Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

"A Rússia ainda vai aperceber-se do muito que está em jogo na Síria"

"A Rússia ainda vai aperceber-se do muito que está em jogo na Síria"
Tamanho do texto Aa Aa

A possibilidade de uma intervenção militar na Síria voltou a colocar a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) debaixo dos holofotes uma vez mais. A Aliança, de que Portugal foi um dos países fundadores em 1949, já liderou antes outras intervenções onde contou com o apoio da Organização das Nações Unidas (ONU). Qual o papel que poderá ter agora a NATO, se é que algum, numa eventual ação militar contra o regime sírio?

Com o debate a agravar-se no seio da Comunidade Internacional, a euronews falou em exclusivo com o secretário-geral da NATO, Anders Fogh Rasmussen, de 60 anos, apoiante de uma contra resposta internacional face ao Governo liderado por Bashar al-Assad, na Síria, o qual o antigo pri9meiro-ministro dinamarquês aponta como responsável pelo ataque com armas químicas que resultou num massacre civil não muito longe da capital, Damasco.

euronews: Senhor secretário-geral, aceitou falar connosco enquanto o Mundo decide o que fazer face ao ataque com armas químicos registado próximo de Damasco. E a NATO: o que está fazer, vai fazer ou está a planear fazer em relação à Síria?
A. F. Rasmussen: Em primeiro lugar, deixe-me sublinhar que eu não antevejo qualquer outro papel para a Organização do Tratado do Atlântico Norte. A NATO já faz a sua parte enquanto forum de consulta para os países aliados e, da nossa parte, limitámo-nos a deslocar mísseis Patriot para assegurar a defesa e proteção da Turquia e dos turcos. Não antevejo nada mais além disso. Mas, tendo dito isto, estamos também imensamente preocupados com a situação que se vive na Síria e é minha convicção de que os ataques com armas químicas na Síria não podem ficar sem uma resposta. É necessário que a Comunidade Internacional envie uma clara e forte mensagem aos ditadores de todo o Mundo de que não podem recorrer ao uso de armas químicas sem esperar uma resposta.

euronews: E como se faz isso? Como é que se envia essa mensagem?
A. F. Rasmussen: Bem, isso cabe decidir a cada uma das nações. Como sabem, estão a fazer-se considerações sobre o tema agora mesmo. Para mim, é da maior importância que a Comunidade Internacional envie uma clara mensagem. É uma responsabilidade da Comunidade Internacional defender e impor o cumprimento da proibição do uso de armas químicas.

euronews: Qual é o grau de certeza que possui de que foi de facto o regime sírio que cometeu esta atrocidade?
A. F. Rasmussen: Eu estou convencido de que foi o Governo Sírio o responsável. Várias fontes apontam para eles como culpados e eu não acredito que a oposição síria tenha capacidade para conduzir um ataque destes – a esta escala e desta envergadura. É irracional pensar que a oposição fosse atacar o seu próprio povo em zonas que já controlavam e, ainda por cima, com armas químicas. Não tenho qualquer dúvida, na minha cabeça, de que o regime sírio é o responsável.

euronews: Porque é que leva mais a sério um ataque com armas químicas do que o assassínio de civis a tiros de bala?
A. F. Rasmussen: É claro que as mortes que temos visto no conflito da Sírio são revoltantes. Talvez mais de 100 mil pessoas foram mortas. É horrível. Mas o uso de armas químicas, contudo, é muito especial. As armas químicas podem ser usadas de uma forma limitada. Mas podem também ser transformadas numa arma de destruição massiva. É por isso que existem muitas restrições nas convenções internacionais. De facto, o uso de armas químicas foi mesmo banido por essas convenções. E é por isso que a Comunidade Internacional tem uma responsabilidade particular quando é preciso impor essas mesmas convenções internacionais.

euronews: O senhor sabe que a Rússia apoia o atual governo sírio e que lhe fornece armamento. A Rússia tem uma base naval na Síria. Seja quem for que ataque – não estarão também a eles a desafiar ou a arriscar entrar mesmo em confronto com a Rússia? Isso não o preocupa?
A. F. Rasmussen: Eu lamento profundamente as divisões que se fazem sentir e penso que uma Comunidade Internacional dividida acaba por ter muita responsabilidade no que toca ao conflito na Síria. Mas eu acho que no final a Rússia ainda vai aperceber-se do muito que está em jogo na Síria e não vai forçar outro conflito. Eu acredito, sim, de que a responsabilidade de toda a Comunidade Internacional é garantir o respeito pelas convenções internacionais contra o uso de armas químicas.

euronews: A relação com a Rússia está, de momento, um pouco tensa. Estamos a falar consigo aqui, em Vilnius, na Lituânia. E em breve, em novembro, a Lituânia vai receber um exercício da NATO no qual, pelo que percebi, vai simular-se uma invasão por uma potência exterior. A Rússia e a Bielorrússia também vão realizar exercícios similares por estes dias perto da Lituânia. Moscovo já afirmou que isto lhe traz recordações da Guerra Fria. Concorda?
A. F. Rasmussen: Não. O que eu acho, neste momento, é que todos se devem acalmar. É perfeitamente normal que forças militares realizem exercícios. Aliás, é mesmo necessário que o façam. Nós fazemo-lo. Os russos fazem-no. Não penso que os problemas sejam os exercícios só por si. O problema é se não houver transparência. E é por isso que nós proporcionamos total transparência. Convidámos a Rússia para conhecer mais sobre os nossos exercícios. Não temos nada a esconder e encorajamos a Rússia a informar-nos também sobre o exercício deles. De facto, até já tivemos conversas bem interessantes dentro das reuniões entre a NATO e a Rússia. Gostamos disso e, por isso, penso que, no que toca a exercícios militares, o mais importante é haver total transparência para que não aconteçam equívocos nem mal-entendidos.

euronews: Os Estados Unidos ofereceram o que consideram ser uma concessão aos russos, em relação ao escudo antimísseis na Europa e ao desarmamento. Como reage à resposta da Rússia a esta oferta?
A. F. Rasmussen: Antes de mais deixe-me dizer que decidimos construir a base de defesa antimíssil da NATO porque queremos proteção efetiva da nossa população contra ataques de mísseis. Sabemos que mais de 30 países em todo o mundo têm ou adquiriram tecnologia para mísseis e alguns deles têm alcance suficiente para atingir alvos na Europa. Nós queremos proteger a nossa população e foi por isso que construímos este sistema da NATO. Convidámos a Rússia a colaborar connosco, mas até agora eles ainda não responderam de forma positiva. Os americanos, recentemente, alteraram de forma ligeira a abordagem ao tema. Mas essa mudança não vai afetar o facto de que em 2018 o sistema de defesa antimíssil da NATO vai ter cobertura total.