando foi anunciada a proibição em 2021, até as empresas de cruzeiros concordaram. Em reação ao anúncio, a Associação Internacional de Linhas de Cruzeiro (CLIA) disse que “apoiava uma nova abordagem por muitos anos”, considerando-a de “grande passo em frente”.

Luca Bruno/Copyright 2019 The AP. All rights reserved
Um navio de cruzeiro a passar pela Praça de São MarcosLuca Bruno/Copyright 2019 The AP. All rights reserved

Outros poderão em breve seguir o exemplo. Ada Colau, a presidente da Câmara Municipal de Barcelona, disse recentemente que limitaria o número de turistas de cruzeiros na cidade se fosse reeleita em maio. As novas medidas podem reduzir para metade o número de desembarques, que podem chegar a 200 mil por mês na época alta.

“Quarenta por cento dos navios de cruzeiro param durante quatro horas. Não há retorno económico para a cidade, e milhares de pessoas desembarcam, criam grandes problemas de mobilidade e vão embora. É uma indústria que temos que limitar”, disse Colau ao The Times em fevereiro.

A poluição também é uma preocupação em Barcelona, classificada como o pior porto de cruzeiros em termos de poluição do ar na Europa, num estudo realizado pela Transport & Environment no ano passado.

O presidente da Câmara Municipal de Marselha, o maior porto de cruzeiros de França, também se manifestou contra o setor, alegando que está “a sufocar” a cidade com a poluição do ar. Amesterdão, Santorini e Dubrovnik também endureceram as restrições às empresas de cruzeiros.

Uma revelação pós-pandemia sobre os navios de cruzeiro

Este não é um fenómeno limitado à Europa. Portos de todo o mundo estão a decidir que não querem que as coisas voltem a ser como eram antes da pandemia.

A baía de Monterey, na Califórnia, costumava receber cerca de sete a 12 cruzeiros por ano e este ano vários operadores estavam programados para a visitar mais uma vez, mas em fevereiro, a cidade enviou um sinal claro às companhias de cruzeiros de que não deseja que elas retornem.

O conselho municipal não tem o poder de proibir os navios de cruzeiro. Em vez disso, Monterey removeu os serviços de desembarque de passageiros, o que significa que os operadores de cruzeiros teriam que contratar funcionários para atender os passageiros no cais da cidade.

“Espero que esta medida dê um sinal à indústria de navios de cruzeiro que eles não são mais bem-vindos na nossa cidade”, escreveu o administrador da cidade de Monterey, Hans Uslar, num relatório ao conselho.

A preocupação? Evitar “descargas acidentais na nossa imaculada Baía de Monterey”. O conselho municipal espera proteger o ambiente costeiro da área - apenas uma seção dos mais de 9.000 quilómetros quadrados do Santuário Marinho Nacional da Baía de Monterey.

PUBLICIDADE
Canva
Habitantes de cidades portuárias estão preocupados com estes enormes navios de cruzeiroCanva

Em novembro, Bar Harbor, no estado norte-americano do Maine, também decidiu impor limites rígidos ao número de turistas que podem desembarcar de navios.

A partir de 2024, apenas mil passageiros e tripulantes por dia poderão fazer uma vista. O número médio de passageiros por cruzeiro é atualmente de cerca de três mil pessoas, o que significa que este é um duro golpe para os operadores que desejam atracar na cidade.

Os limites surgiram depois de a população local ter feito uma petição para restringir o número de turistas, dizendo que estavam a ser “invadidos” pelo tráfego de cruzeiros. Não é um desenvolvimento surpreendente: um estudo de 2021 constatou que a maioria dos residentes de Bar Harbour estava insatisfeita com estes enormes navios.

Mais de 50% dos entrevistados disseram que o turismo de cruzeiros era mais negativo do que positivo para Bar Harbour. A qualidade de vida caiu 53% devido à indústria.

Os navios de cruzeiro trazem dinheiro aos sítios onde atracam?

Um dos maiores argumentos que os defensores dos cruzeiros utilizam para a sua manutenção é a sua contribuição para a economia local. Mas os hóspedes destes navios gigantes realmente gastam dinheiro nas cidades em que atracam?

PUBLICIDADE

Vários estudos mostraram que os passageiros que desembarcam de navios não contribuem tanto para a economia local como se imagina. Com comida, bebidas e souvenirs disponíveis a bordo, o dinheiro fica no mar.

Talvez não seja surpreendente saber que o maior navio de cruzeiro do mundo, o Wonder of the Seas, tem 20 restaurantes impressionantes, um teatro com 1.400 lugares e lojas que vendem de tudo, desde relógios finos até moda de alta costura. Dependendo do pacote que o passageiro escolher, alimentação e bebidas geralmente estão incluídas e as compras são isentas de impostos e taxas.

Um estudo feito em Bergen, Noruega - uma paragem popular para cruzeiros pelos fiordes - descobriu que até 40% das pessoas nunca deixaram o navio. Para os que desembarcaram, o gasto médio foi inferior a 23 euros.

Brian Witte/AP
Estudos sobre Bergen, na Noruega, mostram que os passageiros gastam menos do que se pode pensar nos portosBrian Witte/AP

Mais estudos sobre a cidade norueguesa feitos em 2013 descobriram que a duração da estadia foi provavelmente um dos fatores que mais pesaram no valor que os passageiros gastam. A permanência média no porto dura cerca de oito horas, mas isso pode variar muito dependendo do itinerário do navio. Para alguns - como Barcelona - pode levar apenas quatro horas.

E os gastos permanecem baixos mesmo quando os passageiros têm mais oportunidades para gastar o seu dinheiro.

PUBLICIDADE

A indústria de cruzeiros argumenta que a contribuição média de um passageiro para a economia local é muito maior do que a estimativa de Bergen, cerca de US$ 100 (€ 91) por dia.

Uma forma de colmatar o fosso seria aumentar a taxa de passageiros cobrada nos portos, que atualmente ronda os 4€ a 14€ por pessoa.

A indústria de cruzeiros diz que está a tomar medidas para melhorar o seu impacto ambiental e social.

As linhas de cruzeiros foram das primeiras no setor marítimo a comprometerem-se a reduzir as emissões de carbono em 40% até 2030, de acordo com o CLIA. Alguns até se comprometeram para atingir emissões zero até 2050.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

França: Turismo ameaça natureza e locais históricos

Voo cancelado? Os direitos dos consumidores da UE e do Reino Unido

O que é o "passaporte de talentos" francês?