EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Quer melhorar a sua qualidade de vida em 2023? Eis os melhores países para expatriados na Europa

Ao inquirir mais de 12.000 expatriados, a organização elaborou uma classificação de 53 países em todo o mundo.
Ao inquirir mais de 12.000 expatriados, a organização elaborou uma classificação de 53 países em todo o mundo. Direitos de autor Sam Williams
Direitos de autor Sam Williams
De  Rebecca Ann Hughes
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Um inquérito a mais de 12 000 expatriados revela os melhores locais para viver na Europa se procura um bom equilíbrio entre vida profissional e pessoal.

PUBLICIDADE

Está a pensar em mudar-se para outro país da Europa mas não sabe qual é o melhor para si? Este inquérito pode ajudar.

Com o trabalho remoto a manter-se popular e dezenas de países a lançar vistos específicos para "nómadas digitais", mudar para o estrangeiro nunca foi tão fácil.

Mas é importante escolher um país que ofereça o melhor para a sua carreira e se adapte ao seu estilo de vida.

Todos os anos, a InterNations - uma comunidade global para pessoas que vivem e trabalham no estrangeiro - realiza um inquérito Expat Insider.

Ao inquirir mais de 12.000 expatriados, a organização elaborou um ranking de 53 países.

Eis os melhores (e piores) países europeus para os expatriados neste momento, de acordo com as suas conclusões.

Quais são os melhores países europeus para viver atualmente?

O relatório Expat Insider 2023 analisou 53 destinos de expatriados em todo o mundo e classificou-os de acordo com a qualidade de vida.

O inquérito pediu aos expatriados que avaliassem a facilidade de se instalarem, de trabalharem no estrangeiro e as atividades de lazer no país onde viviam.

A classificação inclui também um índice Expat Essentials, que analisa os serviços digitais, a burocracia, a habitação e a língua.

Este ano, dois países europeus ficaram entre os dez primeiros.

Os expatriados que escolhem Espanha sentem-se felizes e em casa

Espanha foi eleito o melhor país da Europa e o segundo do mundo para os expatriados em 2023.

Desde o primeiro inquérito InterNations, em 2014, a Espanha tem estado sempre entre os dez primeiros em termos de qualidade de vida.

O país tem figurado constantemente entre os melhores do mundo pelas suas opções de lazer e, este ano, conquistou o primeiro lugar.

A maioria dos expatriados (88%) diz sentir-se feliz com a cultura e a vida noturna em Espanha, em comparação com 68% a nível mundial.

Além disso, mais de nove em cada dez apreciam as oportunidades de praticar desportos recreativos.

O clima e o tempo em Espanha ocupam o terceiro lugar a nível mundial, o que também facilita aos expatriados a saída e a prática de atividades de lazer.

O país não tem um desempenho tão bom quando se trata de trabalhar no estrangeiro. Menos de metade dos expatriados inquiridos afirmaram que a mudança para Espanha melhorou as suas perspetivas de carreira e 36% estão insatisfeitos com o mercado de trabalho local.

No entanto, quase três quartos dos expatriados mostraram-se satisfeitos com o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal.

PUBLICIDADE

Portugal oferece aos expatriados uma excelente qualidade de vida, mas poucas oportunidades de emprego

Portugal ocupa o décimo lugar - o único outro país europeu incluído no top ten para 2023.

A facilidade de instalação é um dos principais destaques para os expatriados em Portugal. Mais de três quartos sentem-se em casa e mais de 80 por cento sentem-se bem-vindos.

A maioria dos inquiridos refere ainda que a população é, em geral, simpática com os estrangeiros residentes.

Em termos de qualidade de vida, Portugal ocupa o 7º lugar a nível mundial. Algumas das vantagens do país incluem o clima, o tempo e a qualidade do ar.

O país tem um desempenho muito pior no que diz respeito à burocracia local, com mais de metade dos expatriados a considerarem difícil lidar com ela.

PUBLICIDADE

Um em cada quatro afirma estar insatisfeito com a disponibilidade de serviços públicos online, em comparação com 21% a nível mundial.

Portugal escapa por pouco à lista dos dez piores países para trabalhar no estrangeiro. O país tem o pior desempenho na subcategoria "perspetivas de carreira", onde ocupa o 49º lugar num total de 53.

Os expatriados votam em 45º lugar no que respeita às oportunidades de carreira locais e mais de um em cada três está insatisfeito com o mercado de trabalho.

