Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

NATO: "A Rússia não se comporta como um parceiro"

NATO: "A Rússia não se comporta como um parceiro"
Tamanho do texto Aa Aa

O secretário-geral da NATO, Anders Fogh Rasmussen, foi entrevistado pelo jornalista Andrei Beketov na sede da organização, em Bruxelas. Os conflitos na Ucrânia, no Iraque e na Síria são alguns dos temas abordados nesta entrevista.

Euronews: Há mais de cinco anos que é o secretário-geral da NATO. Como avalia a situação da segurança na Europa nos últimos meses?

Anders Fogh Rasmussen: A situação mudou imenso. As ações militares ilegais da Rússia na Ucrânia são um alerta. Eles lembraram-nos que não podemos dar a segurança por garantida. Portanto, temos de adaptar-nos a esta nova situação.

Euronews: O presidente Putin disse esta semana que ele não podia deixar as forças da NATO entrarem na Crimeia, que foi por isso que a anexou. Teve em consideração estas preocupações de segurança da Rússia?

Rasmussen: Nunca tivemos a intenção de enviar tropas da NATO para a Crimeia. Portanto, é uma desculpa péssima para justificar uma anexação ilegal e ilegítima da Crimeia pela Federação Russa. Não há desculpa. A Rússia está a violar de maneira flagrante todos os compromissos internacionais, assim como todos os princípios fundamentais da cooperação NATO – Rússia.

Euronews: Acha que ainda há um envolvimento da Rússia no leste da Ucrânia?
E como vê este impasse armado?

Rasmussen: Não há dúvida que a Rússia está fortemente implicada em destabilizar o leste da Ucrânia. Eles permitem um fluxo de armas, equipamento e mesmo de combatentes através da fronteira com a Ucrânia. Apelamos à Rússia que pare de apoiar os grupos separatistas. E pedimos à Rússia para retirar tropas da fronteira com a Ucrânia. Vimos recentemente uma nova concentração de tropas russas na região fronteiriça.

Euronews: A NATO está a aumentar a sua presença nas proximidades da Rússia?

Rasmussen: Nós aumentámos a vigilância aérea sobre os três Estados do Báltico, enviámos navios para o Mar Báltico e para o Mar Negro, realizámos mais exercícios na Polónia e nos estados bálticos. Portanto, há uma maior presença da NATO no mar, no ar e em terra. Não é uma ofensiva. É puramente defensivo, com o objetivo de assegurar a proteção efetiva dos nossos aliados.

Euronews. Como descreve a Rússia. Como um parceiro ou agora mais como um adversário?

Rasmussen: Na verdade, passámos mais de 20 anos a construir uma relação com a Rússia, mas tenho que dizer que este país não se comporta como um parceiro. E podemos ver nos documentos militares russos que consideram a NATO um adversário. E claro que temos de adaptar-nos a isso.

Euronews: Que lições devem ser tiradas das táticas militares da Rússia face à Ucrânia?

Rasmussen: Vimos as forças armadas russas agirem muito rapidamente. Forças mais modernas se compararmos com as que atacaram a Geórgia em 2008. E esta é uma das razões que me leva a pedir aos aliados na NATO que aumentem os gastos com a Defesa e que acelerem a modernização das nossas forças armadas. Nos últimos cinco anos, a Rússia aumentou os gastos com a defesa em 50%, enquanto os países da NATO, em média, diminuíram os gastos com a Defesa em 20%. Claro que isto não é sustentável. O que vimos na Ucrânia foi uma mudança e agora está na altura de parar com os cortes, inverter a tendência e aumentar gradualmente os gastos em Defesa.

Euronews: Estamos a falar da segurança na Europa. Que tipo de ameaça advém do grupo sunita que controla partes do Iraque e da Síria. O que é que a NATO pode fazer?

Rasmussen: Repito. A NATO está concentrada na defesa e proteção dos nossos aliados. Foi, por isso, que enviámos mísseis Patriot para a Turquia, para proteger o país contra possíveis ataques de mísseis da Síria, mas claro que a situação na região é motivo de grande preocupação. É público que o Governo iraquiano pediu ajuda a aliados da NATO.

Euronews: Há aviões do Irão e da Rússia a operar ao lado de aparelhos americanos. Isto significa que a NATO já está a trabalhar com estes países?

Rasmussen: Não é a NATO enquanto aliança, mas aliados a título individual da NATO que estão envolvidos. Vemos agora como a comunidade internacional enquanto tal está preocupada com esta situação e com o alastrar do extremismo e do terrorismo. Isto requer uma resposta una da comunidade internacional, para lá das tradicionais divisões.

Euronews: Qual foi a sua maior conquista enquanto secretário-geral da NATO?

Rasmussen: Temos uma NATO mais forte, mais apta e mais rápida. Apesar dos cortes nos orçamentos da Defesa, temos uma aliança muito mais forte hoje. Por causa das operações no Afeganistão, Kosovo e noutros sítios, as nossas forças armadas estão agora preparadas para trabalhar e operar em conjunto. Estão mais fortemente ligadas e mais prontas para combater do que nunca. Ao mesmo tempo investimos em novas capacidades. Entre outras coisas, começámos a construir a defesa antimíssil. Decidimos também reforçar as nossas defesas cibernéticas. Portanto, penso que eliminámos as gorduras e ganhámos músculo. Portanto, a NATO hoje está muito mais forte.