Uma viagem pela lendária hospitalidade georgiana

Uma viagem pela lendária hospitalidade georgiana
Direitos de autor euronews
De  Naomi Lloydeuronews
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A região de Adjara, na Geórgia é um ponto de encontro entre a Europa a Ásia, num país reconhecido pela sua hospitalidade.

PUBLICIDADE

Os georgianos são conhecidos por serem um povo hospitaleiro, que gosta de receber bem os visitantes. "A Geórgia tem uma história muito rica, de que as pessoas se orgulham. As pessoas são muito calorosas, muito viradas para a família e muito hospitaleiras. Há um ditado na Geórgia que diz: um convidado é uma dádiva de Deus", contou Mike Garforth, cidadão britânico que vive na Geórgia há vinte anos. 

A região de Adjara é conhecida pelos seus espaços naturais muito diversos. É possível encontrar árvores de bambu devido ao clima subtropical. Em apenas dez minutos, o visitante chega às montanhas e às florestas tropicais. Além, a região fica perto das praias do Mar Negro.

euronews
O Supra, banquete tradicional da Geórgia, pode durar horas.euronews

Florestas milenares, montanhas e praias

O parque nacional de Mtirala faz parte do património mundial da Unesco. "As florestas daqui sobreviveram às eras glaciais. O resto da Europa ficou coberto por centenas de metros de gelo e todas as florestas foram destruídas. Toda a vida selvagem foi destruída. Aqui, na Geórgia, tudo sobreviveu. E aqui há espécies, a que chamamos espécies endémicas, que não se encontram em mais lado nenhum", disse à euronews Mike Garforth, especialista em silvicultura.

Rituais ancestrais

A euronews assistiu a um Supra, um banquete tradicional da Geórgia. Uma festa que pode durar horas. Em cada festa, há um anfitrião denominado Tamada. Um mestre das cerimónias que liderar o Supra, com uma série de brindes, muitas vezes poéticos e filosóficos, mas sempre sinceros.

Para começar, os convidados são recebidos ao som dos cânticos polifónicos tradicionais da Geórgia. A técnica de canto georgiana combina muitas vozes, cada uma com a sua própria melodia. Uma arte reconhecida pela UNESCO como património imaterial da humanidade.

E há ainda o ritual de abertura do Qvevri, um jarro de barro usado para armazenar e envelhecer o vinho. "Estamos a observar a tradição vinícola da Geórgia, que remonta a oito mil anos e é reconhecida pela Unesco. O tipo de uva é o Rkatsiteli, vinho georgiano branco e seco", explicou Mikheil Koplatadze.

euronews
Os cantos polifónicos da Geórgiaeuronews

A cozinha de Ajara

A cozinha Ajariana é conhecida pelos sabores típicos e pela variedade de pratos. O mais famoso, o khachapuri, feito em forma de barco, é um pão recheado com queijo.

euronews
Batumi, a segunda maior cidade da Geórgiaeuronews

Batumi, a segunda maior cidade da Geórgia

Durante o século XIX, Batumi tornou-se num porto de importância internacional no Mar Negro. Nos últimos dez a quinze anos, a cidade foi transformada com a construção de edifícios modernos e uma arquitetura futurista.

"A linha do horizonte de Batumi está a mudar muito rapidamente e, ao mesmo tempo, está associada à natureza e a toda a autenticidade da cidade e ao seu encanto. É algo que atrai todos os tipos de viajantes. Vamos desenvolver projetos bastante ambiciosos”, afirmou Tornike Rizhvadze, presidente do governo de Adjara.

Os novos projetos incluem a construção do primeiro World Trade Center da região e uma ilha artificial em forma de palmeira.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Polifonia e memória centrais no Festival Europalia Geórgia

Geórgia: Um brinde a Kakheti

Tbilisi: uma cidade acolhedora