Ensinar a transformar a dor em futuro

Ensinar a transformar a dor em futuro
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Ouvir alguém que passou por uma experiência particularmente difícil, por uma tragédia mesmo, pode trazer-nos alguns ensinamentos? Existem projetos escolares que estão a dar voz a sobreviventes e testemunhas. Nanette Konig, Reza Deghati e Rita Borsellino têm muito para contar. Fomos perceber porque é que o fazem.

Nanette Konig tem bem presente o seu passado: é uma sobrevivente do Holocausto. O que a faz falar sobre esse assunto nas visitas que faz a escolas? A esperança de que as suas estórias ensinem algo aos alunos. Hoje com 82 anos, esta mulher holandesa veio viver para o Brasil logo após a Segunda Guerra Mundial. Nanette era uma amiga próxima de Anne Frank, a rapariga judia que o mundo conheceu através de um diário, e foi a última pessoa a vê-la com vida, em 1945, no campo de concentração de Bergen-Belsen.

O sofrimento humano fica, muitas vezes, cristalizado em registos fotográficos. Reza Deghati é um conhecido fotógrafo iraniano que já trabalhou nos mais violentos palcos de conflito. A sua arma contra a guerra é a máquina fotográfica. Reza explica, frequentemente, a estudantes de liceu em que consiste o fotojornalismo. Numa escola secundária de Doha, os alunos vão aprender a seguinte lição: a fotografia pode mudar o mundo. É essa a mensagem de Reza. O famoso retrato do comandante Massoud, no Afeganistão, é da sua autoria. Assim como muitos outros, cheios de estórias…

Em Itália, o juíz Paolo Borsellino foi uma das figuras mais proeminentes a ter sido vítima da guerra contra a Máfia. A dor transformada em ferramenta de mudança; foi o que fez a eurodeputada Rita Borsellino, numa luta pela justiça e pela paz social contra o crime organizado. Em 19 de julho de 1992, uma viatura armadilhada explodiu em Palermo, matando Paolo Borsellino, um dos mais famosos juízes anti-Máfia italianos, dois meses após a morte doutro magistrado, Giovanni Falcone. Para que o país não esqueça, em Catena Nuova, perto de Catania, no coração da Sicília, a escola de Enrico Fermi organizou um encontro muito especial. É aqui que a irmã de Paolo, Rita Borsellino, atualmente membro do Parlamento Europeu, vem dar uma aula fora do comum.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Trabalhos de artistas húngaros, sobreviventes do Holocausto, expostos em Budapeste

Macron presta homenagem aos combatentes da resistência em Glières

Crianças ucranianas enfrentam traumas devido ao conflito com a Rússia