EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Cameron: "a monarquia britânica está acima da política, é um símbolo de unidade nacional"

Cameron: "a monarquia britânica está acima da política, é um símbolo de unidade nacional"
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O reinado de Isabel II tem sido excecional por todas as razões. A longevidade é uma delas: teve 12 primeiros-ministros, seis Papas, 261 visitas oficiais ao estrangeiro, entre as quais, 78 visitas de Estado a 116 países.

A lista de números é interminável, mas é representativa da importância de 60 anos de reinado da pragmática monarca, somente ultrapassada pela trisavó Vitória (63 anos de reinado e 81 anos de vida).

O príncipe Alberto, Duque de York e Rei Jorge VI – o irmão abdicara para casar com Wallis Simpson – era o segundo filho mais velho do Rei Jorge V e da Rainha Maria. Morreu em 1952 e Isabel, aos 26 anos de idade, subiu ao trono britânico e teve de assumir a chefia de vários Estados independentes da Commonwealth em plena reconstrução da Europa do pós-guerra.

A Festa do Jubileu de Diamante da Rainha dura quatro dias – a Rainha Vitória festejou o Jubileu num só dia, há um século.

Os britânicos querem mostrar à soberana o quanto apreciam o pilar que representa para o Estado, um equilíbrio e contenção às vezes incompreendidos e mesmo criticados, como na morte de Diana.

O futuro da monarquia britânica, tantas vezes posto em causa, parece estar assegurado pela diplomacia de Guilherme e Kate.

O correspondente da euronews em Londres, Ali Sheikholeslami, esteve em Downing Street com o 12° primeiro-ministro de Isabel II.

euronews – O senhor conheceu a Rainha quando tinha nove anos. Como se sentiu então e agora, como seu 12° primeiro-ministro?

David Cameron – Quando a conheci, aos nove anos, não imaginava tornar-me primeiro-ministro. Estava na escola e lembro-me da excitação por ter a oportunidade de a encontrar. Mas o momento inolvidável foi quando subi as escadas de Buckingham Palace e a Rainha me encarregou de formar um governo.

No meu caso, tive de responder que seria um executivo de coligação mas que daria o meu melhor para formar a minha equipa e que regressaria para a ver quando o objetivo tivesse sido atingido. Felizmente consegui.

euronews – Qual o sentido, para si, do Jubileu de Diamante para o Reino Unido e até que ponto evoluiu o país durante este reinado?

David Cameron – O país progrediu imenso. Há 60 anos acabávamos de sair da Segunda Guerra Mundial, com o racionamento e todos os problemas e dificuldades… desde então, o país transformou-se completamente.

O que estamos a celebrar, realmente, são duas coisas: a primeira, um recorde individual, 60 anos no trono, 60 anos de entrega, serviço, compromisso com o povo, com a Commonwealth…estamos conscientes de que foram 60 anos de serviço público sem um passo em falso.

Mas o Reino Unido também celebra a própria instituição monárquica.Todos os países querem estabilidade e instituições que reflitam a história, mas também democracia e liberdade de eleição.

Penso que, no Reino Unido, encontrámos a melhor solução. Não é a via escolhida por todos, mas é o nosso modo de obter as duas coisas e a monarquia serviu bastante o país nesses sentido. Está acima da política, é um símbolo de unidade nacional e, como podem ver, une a população.

euronews – Todas as semanas se reúne com a Rainha. Dentro e fora do país, questiona-se se é apenas uma bonita tradição britânica…

David Cameron – Não, é uma parte importante da Constituição, porque a rainha é a chefe do Estado.
Obviamente, evoluimos para uma fórmula em que o primeiro-ministro eleito e o governo tomam as decisões e a Rainha preside às cerimónias do Estado.

Mas é muito importante que o chefe de governo se reuna com a monarca para lhe expor os problemas e desafios colocados dentro e fora do país.
Para explicar o que faz o governo.
E a Rainha, que teve 12 primeiros-ministros, nomeadamente , Winston Churchill, que já viu tudo, que ouviu tudo, que viajou por todo mundo, e que conhece praticamente todos os chefes de Estado e chefes de governo, pode dar conselhos muito bons e fazer perguntas muito, muito pertinentes.

euronews – Começaram os preparativos para os Jogos Olímpicos. Que significado têm para Londres e para o país em geral?

DC – Obviamente é um grande ano para o Reino Unido. É um ano em que nos podemos mostrar ao mundo.
Na parte oriental de Londres, as Olimpíadas estão a transformar uma zona que estava muito degradada. Estamos a assistir a uma transformação urbanística.

Mas acho que, ainda mais importante, é abrir-se ao mundo e dizer: aqui está um país…sim, com certas dificuldades económicas mas com o mercado único europeu à porta, estamos entre os fusos horários da América e do Japão, Falamos inglês, o idioma dos negócios.

Temos algumas das melhores Universidades do mundo, uma vibrante plataforma de negócios, uma vasta cultura, arte, ciências e todo o resto.

Venham visitar e ver.

É uma grande oportunidade para o país, e espero que também se atraia a juventude para o desporto e o desporto de competição deixe um legado duradouro para o futuro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

William apareceu sem Kate na "Garden Party" de verão do Palácio de Buckingham

Jovem de 13 anos morre após ataque com espada em Londres

Sunak anuncia: voos de deportação do Reino Unido para o Ruanda devem começar dentro de poucos meses