Última hora
This content is not available in your region

Espanha sem "verão azul"

Espanha sem "verão azul"
Tamanho do texto Aa Aa

Espanha vai viver um verão ainda mais quente do que o habitual. Os termómetros financeiros estão ao rubro, mesmo depois de os resultados das auditorias externas terem arrefecido ligeiramente os ânimos.

Os testes de stress realizados pela Oliver Wyman e a Roland Berger trabalharam sobre dois possíveis cenários, mas os especialistas só estão a considerar o mais gravoso, isto é, colocando a queda do PIB espanhol na ordem dos 6,5 por cento.

O ministro da Economia, Luis de Guindos, declarou serem dados “importantes para apurar a situação real do país, eliminando as incertezas sobre o setor bancário espanhol.”

As estimativas das auditorias situam a necessidade de ajuda à banca num intervalo entre os 51 e os 62 mil milhões de euros. Isto prevendo que os bancos possam perder mais de 250 mil milhões de euros, até porque, neste cenário, o valor das propriedades imobiliárias cai cerca de 60 por cento.

No entanto, só em setembro é que será possível perceber melhor a dimensão do buraco financeiro da banca espanhola, quando terminar outra auditoria que está em curso, efetuada por quatro empresas independentes.

O Banco de Espanha assegura que as três maiores instituições, o BBVA, o Santander e o Caixabank, não vão precisar de assistência, depois da intervenção urgente sobre o Bankia.

Para falar sobre as auditorias independentes ao setor bancário espanhol, a euronews entrevistou José Carlos Diez, analista da Intermoney.

No final de contas, os números divulgados situam-se entre as estimativas do Fundo Monetário Internacional e os 100 mil milhões de euros previstos por Bruxelas. Qual devia ser o montante pedido por Madrid?

José Carlos Diez: Antes de mais, a avaliação foi realizada por duas empresas independentes, o que confere credibilidade. Penso que está melhor estruturada do que aquela efetuada pela Autoridade Bancária Europeia, no ano passado. Vem mais na linha do que é feito pela Reserva Federal americana. São mais eficazes. Neste sentido, é melhor. Agora, o problema é que se trata de um exercício que não tem grande utilidade. Imagino que o governo tenha toda a informação necessária. Mas tem de ser elaborado um plano, como pediu Bruxelas, instituição a instituição. É preciso preparar um mapa e apresentá-lo com planos concretos, para que os investidores o possam compreender, analisar e avaliar.

euronews: Dir-se-ia que o governo espanhol não avança se não for pressionado pelos parceiros europeus. Supostamente, o pedido formal será feito esta segunda-feira. Quais são as etapas que se seguem?

JCD: Uma vez que o país solicite formalmente a ajuda, o eurogrupo e os outros países deverão pedir um memorando à Comissão Europeia. Esse memorando tem de incluir todos os detalhes: as condições da ajuda, a quantidade, a taxa de juro, os prazos, se será através do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira ou do Mecanismo de Estabilidade. Como se costuma dizer: “o demónio está nos pormenores.” É preciso ver o memorando para saber se o plano pode ser bem sucedido.

euronews: Precisamente, uma das perguntas consiste em saber se os bancos podem ser assistidos, sem que isso seja considerado uma ajuda do Estado. A pressão sobre o governo de Angela Merkel é suficientemente forte?

JCD: É o que vamos ver. Dizem que a política é a arte do possível, mas as regras são bastante claras. É o país que tem de pedir ajuda, através dos mecanismos respetivos, que são 100 por cento públicos. Por outro lado, fala-se em mudar as regras, em ter, no futuro, uma união bancária que possa ajudar diretamente uma instituição financeira. Mas, neste momento, as regras dos fundos europeus de estabilidade não o permitem.

euronews: Finalmente, é desta forma que se vai conseguir baixar o prémio de risco e os juros da dívida espanhola?

JCD: Depende. A verdade é que esta auditoria não é suficiente e o prémio de risco espanhol acarreta mais problemas. Quiseram, a nível europeu e internacional, convencer os outros de que todos os problemas da crise do euro vinham do sistema bancário espanhol. Era fantástico se toda a crise do euro tivesse uma resposta tão simples! Como se diz na obra de Umberto Eco, “O Nome da Rosa”, o mal tem de ser cortado pela raíz. A crise do euro é uma crise muito grave, no meio de uma recessão europeia muito grave. Os indicadores conjunturais mostram que a Alemanha já entrou em recessão. A política económica conduzida na Europa atira-nos diretamente para a depressão, como aconteceu no tempo de Hoover, nos anos 30. Vamos ver se Angela Merkel e o seu governo se dão conta e reagem, mudando de política económica. Caso contrário, as perspetivas são muito negativas.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.