Última hora
This content is not available in your region

Cimeira da inovação educativa mundial

Cimeira da inovação educativa mundial
Tamanho do texto Aa Aa

Na era da globalização em que a tecnologia faz parte do dia-a-dia existe uma necessidade crescente no desenvolvimento da educação.

A segunda cimeira de inovação educativa, em Doha, escolheu o futuro da educação como tema deste ano. Explorar soluções inovadoras e ficar a conhecer os desafios do financiamento da educação estão entre os temas debatidos. Com a atual crise económica, o financiamento tornou-se numa preocupação chave. “Bom, temos que ter prioridades. Dar prioridades no sentido em que todos temos problemas mas o governo deve às pessoas o financiamento porque a educação é essencial. É preciso ter um orçamento para disponibilizar um montante adequado para a educação”, disse o presidente do conselho Social e Económico das Nações Unidas. Fazer da educação uma prioridade pode ser uma solução. Nalguns países os orçamentos de Estado não cobrem as áreas mais pobres. A Fundação dos Cidadãos encontrou uma alternativa. Um grupo de cidadãos propôs criar 600 escolas nas áreas mais pobres do Paquistão.

Mushtaq Chappra, o director-fundador, é um dos seis laureados com o prémio WISE este ano por projetos inovadores. “Pobreza não é a palavra. Acho que é o mais pobre dos pobres e vamos até zonas onde o rendimento familiar médio é inferior a 40 dólares por mês e onde existem 10 bocas para alimentar. Por isso a educação não é uma prioridade para estas pessoas. É uma situação de urgência. Nós vamos a estas áreas e planeamos uma escola no meio da comunidade. Depois disso há tanta transformação e entusiasmo que parece que todo o futuro da comunidade muda. Nós vimos isso acontecer.

Para Chappra à máxima é “a educação para os pobres não deve ser pobre” mas não explora tecnologia. Num mundo que está mais conectado com a rede global, a cimeira explorou algumas ferramentas inovadoras na educação. Entre elas alguns dispositivos móveis. “Acho que é uma grande oportunidade para todos os governos no mundo – tanto nos países desenvolvidos como nos países em desenvolvimento – para usarem as novas ferramentas no sentido de enfrentar esse desafio. Como educar os jovens no sentido de criar talentos globais”, garante Esko Aho, vice-presidente da Nokia.

Para Buthaina, a tecnologia é sem dúvida útil no processo de aprendizagem. “A educação deve ter um papel na educação mas isso não significa que não usemos mais os livros escolares. A tecnologia deu-nos a oportunidade de partilhar a experiência e o conhecimento com estudantes de todos os continentes.”

Mas para Ether esse é um motivo de preocupação. “Tanta tecnologia, tanto computador. Estou de facto a perder o sentido da educação. Estou preocupada. Um amigo disse-me que pensa que a educação poder ser substituída pela inovação tecnológica.”

A cimeira tem sido uma plataforma anual para mais de 1200 delegados de todo o mundo partilharem ideias e encontrarem soluções inovadoras para os problemas da educação.

E para concluir o fórum de três dias, os organizadores revelaram o primeiro prémio internacional dotado de 400 mil euros que será atribuído no próximo ano.