Última hora
This content is not available in your region

Canguru português pode reescrever história da Austrália

Canguru português pode reescrever história da Austrália
Tamanho do texto Aa Aa

Terão os portugueses descoberto a Austrália? Um manuscrito português, adquirido pela galeria “Les Enluminures”, em Nova Iorque, mostra o que aparenta ser um canguru na iluminura da obra escrita à mão. Um pequeno detalhe que pode vir a mudar a história da Austrália e adicionar este continente à lista dos descobrimentos portugueses.

Assinado por Caterina de Carvalho, uma freira das Caldas da Rainha, o manuscrito de música para cerimónias eclesiásticas foi escrito em latim e português e, dizem os especialistas, é completamente medieval em formato e texto.

Até hoje, pensava-se que teria sido o navegador holandês Willem Janszoon a descobrir a Austrália. Mas alguns especialistas acreditam que o documento, que data de 1580 a 1620, já circulava pelo mundo na altura em que os holandeses desembarcaram na terra dos cangurus em 1606. O aparecimento deste manuscrito faz agora tremer as certezas de alguns historiadores e alimentar a crença de outros, de que Portugal descobriu a Austrália.

Para a investigadora Laura Light da Les Enluminures, a descoberta deste animal num manuscrito tão antigo prova que a artista esteve na Austrália ou, então, que relatórios de viagem ao continente e desenhos de cangurus já se encontravam em Portugal.

Esta hipótese não é de todo uma surpresa. O historiador australiano Peter Tricktett, citado pelo jornal australiano The Sidney Morning Herald, já suspeitava, há muito, que os portugueses foram os autores da primeira expedição marítima a mapear a costa australiana, em 1521-22.

Há, no entanto, quem se mantenha mais cético. Martin Woods, da Biblioteca Nacional Australiana, afirma que o manuscrito não invalida a história como a conhecemos, e que o animal retratado pode ser outra espécie, semelhante ao canguru, oriunda do sudeste asiático.

Também John Gascoigne, da Academia Australiana de Humanidades, refere que provar que os portugueses foram os primeiros a chegar à Austrália não será tarefa fácil. O secretismo que envolve os descobrimentos portugueses e o facto de muitos documentos históricos importantes se terem perdido no terramoto de 1755 em Lisboa, dificulta a comprovação. Além disso, não está excluída a hipótese de o manuscrito ser posterior à chegada dos holandeses.

Gascoigne coloca ainda a hipótese de o animal vir de outra terra com clima e ecologia semelhantes, nomeadamente das expedições marítimas de Jorge de Menezes à metade oriental da ilha da Nova Guiné, em 1526.

As hipóteses são várias e fazem oscilar a certeza de que terão sido os holandeses os primeiros a descobrir a Austrália. Uma incógnita que, para já, fica sem resolução.

O manuscrito vai estar em exposição na galeria “Les Enluminures” de 24 de janeiro a 21 de fevereiro.