Última hora
This content is not available in your region

Investigação avalia qualidade do peixe consumido pelos europeus

Investigação avalia qualidade do peixe consumido pelos europeus
Tamanho do texto Aa Aa

Em Dalvik, no norte da Islândia, descarrega-se bacalhau, capturado três dias antes, bem acima do Círculo Polar Ártico.

“O tempo estava horrível lá em cima: tempestuoso! E o vento era de sudoeste, o pior para a pesca do bacalhau. Mas conseguimos capturar 40 toneladas de bacalhau”, conta o pescador I. Gudmundsson.

Neste porto, há homens do mar, mas também cientistas que efectuam uma experiência para um projecto da União Europeia. Querem avaliar, em tempo real, a frescura dos bacalhaus durante a viagem de 2 700 quilómetros que os vai levar até aos consumidores.

“Qualquer subida abusiva de temperatura vai reduzir o tempo que o peixe vai estar no mercado. O peixe fresco deve proporcionar um máximo de frescura e qualidade ao consumidor. E para o alcançar, há que controlar cada etapa da cadeia de transporte. Se há uma fase sobre a qual não se sabe nada e em que houve um abuso de temperatura, isso pode afectar a qualidade do peixe e, possivelmente, a segurança do produto”, explica Sigurdur Bogason, cientista da Universidade da Islândia.

Antes de serem transportados, os bacalhaus são cortados em filetes e refrigerados. Cerca de três toneladas por dia.

O investigador italiano Luca Zanella instala sensores de temperatura no interior e exterior das caixas, que estão ligados a redes móveis.

“Este biosensor envia informação acerca da temperatura dentro e fora da caixa de peixe e a hora em que foi medida. Pode medir a temperatura minuto a minuto, a cada dez minutos ou a cada hora. Depois, envia os dados para um sistema central através de uma rede móvel”, diz Luca Zanella.

O bacalhau é transportado em camiões e ferries, mais lentos, mas também mais baratos do que os aviões.

A temperatura do peixe não deve exceder os 4°C ou começa a deteriorar-se. Com antenas e GPS instalados, a medição da temperatura, em tempo real, pode começar.

“A temperatura é baixa dentro do camião. O peixe também está a uma temperatura baixa. Portanto, o sistema está a dizer-nos que até agora está tudo bem”, assegura o engenheiro Tomas Haflidason da Universidade da Islândia.

Entretanto, amostras dos bacalhaus foram enviadas para um laboratório em Reiquiavique. O bacalhau é cozinhado e, depois, provado por voluntários. Em conjunto com análises microbiológicas, estes testes de degustação ajudam a perceber como é que o peixe se deteriora com o passar do tempo.

A engenheira química Emilía Martinsdóttir diz que “logo após a morte do peixe, o número de micróbios começa a aumentar. Estes micróbios formam compostos deteriorados de nitrogénio e enxofre. A maioria das pessoas não gosta do sabor destes compostos químicos. É por isso que no fim, quando o peixe já não é fresco, se torna desagradável”.

Entretanto, o bacalhau já atravessou a Islândia e embarcou num ferry. Depois de uma paragem nas Ilhas Faroé, chegou à Dinamarca e foi carregado para outro camião. Nove dias depois de ter sido capturado, o bacalhau está, finalmente, em França.

“A viagem foi bastante longa. Viajámos da Islândia para as Ilhas Faroé e, depois, para a Dinamarca. Depois, ontem, viajámos entre a Dinamarca e a Bélgica e, agora, acabámos de chegar a Boulogne-sur-Mer”, afirma Tomas Haflidason.

A temperatura do peixe é de cerca de 1°C e permaneceu estável durante quase toda a viagem. “No Este da Islândia, durante cerca de meia hora, a temperatura do peixe subiu para 5°C. Mas na Islândia estava bastante fresco, portanto, esse pequeno aumento não afectou o bacalhau”, assegura o engenheiro.

Amostras de peixe vão ser enviadas para um laboratório próximo do porto francês, para mais estudos microbiológicos.

Este software também se revelou útil para avaliar a qualidade do bacalhau em condições difíceis, como humidade extrema.

“Há um claro interesse em obter resultados que possam ser explorados comercialmente com este equipamento. Isto vai desde a tecnologia de informação e comunicação, como providenciar software para a gestão da cadeia de fornecimento, para determinar a carga bacteriana, para prever a durabilidade do produto alimentar; até ao registo do histórico, usando os indicadores de temperatura”, revela o coordenador do Projecto Chill-On, Matthias Kück.

Por último, os cientistas levam o bacalhau para uma peixaria local, onde os clientes se mostram ávidos de peixe fresco…

“Gosto de todos: o linguado, a raia, o bacalhau. De facto, gosto de todos os peixes”, sublinha Evelyne Corteyn, enquanto o marido se mostra preocupado com as condições em que o peixe é transportado.

Philippe Legrand, dono do estabelecimento, garante que “se o peixe não é fresco, os clientes não vêm. Quando o peixe brilha e é de qualidade, as pessoas voltam”.

De volta à Islândia, os cientistas esperam que a monitorização das temperaturas em tempo real também possa ajudar a promover a pesca sustentável, ao contribuir para que seja desperdiçado menos peixe.

“Se perder qualidade, perde-se valor de mercado. E, eventualmente, se perder toda a qualidade, perde-se todo o valor de mercado. E o peixe é desperdiçado no mercado. Basicamente, pode ser o contentor do lixo, nas traseiras do supermercado, a comer este peixe e não o consumidor”, lembra Sigurdur Bogason.

“Não tenho a certeza que este projecto seja o final da história. A tecnologia está a evoluir. As soluções de tecnologia de informação e comunicação também. A era da informática é esta. Podemos conjugar diferentes coisas que fizemos há cinco anos. Daqui a 5 anos, podemos ter uma nova ideia, uma nova barreira para quebrar. É uma história interminável. Mas isto é a ciência: quebrar barreiras”, conclui Bogason.

www.chill-on.com

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.