Ruanda: 20 anos de progresso

Ruanda: 20 anos de progresso
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
PUBLICIDADE

Em 20 anos, o Ruanda fez progressos espetaculares. Em 1994, o país das mil colinas tinha perdido 800 mil vidas, estava num estado desolador depois do genocídio, com a economia arruinada. Atualmente, há 11 milhões de ruandeses no país e o PIB por habitante multiplicou-se por cinco.
A taxa de pobreza baixou 25% e o Ruanda pretende, até 2020, passar da economia predominantemente agrícola para uma economia de serviços.

Em 2013, o crescimento era de 4,6%, o que significa que recuou em relação aos 7,3% de 2012.
A ajuda estrangeira contribui com 40% para o orçamento nacional.
O PIB por habitante é de 505 euros por ano.
45% da população vive abaixo do limiar da pobreza.

O país fixou como objetivo a exportação, nomeadamente de matérias-primas e de produtos manufaturados, mas, para o conseguir, terá de melhorar o mau estado das infraestruturas e aumentar a produção e o acesso à eletricidade.

A par das fragilidades do Ruanda, registam-se sucessos na educação: 96% das crianças são escolarizadas e a informática entrou nas aulas da escola primária através do programa Um computador por criança. Em 2012, havia 115 mil computadores nas escolas primárias para cerca de 2,3 milhões de alunos.

O país conta com esta geração bem formada: 70% da população tem menos de 25 anos, para favorecer o crescimento do setor de serviços que já passaram de 583 milhões de euros, em 2012, para mil milhões, em 2013.

Ainda há sombras neste retrato do país, nomeadamente o alegado papel de Kigali na destabilização do leste da RDC, a responsabilidade que terá tido no assassinato de dissidentes no estrangeiro, assim como a origem suspeita de algumas matérias-primas, sob suspeita de extração ilegal da RDC.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mais de uma centena de mortos nas cheias do Ruanda

Governo do Reino Unido vai criar lei de emergência para assegurar deportações para Ruanda

Plano do Governo britânico para enviar migrantes para o Ruanda é ilegal