EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Escócia: os desafios do referendo para lá do SIM e do NÃO

Escócia: os desafios do referendo para lá do SIM e do NÃO
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
PUBLICIDADE

Os escoceses são chamados às urnas na quinta-feira, 18 de setembro, para se pronunciarem, em referendo, sobre o futuro do país enquanto nação independente.

O país encontra-se unido à Inglaterra desde 1707, mas o nacionalismo tem crescido em força nas últimas décadas, em particular desde a eleição do governo conservador de David Cameron, apesar do voto maioritário dos escoceses nos trabalhistas.

Factos e números

England figures, if applicable, in brackets

Essencial

  • * Capital Edimburgo
  • * Maior cidade: Glasgow
  • * População 5.2 milhões
  • * Área total:a 78,772 km2
  • * Densidade populacional 67.2 km2

ECONOMÍA

  • * **Moeda:**libra esterlina
  • * Produtividade por habitante: 20,013 GBP
  • * Trabalhadores 2.49m (2010)
  • * Desemprego 6.4% (6.8%)- * **Principais exportações:**Alimentos e bebidas (incluíndo whiskey); Químicos; Serviços financeiros; Instrumentos elétricos e de engenharia;
  • * Top export destinations USA; Netherlands; France; Germany; Belgium
  • * Destino exportações: EUA; Holanda; França; Alemanha; Bélgica
  • * Despesa pública 10,152 GBP (8,529 GBP)

Curiosidades

  • * Escócia versus EUA: Há mais descendentes de escoceses nos EUA do que escoceses a viver na Escócia.

  • * Estômago de ferro? Um dos pratos mais conhecidos da Escócia é o Haggis, uma salsicha feita com estômago de ovelha e recheada com miúdos de ovelha e cebola.

  • * Ruivos: A Escócia é o país do mundo com maior proporção de ruivos, que representam 13% da população.

A Escócia votou a favor da devolução parcial de poderes ao território em 1997, que resultou em uma maior autonomia para Edimburgo em áreas como educação, saúde, justiça e segurança. Mas Londres retém ainda poderes em áreas como a imigração, segurança social, defesa e política externa.

O eleitorado escocês vai responder, durante o referendo, SIM ou NÃO a uma pergunta concreta: A Escócia deve tonar-se um país independente?

Em março deste ano, o eleitorado escocês contabilizava 4.12 milhões de adultos com direito de voto aos quais se juntam cerca de 100 mil jovens com idades entre os 16 e os 17 anos que participam num sufrágio pela primeira vez.

Os protagonistas do referendo:

Yes Scotland: o movimento pró independência reúne vários partidos como o Partido Nacional Escocês (SNP sigla em ingês), o Partido Verde Escocês e o Partido Socialista Escocês. O financiamento inicial do movimento veio de dois vencedores de lotaria, Colin e Christine Weir, assim como do SNP.

Better Together: o campo do NÃO à independência é uma aliança entre os principais partidos políticos britânicos – os Conservadores escoceses, Trabalhistas e Liberais Democratas. O movimento unionista recolheu 1,1 milhões de libras depois do seu lançamento, metade das quais doadas por Ian Taylor, um corretor do setor petrolífero e acionista do gigante textil Harris Tweed.

Para lá dos dois movimentos oficiais, outros grupos militam nesta campanha como os "Trabalhistas para a Independência" e o movimento "Vamos ficar juntos", apoiado por várias celebridades.

O que está em jogo?

PUBLICIDADE

A vitória do não vai pulverizar as ambições dos nacionalistas?

A possibilidade de derrota do SIM não representaria uma derrota definitiva para o nacionalismo escocês, segundo Emran Mian, diretor da Social Market Foundation.

Num blog, Mian afirma : “Os políticos de Westminster arriscam-se a enfrentar uma surpresa desagradável se pensam que um voto contra o referendo representaria uma vitória definitiva. O Partido Nacional Escocês vai provavelmente reagrupar-se depois do resultado, aproveitando-se dos novos poderes fiscais de que vai beneficiar o parlamento desde 2015 – mais a recente promessa de Londres de conceder mais autonomia ao território – o que que poderia reforçar os meios dos nacionalistas para concretizar o seu objetivo final.”

