EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Manifestação europeia contra a austeridade

Manifestação europeia contra a austeridade
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Milhares de pessoas sairam às ruas das principais capitais europeias em protesto contra aquilo que chamam de políticas de empobrecimento.
No sul da Europa o dia foi também de greves gerais que deixaram Portugal, Espanha, Itália e Grécia quase paralisados.
As mensagens nas ruas não são novas, mas são cada vez mais comuns aos vários países: não é possível aguentar mais cortes, aumentos de impostos e é obrigatório avançar com políticas de incentivo à criação de emprego.

Para falar sobre o dia de mobilização sindical, junta-se a nós o economista Henri Sterdyniak, professor de Ciência Política em Paris, mas também co-autor do “Manifesto de economistas aterrados”, um conjunto de especialistas que se opõe ao neo-liberalismo.

Olaf Bruns, euronews:
“Milhares de pessoas manifestaram-se, em vários países da Europa, contra a austeridade. Concretamente, o que é que não funciona com a austeridade?”

Henri Sterdyniak, economista:
“Na Europa são impostas políticas de austeridade que não resolvem de todo as questões levantadas pela crise e que, pelo contrário, as agravam…uma vez que se estão a pressionar as despesas públicas, as despesas sociais, pedem, em todos os países, aos assalariados que aceitem a estagnação, vendo mesmo os ordenados baixar. E tudo isso faz cair a procura.”

Olaf Bruns, euronews:
“Mas quando toda a Europa se encontra à beira do abismo e alguns países viveram muito acima das possibilidades, é necessário cortar na despesa.”

Henri Sterdyniak, economista:
“Não tenho a mesma opinião, não é essa a questão importante hoje, não é a redução das despesas. Por causa da crise, perdemos 8% da atividade económica, ou seja, ao contrário, é preciso recuperar 8 pontos da procura: é necessário investir mais, é necessário consumir mais para empregar mais gente. Por isso, a questão essencial é voltar a pôr a máquina a funcionar.”

Olaf Bruns, euronews:
“Toda a zona Euro está em recessão, uma recessão que pesa na economia mundial. É a austeridade responsável por essa recessão?”

Henri Sterdyniak, economista:
“A austeridade não é a única responsável pela recessão. O fenómeno essencial é que o capitalismo financeiro enfrenta uma crise, os factores que suportaram o crescimento até 2007 desapareceram. As bolhas financeiras, as bolhas imobiliárias, as estratégias alemãs e chinesas de procurar a competitividade…esses factores desapareceram e em vez de reflectir como se pode impulsionar a economia mundial, está a ser feito o contrário, acrescenta-se austeridade a uma situação que já é catastrófica.”

Olaf Bruns, euronews:
“Mas qual é a alternativa concreta à austeridade?”

Henri Sterdyniak, economista:
“É preciso uma estratégia coordenada à escala europeia. O objetivo é lutar contra o desemprego, não é reduzir os défices públicos. É preciso relançar a atividade económica, é preciso apoiar as empresas inovadoras, aquelas que estão empenhadas na transição ecológica, na renovação urbana, na economia de energia, energias renováveis. Há muito que fazer. É fundamental que a Europa se torne uma Europa solidária, ecológica e social e que seja renunciado o dogma do neo-liberalismo.”

Olaf Bruns, euronews:
“Mas como avançar politicamente com essa alternativa?”

Henri Sterdyniak, economista:
“Com a crise, países como a Alemanha vão também sofrer consequências e, nesses países, as forças progressistas também vão reagir. Se parece que a Europa está mergulhada na recessão, a Alemanha não vai ficar de boa saúde por muito tempo e nessa altura podemos fazer entender aos alemães que a sua estratégia conduziu a Europa a desequilíbrios insuportáveis.”

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Manifestantes no Quénia entram em confronto com a polícia de choque

Centenas de manifestantes saem à rua no México pelos direitos dos animais

França: milhares de mulheres saem às ruas em protesto contra a extrema-direita