No entanto, embora o país esteja mal classificado no que se refere a uma remuneração justa no trabalho (42.º), 78% dos expatriados concordam que o rendimento do seu agregado familiar é suficiente ou mais do que suficiente para ter uma vida confortável.

Os expatriados debatem-se com a qualidade de vida em Malta

No que se refere aos 10 últimos lugares, Malta ocupa o 46º lugar entre 53 países.

PUBLICIDADE

Um dos maiores problemas para os expatriados é a qualidade de vida, com 32% insatisfeitos com as oportunidades de praticar desportos recreativos, em comparação com 10% a nível mundial.

Mais de 60% expressaram a sua frustração relativamente às infraestruturas do país para automóveis, contra apenas 13% a nível mundial.

Outro ponto fraco é o ambiente e o clima de Malta. O país ocupa o penúltimo lugar no que respeita ao ambiente natural e urbano.

Calin Stan
Quase metade dos expatriados acham fácil fazer amigos locais em Malta, que é mais do que a média globallCalin Stan

Os resultados do índice de trabalho no estrangeiro não são muito melhores - 24% não se sentem bem remunerados e 17% não veem qualquer objetivo no seu trabalho.

Por outro lado, mais de metade dos expatriados sentem-se satisfeitos com a sua situação financeira, o que corresponde à média mundial.

PUBLICIDADE

Malta tem um desempenho ligeiramente melhor no que se refere à instalação, ocupando o 26º lugar a nível mundial.

Quase metade dos expatriados considera fácil fazer amigos locais, o que é mais do que a média mundial, e 64% sentem-se em casa.

Na Turquia os expatriados queixam-se dos longos horários de trabalho e da baixa satisfação profissional

A Turquia ocupa o 51º lugar na classificação geral e o último lugar a nível mundial no que se refere ao índice de trabalho no estrangeiro.

Quase um terço dos expatriados não está satisfeito com o seu horário de trabalho, o que corresponde ao dobro da média mundial. Os expatriados não se sentem muito melhor em relação à segurança do seu emprego ou às suas oportunidades de carreira.

O país está entre os 10 últimos no que se refere ao índice de bens essenciais para expatriados, com 16% a classificar negativamente os serviços online e 15% a considerar difícil ter acesso a internet de alta velocidade em casa.

PUBLICIDADE

Em termos de qualidade de vida, a Turquia ocupa o penúltimo lugar no que respeita à segurança e proteção.

Menos de metade dos expatriados estão satisfeitos com a sua situação financeira, em comparação com 58% a nível mundial, e 44% estão satisfeitos com o custo de vida em geral.

O país tem o melhor desempenho no índice de facilidade de instalação, com 45% a considerarem que é fácil fazer amigos locais, um pouco mais do que a média global.

No entanto, de um modo geral, 60% dos expatriados estão satisfeitos com a sua vida na Turquia, em comparação com 72% a nível mundial.

A Noruega é pouco amigável e cara para os expatriados

A Noruega foi eleita o pior país da Europa para os expatriados e ocupa o 52º lugar a nível mundial.

PUBLICIDADE

Mais de três em cada cinco expatriados avaliam negativamente o custo de vida local, em comparação com 35% a nível mundial. E 37% afirmam que o rendimento disponível do agregado familiar não é suficiente para uma vida confortável.

A Noruega também não tem um bom desempenho no índice de facilidade de instalação e cerca de um terço dos expatriados descreve os habitantes locais como pouco amigáveis com os residentes estrangeiros, em comparação com 18% a nível mundial.

Os expatriados também têm dificuldade em fazer amigos locais e estão insatisfeitos com a sua vida social. Globalmente, 37% não se sentem em casa na Noruega, contra 20% a nível mundial.

A Noruega também está mal classificada no índice de qualidade de vida. Isto deve-se principalmente ao facto de os expatriados não estarem satisfeitos com a acessibilidade dos transportes públicos e com as oportunidades de viajar.

O país nórdico também ocupa o último lugar a nível mundial no que respeita à variedade culinária e às opções de restauração.

PUBLICIDADE

No lado positivo, os expatriados na Noruega valorizam a estabilidade política, a elevada qualidade do ar e o ambiente natural.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Extremamente interessante": Arqueólogos descobrem edifício de pedra misterioso no local do novo aeroporto de Creta

Acrópole de Atenas encerrada devido à vaga de calor que assola a Grécia: O que os viajantes precisam de saber

Alemanha, Itália e Reino Unido: quais os países europeus que mais gastaram em turismo no ano passado?