Porque é que os conservadores querem evitar a independência, quando esta poderia reforçar o partido no poder?

O Partido Conservador conta apenas com um deputado escocês entre os 59 atualmente no parlamento, sendo a maioria trabalhistas (membros do Labour). Se a Escócia obtivesse a independência seria provável que os “Tories” reforçassem o seu poder em Westminster nos próximos anos. Mas se algumas vozes se opõem a este cenário, evocando a queda de popularidade dos dois principais partidos britânicos, o primeiro-ministro David Cameron deixou claro quais seriam, para ele, as consequências de uma independência da Escócia:

PUBLICIDADE

“Estou mais preocupado com o meu país do que com o meu partido”. “Tenho a máxima consideração por este Reino Unido que construímos juntos”. “Ficaria com o coração despedaçado se esta família de nações que construímos juntos – assim como outras coisas extraordinárias que fizemos juntos – tivesse que se separar”.

My message to the Scottish people is simple: 'We want you to stay.' Please read and share this article with friends: https://t.co/LlDNPw238e

— David Cameron (@David_Cameron) 10 Septembre 2014

Os escoceses que vivem no estrangeiro vão votar no referendo?

O referendo está aberto a britânicos e cidadãos da União Europeia residentes na Escócia e foi alargado a residentes a partir dos 16 anos de idade. Mas todos os nascidos no país que vivem no estrangeiro, como o protagonista de James Bond, Sean Connery, estão impedidos de votar na consulta popular. O treinador escocês de futebol Gordon Strachan, o novelista Irvine Welsh e o humorista billy Connolly estão entre os 800 mil escoceses que vivem no estrangeiro.

Quem vai ganhar?

Alex Salmond, o primeiro-ministro escocês e a campanha pelo SIM pareciam estar a caminho de uma derrota há seis meses atrás. Mas, segundo as últimas sondagens YouGov, a distância da campanha do NÃO diminuiu em 14 pontos desde o início de Agosto. O campo independentista superou os seus opositores em intenções de voto, no dia 6 de setembro, quando as sondagens apontaram pela primeira vez a possibilidade de uma vitória do SIM à independência ainda que com uma frágil maioria.

PUBLICIDADE

Latest YouGov #IndyRef poll for the Sunday Times: YES 51% (+4), NO 49% (-4) – http://t.co/Byl40sBuiSpic.twitter.com/6wR4h0nD9X

— YouGov (@YouGov) September 6, 2014

O referendo escocês nas redes sociais

Vídeos

Várias celebridades explicam porque é que decidiram apoiar a campanha unionista.

Elaine C. Smith on the Referendum from Solus Productions on Vimeo.

No Twitter

PUBLICIDADE

#ScotlandDecides Ruth Davidson says if you're under 56 then you never voted for EU.Well I'm under 307 years old and I've never voted for UK

— Jim Cowin (@JimCowin) September 2, 2014

Did Lord George Robertson really just describe Scotland as a 'minor entity in North Britain'? #Scotland2014#indyref

— Nicola Sturgeon (@NicolaSturgeon) September 4, 2014

If #Scotland votes for independence next week, the Union Jack might look like this pic.twitter.com/c6z7ovV0uZ v EerikNKross</a></p>&mdash; Nikolaus von Twickel (niktwick) September 7, 2014

If Scotland gets a Yes vote I'm going round all the Aldi stores and spray painting a ' Y ' in front of their shop name. #ScotlandDecides

— Rob Kane (@JustRobKane) September 7, 2014

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Afinal, Nigel Farage vai concorrer às eleições no Reino Unido

William apareceu sem Kate na "Garden Party" de verão do Palácio de Buckingham

Jovem de 13 anos morre após ataque com espada em Londres