EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

"Romenos estarão sujeitos a uma campanha eleitoral contínua", diz analista Alina Mungiu Pippidi

"Romenos estarão sujeitos a uma campanha eleitoral contínua", diz analista Alina Mungiu Pippidi
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Apesar de 80% dos romenos que foram às urnas, este domingo, terem votado a favor da saída do Presidente, Traian Basescu vai manter-se por enquanto no cargo. O período de férias pode ter contribuído para o nível de abstenção superior a 50% no referendo, que impede a destituição presidencial e deixou muitos romenos frustrados.

“Em primeiro lugar, estou descontente com o nível de participação no referendo. As pessoas deveriam ter mostrado mais civismo e ido às urnas, votar sim ou não”, disse um habitante de Bucareste ouvido pela euronews.

O governo ainda tentou mudar a lei do referendo, mas foi travado pelo Tribunal Constitucional e Basescu aproveitou a decisão para apelar ao boicote.

O presidente já prometeu trabalhar pela reconciliação do país e conta com a simpatia dos que viram neste processo uma nova deriva comunista.

“Estou muito satisfeito. Foi uma decisão do povo, e estou muito satisfeito. Não esperava que tentassem derrubar o presidente desta maneira”, disse outro habitante da capital com quem falou a euronews.

De facto, a União Europeia, a que o país pertence desde 2007, também criticou o processo de destituição. Para aprofundar as consequências do referendo, a euronews falou com Alina Mungiu Pippidi, analista política, jornalista e escritora romena.

“Diria que o fator que mais determinou o resultado do referendo foi a decisão da União Europeia de exigir ao governo romeno que respeitasse a regra antiga de que o referendo é válido quando se verifica a participação dos eleitores que constam do censo mais antigo. (…) O facto é que tivémos mais de oito milhões de pessoas que compareceram às urnas e votaram claramente contra o Sr. Basescu, mas cuja votação não será validada por causa de uma questão técnica”, explicou Alina Mungiu Pippidi.

Sobre o futuro próximo do país, a analista considera que será marcado por forte instabilidade.

“O Sr. Basescu tem agora 80% dos votos contra ele e ele ainda tem quase dois anos de mandato para cumprir. A Roménia tem eleições legislativas no Outono que, com certeza, resultarão numa maioria contra ele. Isso significa que, nos próximos dois anos, os romenos vão estar sujeitos a uma campanha eleitoral contínua, numa contínua crise política e numa instabilidade que afetará o valor da moeda e toda a situação económica.”

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Festival das Tulipas na Roménia, uma tradição com mais de meio século

Mansão do rei Carlos III na Roménia reabriu ao público

Partidos de direita da Roménia juntam esforços para campanha às europeias