Última hora
This content is not available in your region

Mikhail Prokhorov vai formar um novo partido

Mikhail Prokhorov vai formar um novo partido
Tamanho do texto Aa Aa

As eleições russas de 4 de março são inéditas, no sentido em que estão a ser precedidas por uma onda de contestação civil sem precedentes.

Mikahil Prokhorov vem de fora do sistema. É o único candidato completamente independente, sem qualquer filiação política. É um empresário de sucesso, multimilionário e concorre pela primeira vez.

A primeira questão que lhe quisemos colocar foi: porquê este interesse repentino pela política?

Mikhail Prokhorov: Toda a gente procura um desenvolvimento pessoal. Quem para, vai para a reforma. Quando percebemos que, nos negócios, já obtivemos bons resultados e não podemos ajudar mais o país, começamos a pensar em outras maneiras de o fazer. Foi aí que comecei a interessar-me pela política. É nesse campo que podemos ajudar melhor o nosso país.

Alexandre Shashkov, euronews: Então esta campanha eleitoral é mais uma experiência para si. Dizem que já se sabe o resultado…

Mikhail Prokhorov: Não concordo consigo. Vivemos num mundo muito dinâmico. A nossa sociedade acordou. A política está na cabeça de toda a gente. As últimas duas semanas de campanha podem trazer algumas surpresas agradáveis.

Alexandre Shashkov, euronews: Quanto a misturar negócios com política, o caso de Khodorkovsky não lhe mete medo?

Mikhail Prokhorov: Não. Este país mudou muito desde essa altura. As pessoas já não querem sacrificar a liberdade e a segurança só pela riqueza material. As pessoas querem respeito. E isso não se compra com dinheiro.

Alexandre Shashkov, euronews: Em poucas palavras, em que é o seu programa diferente dos outros?

Mikhail Prokhorov: O cidadão tem de estar na base de todas as políticas do Estado e essas políticas devem servir, não os interesses do Estado, mas do cidadão.

Segundo ponto, penso que devemos criar um mercado único com a Europa. A Rússia, sem a Europa, não pode competir neste mundo globalizado e vice-versa.

É absolutamente impossível. E, última coisa, acredito que só um verdadeiro gestor, com uma grande experiência na gestão de grandes sistemas pode liderar o nosso país neste campo.

Alexandre Shashkov, euronews: Se as eleições forem a uma segunda volta e ficar de fora, quem vai apoiar?

Mikhail Prokhorov: Nem sequer penso nesse cenário. Se houver segunda volta, vou ser certamente um dos candidatos.

Alexandre Shashkov, euronews: Imaginemos então que vai à segunda volta e perde. Vai ficar na política? Aceita um cargo no governo, se lho oferecerem?

Mikhail Prokhorov: Não vou aceitar nenhum cargo no atual sistema. Porque é um monopólio, não há concorrência, o próprio primeiro-ministro desempenha um cargo puramente técnico, como porta-voz do Kremlin. Por isso, vou fundar o meu próprio partido.

Alexandre Shashkov, euronews: Tem seis anos até às próximas eleições…

Mikhail Prokhorov: Não necessariamente. Em primeiro lugar, há eleições virtualmente todos os meses, nas regiões. Acima de tudo, não acho que, nas circunstâncias atuais, a Duma Estatal vá durar muito tempo. Há uma grande falta de confiança política da parte dos cidadãos.

Alexandre Shashkov, euronews: Vai construír o seu partido com base em alguma estrutura política existente?

Mikhail Prokhorov: Vou construír o meu partido com todos aqueles que partilhem dos meus valores, com os cidadãos que querem mudança e com base no meu programa. A minha plataforma vai estar continuamente a ser expandida graças às ideias dos cidadãos.

Mais ainda, quero construir um partido com uma base completamente nova, à base de grupos, que vão contribuir com ideias. Cada um desses grupos vai ter um líder que trata as questões. É um partido com várias raízes, algo que ainda não existe na Rússia. É um partido assim que queremos construír.

Alexandre Shashkov, euronews: É um partido orientado à direita?

Mikhail Prokhorov: Vai ser um partido eficaz. Há desafios que o nosso país está a enfrentar e que têm de ser tratados de forma eficaz.

Esses métodos eficazes são apresentados no meu programa e vão ser os cidadãos a decidir se é um partido de centro-direita, centrista ou de esquerda. Começo sempre pela tarefa a desempenhar. E a nossa tarefa é tornar os cidadãos ricos, com sucesso, livres e que o destino deles e dos filhos deles fique ligado à Rússia.